Fórmula 1 Fórmula E IndyCar
28 ago
Evento encerrado
12 set
Evento encerrado
NASCAR Cup
19 set
Evento encerrado
R
Las Vegas II
27 set
Próximo evento em
2 dias
Stock Car Brasil
R
Londrina II
11 set
Evento encerrado
16 out
Próximo evento em
21 dias
MotoGP
15 out
Próximo evento em
20 dias

Categoria feminina divide opiniões entre pilotos mulheres

compartilhar
comentários
Categoria feminina divide opiniões entre pilotos mulheres
Por:
Traduzido por: Daniel Betting

Nova W Series, que usará monopostos da F3 a partir de 2019, causou reações de todos os tipos entre pilotos mulheres

A W Series, novo campeonato internacional de monopostos feminino deverá ser lançado no próximo ano com o objetivo de ajudar as mulheres no seu caminho para a Fórmula 1. Com David Coulthard e Adrian Newey entre seus promotores, a categoria unicamente feminina se baseará em monopostos da Fórmula 3 (Tatuus T-318 ) com motor de 270 cv e caixa de câmbio de seis velocidades semiautomática.

A chegada da categoria dividiu opiniões dos pilotos que estão atualmente em atividade e lutando cara a cara com seus colegas do sexo masculino.

Para Cristina Gutiérrez, que disputou e completou duas edições doo Rally Dakar consecutivas, a categoria é "um pouco contraditória" e a espanhola prefere competir "de igual para igual" com os homens, como ela sempre fez.

"Minha opinião sobre a nova W Series, que vai permitir a participação única e exclusivamente feminina, é que é um pouco contraditória. Honestamente, na minha modalidade eu sempre amei competir contra os homens e a vejo que somos capazes de lutar de igual para igual com eles e eles conosco", garantiu ao Motorsport.com.

"Se as pessoas que realmente sabem disso consideram que isso vai promover o esporte feminino no automobilismo, sigam em frente. Mas a minha opinião é bem clara. Eu não gostaria de nos dividissem, porque isso é um sintoma de separação, não de igualdade. Espero que continuemos competindo contra eles e que continuemos fazendo história, como Laia Sanz e Jutta Kleinschmidt fizeram competindo contra os homens".

Por outro lado, Alice Powell, campeã da Fórmula Renault e ex-piloto da GP3, garante. "Subir a pirâmide do automobilismo sempre foi difícil para todos, mas talvez ainda mais para as mulheres. A W Series, que oferecerá a chance de correr de graça com um prêmio final para um número seleto de mulheres, é uma coisa muito positiva."

"É também um meio importante para um fim: um trampolim para mulheres pilotos em suas trajetórias, desde as fórmulas mais baixas até as mais importantes categorias de monopostos, levando consigo as habilidades que aprenderam na W Series."

Pippa Mann, a mais dura de todas, assegurou em suas redes sociais: "Que dia triste para o motor. Aqueles com dinheiro para ajudar as mulheres pilotos estão escolhendo segregar, em vez de apoiá-las. Estou profundamente decepcionada porque este histórico passo para trás tenha lugar no meu tempo".

A jovem Sophia Floersch, piloto da FIA F3 com Van Amersfoort, acrescentou em suas redes sociais: "Eu concordo com os argumentos, mas discordo totalmente da solução. As mulheres precisam de apoio de longo prazo e confiança dos patrocinadores. Quero competir com os melhores do nosso esporte. Por favor, compará-la com a economia? Precisamos separar as mulheres nos conselhos de administração ou nas diretrizes? Caminho equivocado.”

Tatiana Calderón, a figura feminina que está mais próxima da F1, no papel de piloto de desenvolvimento da Sauber e da GP3 na DAMS, disse: "Estou correndo há mais de uma década em diferentes categorias, como Fórmula 3, GP3, World Series, entre outras, sempre sendo uma minoria, então eu sei como é difícil para as mulheres terem as mesmas oportunidades e progredirem em suas carreiras. Espero que essa categoria ajude a criá-las para algumas jovens promessas e que permita às melhores provarem que podemos competir no mesmo nível que os homens".

Em vez disso, Stéphane Kox, piloto de GT, disse: "A W Series soa como uma nova entrada positiva para o mundo do motor, e, claramente, é um grande passo para as pilotos mulheres ambiciosas atuarem em todo o mundo. Depois de conversar com a organização da W Series, ficou claro que eles entendem que as mulheres aspiram competir".

"De minha parte, quero ser um piloto de corrida no nível mais alto possível e ser capaz de competir contra os melhores homens e mulheres, e para isso, é importante que possamos primeiro ganhar o tipo de experiência que a W Series oferecerá".

Informação adicional de Jonathan Noble

Galeria
Lista

Tatiana Calderon, Motorsport.com piloto columnista

Tatiana Calderon, Motorsport.com piloto columnista
1/10

Foto de: Tatiana Calderon

Tatiana Calderón y Paula Calderón

Tatiana Calderón y Paula Calderón
2/10

Foto de: DPPI

Tatiana Calderón, Michèle Mouton

Tatiana Calderón, Michèle Mouton
3/10

Foto de: DPPI

Tatiana Calderón, Toto Wolff, Mercedes AMG F1 Director de Motorsport

Tatiana Calderón, Toto Wolff, Mercedes AMG F1 Director de Motorsport
4/10

Foto de: DPPI

Bio Engineering Center MSi, Madrid

Bio Engineering Center MSi, Madrid
5/10

Sophia Floersch, BWT Mucke Motorsport

Sophia Floersch, BWT Mucke Motorsport
6/10

Foto de: acisportitalia.it

Cristina Gutiérrez, Mónica Plaza, Sodicars

Cristina Gutiérrez, Mónica Plaza, Sodicars
7/10

Foto de: Baja Aragón

Susie Wolff

Susie Wolff
8/10

Vittoria Piria, Stefan Wilson, Electric GT Championship

Vittoria Piria, Stefan Wilson, Electric GT Championship
9/10

Alice Powell

Alice Powell
10/10

Foto de: MRF Racing

Plataforma busca “democratizar” automobilismo no Brasil

Artigo anterior

Plataforma busca “democratizar” automobilismo no Brasil

Próximo artigo

Radar verde-amarelo: Título de Nasr é o ponto alto do fim de semana

Radar verde-amarelo: Título de Nasr é o ponto alto do fim de semana
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Geral
Localização MSi
Pilotos Tatiana Calderon , Cristina Gutiérrez
Autor Baja Aragón