Wolff reclama que faltou 'bom senso' na desqualificação de Hamilton para a Sprint de Interlagos

Chefe da Mercedes alega que antigamente havia permissão para fazer reparos se surgissem problemas que pudessem violar as regras

Wolff reclama que faltou 'bom senso' na desqualificação de Hamilton para a Sprint de Interlagos

Hamilton perdeu o primeiro lugar na qualificação de sexta-feira no Grande Prêmio de São Paulo após sofrer punição porque no DRS havia uma lacuna entre os elementos da asa 0,2 mm mais larga em um lado do carro do que as regras permitem.

A Mercedes não conseguiu iniciar uma investigação detalhada sobre o que causou o problema, mas acredita que algum dano, potencialmente apenas um parafuso solto, desencadeou o problema.

O chefe da equipe, Toto Wolff, deixou claro que, no passado, as equipes tinham permissão para fazer reparos em componentes do carro em condições de parque fechado, se surgissem problemas que pudessem desencadear uma violação das regras.

Leia também:

Mas ele diz que, por algum motivo, a recusa do departamento técnico da FIA em permitir que a Mercedes resolvesse os danos do DRS após a sessão e, em vez disso, relatasse o assunto diretamente aos comissários, resultou em um novo protocolo.

“Não quero escolher nenhum indivíduo, porque todos tentam fazer o melhor trabalho possível em suas funções, mas algo foi contra o modus operandi nessas últimas 24 horas”, disse Wolff sobre a série de eventos que desencadeou a exclusão de Hamilton.

“Ou estava sob pressão de outras partes interessadas, ou apenas diferente. E se o modus operandi for diferente agora, talvez seja necessário olhar para os outros também com um olhar mais estrito e severo.

“Posso dizer que, nas próximas corridas, vamos dar uma olhada em cada parte e fita da corrida que vai cair de um carro e fazer perguntas.”

Lewis Hamilton, Mercedes W12, leaves the garage

Lewis Hamilton, Mercedes W12, leaves the garage

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

Wolff é claro que a forma anterior de operar na F1, onde componentes aerodinâmicos quebrados que poderiam ter acionado falhas no teste de deflexão foram levados em consideração, não deve mais ser aceita com base no caso de Hamilton.

“Acho que, de certa forma, existia um acordo de cavalheiros, mas não existe mais. Você não pode ter nenhum milímetro de leniência em consertar coisas em um carro. Se está quebrado, está quebrado, você não pode tocá-lo. E é assim que vai ser este ano.”

Wolff diz que a situação com a asa traseira da Mercedes o irrita especialmente porque na corrida anterior, no México, a Red Bull teve permissão para fazer reparos na asa traseira quando descobriu problemas com eles.

“Sabe, vimos isso com o Red Bull no fim de semana passado”, disse Wolff. “Queríamos deixar a asa [do Hamilton] com eles para que pudessem cortá-la em 1000 pedaços. Não nos foi permitido olhar para a asa porque ela simplesmente foi danificada durante a sessão de qualificação e nenhum desses argumentos contou.”

Ele acrescentou: “No passado, às vezes havia um "radar" de bom senso que não existia ontem ou hoje. Mas é tudo ao ponto dentro do regulamento. Então você precisa respeitar isso.”

F1 AO VIVO: A BATALHA de São Paulo; a volta da F1 ao Brasil, veja toda repercussão

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #145 - TELEMETRIA: Rico Penteado analisa fim de semana em Interlagos

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Verstappen fala sobre manobra com Hamilton em Interlagos: "Ambos freamos tarde"
Artigo anterior

F1: Verstappen fala sobre manobra com Hamilton em Interlagos: "Ambos freamos tarde"

Próximo artigo

F1: FIA não olhou onboard de Verstappen antes de descartar investigação por incidente na curva 4

F1: FIA não olhou onboard de Verstappen antes de descartar investigação por incidente na curva 4
Carregar comentários