Fórmula 1 GP de Mônaco

Quem são os donos das equipes de Fórmula 1?

Motorsport.com explica certinho a quem pertence cada uma das dez equipes do grid

Lawrence Stroll, arrives at the track

As finanças da Fórmula 1 estão mais sólidas do que nunca, já que os níveis atuais de receita estão acima de 3 bilhões de dólares. Isso fez com que as equipes aumentassem suas margens de lucro, com a Ferrari sendo estimada como a mais valiosa do campeonato, com 3,9 bilhões de dólares, à frente da Mercedes, com 3,8 bilhões de dólares.

Mas mesmo as equipes menos valiosas ainda são financeiramente fortes, como a Williams, que vale aproximadamente 725 milhões de dólares.

Leia também:

Isso ocorre em meio ao boom de popularidade da F1, que resultou na entrada de vários investidores na série na década de 2020 - então, de quem é a propriedade de cada equipe?

Red Bull Racing - Red Bull GmbH

O conglomerado privado Red Bull GmbH, conhecido principalmente por sua marca de bebidas energéticas, causou alvoroço quando comprou a Jaguar Racing em 2005 para criar uma equipe de F1 em seu próprio nome. Desde então, a Red Bull Racing se tornou uma das equipes mais bem-sucedidas da história da F1, vencendo 13 campeonatos mundiais (seis de construtores e sete de pilotos) com pilotos famosos como Sebastian Vettel e Max Verstappen.

Embora Christian Horner tenha sido o chefe da equipe da Red Bull desde sua estreia, ele não tem participação na marca. Em vez disso, a Red Bull tem dois acionistas: Chalerm Yoovidhya (51%) e Mark Mateschitz (49%), cujos falecidos pais fundaram a empresa austro-tailandesa em 1984.

Foto de: Red Bull Content Pool

Mercedes - Grupo Mercedes-Benz, Toto Wolff e INEOS

A Mercedes F1 Team pertence em partes iguais a três membros: Grupo Mercedes-Benz, o CEO Toto Wolff e a INEOS.

A atual equipe da Mercedes entrou na F1 em 2010, quando a Daimler, agora conhecida como Grupo Mercedes-Benz, comprou uma participação de 45,1% na atual campeã mundial Brawn GP, enquanto a Aabar Investments adquiriu 30%. Ambas as entidades compraram os 24,9% restantes em 2011, então pertencentes à gerência da equipe, antes de a Daimler assumir o controle total em 2012.

A equipe passou por outra mudança de propriedade em 2013, quando Wolff se juntou vindo da Williams e comprou uma participação de 30%. Isso coincidiu com a compra de 10% do diretor não-executivo Niki Lauda, enquanto a empresa controladora detinha os 60% restantes.

Essa estrutura ajudou a Mercedes a vencer um recorde de seis dobradinhas nos campeonatos mundiais consecutivas de 2014 a 2019, ano em que Lauda morreu, o que significa que seus 10% foram devolvidos à Mercedes.

Em 2020, a empresa química INEOS comprou um terço da empresa, o que fez com que Wolff aumentasse sua participação e a Daimler diminuísse sua participação majoritária, antes que a Mercedes ganhasse seu oitavo título consecutivo de construtores no ano seguinte.

Foto de: Andy Hone / Motorsport Images

Scuderia Ferrari - Público, Exor N.V. e Piero Ferrari

A Ferrari S.p.A dirige sua própria equipe de F1, que é a única construtora que competiu em todas as temporadas desde a estreia da série em 1950. A propriedade da Ferrari é dividida em três partes: pública (67,09%), Exor N.V. (22,91%) e Piero Ferrari (10%).

A fabricante italiana é uma empresa de capital aberto desde 2015, com listagens nas bolsas de valores de Nova York e Milão. Por meio dessas listagens, a Exor N.V. adquiriu uma participação e essa é a holding da família Agnelli, os fundadores da Fiat, com John Elkann, presidente da Ferrari, também atuando como seu CEO. Quando Enzo Ferrari morreu em 1988, ele passou 10% da empresa para seu segundo e único filho vivo, Piero, que também atua como vice-presidente.

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

McLaren Racing - Grupo McLaren e MSP Sports Capital

A McLaren Racing é 67% de propriedade do McLaren Group, que é a holding fundada por Ron Dennis em 1985 e que administra os ramos automotivo e de automobilismo da família McLaren.

O grupo passou por uma mudança de liderança em março de 2024, quando o Mumtalakat, o fundo soberano do Bahrein, adquiriu a propriedade total, depois de ter tido uma participação inicial de 30% em 2007. Tornou-se acionista majoritário quando Dennis vendeu seus 25% restantes em 2017, antes de assumir a propriedade total "após a conversão de todas as ações preferenciais em ações ordinárias".

A empresa de investimentos americana MSP Sports Capital também detém uma participação minoritária na equipe de F1, depois de investir 185 milhões de libras por 15% em 2020, antes de aumentar para 33% no final de 2022.

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Aston Martin - AMR Holdings GP Limited e Arctos Partners

A equipe baseada em Silverstone passou por várias mudanças de propriedade ao longo dos anos. Começou com a Jordan em 1991, antes que o fundador da equipe, Eddie Jordan, vendesse seu equipamento para o Midland Group em 2005, que, por sua vez, o passou para a Spyker Cars no ano seguinte.

Um consórcio liderado pelos empresários Vijay Mallya e Michiel Mol comprou a equipe Spyker em 2007 e formou a Force India, mas a equipe entrou em falência 11 anos depois. Isso fez com que um consórcio de investidores chamado Racing Point UK, liderado por Lawrence Stroll, comprasse os ativos e rebatizasse a equipe como Racing Point Force India, antes de abandonar a marca "Force India" em 2019.

Mais tarde, a Racing Point UK se tornou a AMR Holdings GP Limited em 2021 para coincidir com o fato de o construtor se tornar a Aston Martin F1 Team, depois que Stroll se tornou o presidente executivo da fabricante. Isso significa que a equipe de F1 permaneceu sob essa forma de propriedade desde 2018, embora em novembro de 2023 a empresa de private equity Arctos Partners tenha adquirido uma participação minoritária não revelada na holding da equipe.

Foto de: Erik Junius

Equipe Alpine F1 - Grupo Renault e Otro Capital

A equipe baseada em Enstone também passou por várias mudanças de propriedade, assim como a equipe de Silverstone. Atualmente, ela está sob a liderança do Grupo Renault, que deu nome à equipe até 2021, quando mudou para a Alpine, que é a marca de carros esportivos da empresa.

Mas não se trata de uma propriedade total. Isso porque, em junho de 2023, a equipe vendeu 24% de suas ações para o grupo de investimento Otro Capital, com sede nos EUA, que inclui a RedBird Capital Partners e a Maximum Effort Investments por pouco mais de 200 milhões de euros.

O negócio provocou uma enorme reação porque o grupo de investimento inclui uma série de atletas de alto nível, como o campeão mundial de boxe Anthony Joshua, o jogador de futebol inglês Trent Alexander-Arnold, o vencedor do campeonato de golfe Rory McIlroy e o quarterback vencedor do Super Bowl Patrick Mahomes - bem como os atores de Hollywood e os proprietários do Wrexham FC Ryan Reynolds e Rob McElhenney.

Foto de: Alpine

RB F1 - Red Bull GmbH

A RB é a segunda equipe da F1 de propriedade da Red Bull GmbH, que comprou a equipe da Minardi para a temporada de 2006 e a rebatizou como Toro Rosso - que é "Red Bull" em italiano, onde a equipe está sediada.

A Toro Rosso foi formada para servir como equipe júnior da Red Bull, o que significa que, ao longo dos anos, sete pilotos correram pela equipe sediada em Faenza antes de serem "promovidos" para a Red Bull - esses sete são Vettel, Verstappen, Daniel Ricciardo, Daniil Kvyat, Pierre Gasly, Alex Albon e Robert Doornbos, embora ele tenha sido contratado da Minardi.

Mas o fato de a Red Bull comandar as duas equipes é bastante controverso, já que o CEO da McLaren Racing, Zak Brown, expressou seu descontentamento com o fato de duas equipes terem uma parceria tão próxima. Embora a equipe "A" tenha sido chamada de Red Bull desde sua estreia, a Toro Rosso mudou o nome para AlphaTauri em 2020, antes de se tornar RB em 2024.

Foto de: Red Bull Content Pool

Williams Racing - Dorilton Capital

A Williams Racing já foi a equipe dominante da F1, tendo vencido 16 campeonatos mundiais (nove de construtores e sete de pilotos) nas décadas de 1980 e 1990, depois que Frank Williams e Patrick Head co-fundaram a equipe em 1977, com o primeiro detendo a participação majoritária.

Mas o século XXI trouxe desafios financeiros com os quais a Williams teve dificuldade de lidar, pois grandes corporações como Mercedes e Red Bull entraram na F1, enquanto fabricantes como a Ferrari já tinham um orçamento maior.

Isso fez com que ela se tornasse a equipe menos competitiva da F1 no momento em que a família Williams abriu mão do controle em 2020, com a Dorilton Capital assumindo a propriedade total. A Dorilton é uma empresa de investimento privado com sede nos EUA que investe em empresas de diferentes setores da indústria e Matthew Savage atua como seu presidente.

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Sauber - Longbow Finance S.A. e Audi

Peter Sauber formou a PP Sauber AG, mais tarde conhecida como Sauber Motorsport, em 1970, para competir originalmente em carros esportivos antes de mudar para a F1 em 1993. Apenas dois anos depois de sua estreia, o cofundador da Red Bull GmbH, Dietrich Mateschitz, comprou uma participação majoritária com a marca de bebidas energéticas servindo como patrocinador titular da Sauber.

Mas as duas partes se desentenderam quando a equipe contratou o inexperiente Kimi Raikkonen para 2001, em vez de Enrique Bernoldi, apoiado pela Red Bull. Isso fez com que Mateschitz vendesse sua participação para o banco de investimentos global Credit Suisse em 2002, que, três anos depois, vendeu sua parte para a BMW, enquanto Peter manteve 20% de sua empresa.

A retirada da BMW no final de 2009 significou que Peter recomprou sua equipe, antes de transferir um terço da empresa para a CEO Monisha Kaltenborn em 2012. Apenas quatro anos depois, houve mais uma mudança de propriedade, pois a empresa foi vendida para a empresa de investimentos suíça Longbow Finance S.A. e a venda coincidiu com a aposentadoria de Peter.

A fabricante alemã Audi adquiriu então uma participação de 25% no início de 2023 como preparação para uma aquisição total em 2026, o que fará com que a equipe receba o nome da marca de propriedade da Volkswagen.

Foto de: Sauber

Haas - Haas Automation

A equipe de F1 da Haas é administrada pela Haas Automation, que detém a propriedade total da equipe. A Haas Automation é uma fabricante de máquinas-ferramenta fundada pelo empresário americano Gene Haas, que formou uma equipe da NASCAR em 2002 antes de adicionar a F1 ao seu portfólio em 2016.

Por isso, a Haas não tem o mesmo apoio de equipes como a Ferrari ou a Mercedes, o que a levou a ser uma das equipes menos competitivas da F1 desde sua estreia. No entanto, ela ainda recebe investimento suficiente, com a empresa de transferência de dinheiro MoneyGram servindo como seu patrocinador principal.

Márquez na DUCATI OFICIAL e Martín na APRILIA! Jorge será SABOTADO em 2024? Bagnaia, Mugello e mais

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Podcast Motorsport.com debate: Verstappen e RBR ameaçados em 2024?

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Ocon deixará Alpine após temporada 2024
Próximo artigo F1: Simulação deixa Ferrari otimista para vitória no GP do Canadá

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil