Ultrapassagem de Piquet faz 30 anos; veja reação da imprensa

Considerada a maior ultrapassagem da história da F1 está perto de completar 30 anos, mas será que a imprensa da época a relatava assim?

Ultrapassagem de Piquet faz 30 anos; veja reação da imprensa
Nelson Piquet
Nelson Piquet
Ayrton Senna
Pódio: vencedor Nelson Piquet, Williams, segundo colocado Stefan Johansson, Ferrari, terceiro colocado Ayrton Senna, Lotus
Ayrton Senna, Lotus with Gérard Ducarouge
Ayrton Senna
Ayrton Senna
Ayrton Senna, Lotus 98T-Renault
Ayrton Senna, Lotus 97T-Renault
Ayrton Senna
Ayrton Senna
Nelson Piquet, Williams

O local da próxima etapa da F1 no próximo domingo é marcante para o fã brasileiro. No dia 10 de agosto de 1986 se completa 30 anos de uma das corridas mais comentadas entre torcedores, pilotos e jornalistas. O GP da Hungria teve dobradinha brasileira, com Nelson Piquet em primeiro e Ayrton Senna em segundo. Mais do que isso, durante a prova aconteceu o que muitos consideram a maior ultrapassagem da história da F1. 

 

Independentemente da qualidade da manobra, se ela é - de fato - a maior da história, o Motorsport.com Brasil revisitou três das maiores publicações diárias do Brasil: Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e O Globo. Será que os jornais, no calor do momento, na segunda-feira, 11 de agosto de 1986, classificavam assim a ultrapassagem de Piquet em cima de Senna?

A Folha de S. Paulo destacou a dobradinha brasileira, que já havia acontecido também na Alemanha e Brasil, e o fato do GP da Hungria ser o primeiro a ser realizado em um país do "bloco socialista". Em uma área separada da matéria - cujo crédito era "Da reportagem Local" - intitulada "Show dos brasileiros", o jornal se referiu à manobra de Piquet sobre Senna assim:

"Desde a largada Piquet e Senna fizeram uma disputa à parte, distanciando-se do resto dos competidores e revezando-se na liderança. Os dois agora aumentaram a suas chances de conquistar o título já que Senna está em segundo lugar no campeonato com 48 pontos, um a mais que Piquet, em terceiro. Senna saiu na frente e perdeu a ponta para Piquet na 11° volta, voltando a ocupá-la na 35°, quando este trocou pneus. Piquet voltou quase trinta segundos atrás e depois de duas ultrapassagens empolgantes em que chegou a atravessar seu Williams na pista, conquistou definitivamente a primeira posição."

O O Globo também deu grande destaque à dobradinha entre Senna e Piquet. Aquela segunda-feira também era o "Day After" do título carioca do Flamengo. Mesmo assim, a publicação dedicou meia página da capa de seu caderno de esportes, com o título "Piquet é primeiro, Senna o segundo; festa brasileira na Fórmula 1", com a foto do momento da ultrapassagem do piloto da Williams, além de charges dos dois tricampeões da categoria.

O O Estado de S. Paulo não circulou na segunda-feira pós prova, deixando toda a repercussão para a terça-feira, 12 de agosto de 1986. Com mais tempo, o jornal publicou o relato da prova do repórter Wagner Gonzalez, que esteve na Hungria. O último parágrafo foi dedicado à manobra de Piquet.
No bloco abaixo, o então correspondente em Paris, Reali Júnior, falava da "Guerra declarada" entre os dois pilotos brasileiros. O saudoso jornalista falava em "ponto de quase ruptura" e as declarações de Piquet após a prova.

"Meu carro era o mais rápido e deveria vencer sem riscos. A próxima vez que ele tentar me ultrapassar num Grande Prêmio vai terminar a corrida no ônibus da Lotus."

Roberto Godoy, da Agência Estado, também teve espaço para comentar a famosa ultrapassagem, com um texto intitulado "Manobra impossível". Nele, o jornalista tenta buscar explicações com o engenheiro aeronáutico Ronaldo de Assis, que esteve na Lotus por dois anos.

"Até domingo uma saída daquelas, sob derrapagem controlada, alterando o ângulo da curva, em uma trajetória absolutamente irregular, era considerada teoricamente ressonante, ou seja, o carro virtualmente seria disparado para fora da pista como uma flecha lançada por um arco", relatou Assis.

 
compartilhar
comentários
Ross Brawn nega convite para ser consultor da Ferrari
Artigo anterior

Ross Brawn nega convite para ser consultor da Ferrari

Próximo artigo

Neymar desafia Hamilton em jogo de embaixadinhas

Neymar desafia Hamilton em jogo de embaixadinhas
Carregar comentários