Opinion

ANÁLISE: Os 'trunfos' de Márquez e Martín na briga pela vaga da Ducati na MotoGP

Com Bastianini basicamente fora da jogada, disputa fica concentrada entre os dois espanhóis das equipes satélites

Jorge Martin, Pramac Racing, Marc Marquez, Gresini Racing

A Ducati está empenhada em decidir no GP da Itália quem será o companheiro de equipe de Francesco Bagnaia na equipe de fábrica a partir do ano que vem na MotoGP (por mais que segure o anúncio para depois), com Marc Márquez e Jorge Martín confiantes de que seus pontos fortes falarão mais alto a seu favor.

Vamos ser francos e admitir que a história está ligeiramente alterada. Embora seja verdade que a primeira parte da equação deva ser esclarecida pela Ducati, o problema não será completamente resolvido até que o piloto escolhido assine o contrato.

Leia também:

Dos três que começaram a corrida pela segunda Ducati da equipe, Enea Bastianini ficou para trás, uma circunstância que coloca Martín e Márquez nos dois cantos do ringue. Os resultados favorecem ligeiramente o primeiro, que, por sua vez, não pode competir com o segundo em termos de impacto e cobertura da mídia.

 

Além desses dois conceitos, é muito difícil avaliar qual dos dois é mais competitivo porque as circunstâncias que os cercam são muito distantes em todos os níveis.

Martín construiu sua liderança na classificação com base na velocidade e na consistência, os dois elementos mais desejáveis para qualquer candidato ao título. Nas seis rodadas do calendário até agora, o piloto da Pramac tem duas vitórias (Portimão e Le Mans) e um total de quatro pódios, além de mais três vitórias (Qatar, Jerez e Le Mans) e dois pódios (Portimão e Austin) nessas duas corridas de sprint. Um grande sucesso, considerando o nível de competição no grid no momento, com uma taxa de eficiência de 70%.

Do total de 222 pontos em disputa até agora, o espanhol conseguiu conquistar 155, um número que implica uma média de 26 pontos por GP, de um total de 37 possíveis. A média de Bagnaia, que está em segundo lugar na classificação com 39 pontos a menos, é de 19 pontos por evento, praticamente a mesma de Márquez, que tem apenas dois pontos a menos que o atual campeão.

Jorge Martin, Pramac Racing

Jorge Martin, Pramac Racing

Foto de: Gold and Goose / Motorsport Images

Essa imagem deveria colocar Martín na pole position para se juntar à equipe da Ducati em 2025. No entanto, a marca italiana não pode ignorar o desempenho impressionante de Márquez nas últimas corridas. Em uma etapa tão decisiva, o piloto #93 tirou da manga duas reviravoltas que provam que, mesmo com uma moto velha da fabricante, ele está muito próximo de sua melhor versão.

Somente com uma pilotagem excepcional seria possível sair da 13ª e 14ª posições, em Le Mans e Barcelona, respectivamente, para terminar no pódio nas quatro corridas disputadas nas etapas. Martín pilota uma Ducati há quatro anos, em comparação com os seis GP de Márquez, que também tem uma moto que, no papel, oferece um desempenho inferior ao de seu adversário.

A opulência de Marquez em todas as suas dimensões, dentro e fora da pista, é seu melhor trunfo para convencer os chefes da Ducati. Gigi [Dall'Igna] está muito interessado em saber o que Marc é capaz de fazer com a Desmosedici de última geração, com eco de várias vozes da garagem da equipe vermelha.

Na mesma garagem, há a certeza de que uma vitória de Márquez em Mugello neste fim de semana complicaria de forma bastante decisiva a continuidade de Martíin na Ducati, uma vez que ele mesmo deixou claro que só pensa em permanecer sob o guarda-chuva da marca se estiver com o macacão da equipe oficial. Um cenário compreensível, se levarmos em conta que a marca já preferiu Bastianini a Martín na última vez que teve que escolher.

Sua saída seria ainda mais lógica considerando que o anúncio seria feito com ele como líder do campeonato, dada a vantagem de 39 pontos que ele tem na liderança do campeonato. Com essa declaração de Martín em mente, a chave é saber o que é de maior valor para a Ducati e o que ela está disposta a perder.

Partindo do pressuposto de que a intenção da Ducati é manter os dois espanhóis, parece haver apenas uma fórmula que permitiria isso: colocar Martín na equipe de fábrica e persuadir Márquez a se juntar a uma das equipes satélites com, é claro, a Desmosedici do ano. Para a Ducati, seria melhor ainda se o destino fosse a Pramac, para evitar a perda de seu melhor time satélite para a Yamaha.

Marc Marquez, Gresini Racing

Marc Marquez, Gresini Racing

Foto de: Gold and Goose / Motorsport Images

Em Barcelona, no último fim de semana, os dois protagonistas que têm o mercado de pilotos sob suas amarras mostraram novamente as estratégias. Martin, por sua vez, deixou claro que no próximo ano ele correrá "com uma equipe de fábrica".

O Motorsport.com apurou que o piloto da Pramac tem uma oferta da KTM sobre a mesa e deu à Ducati até Mugello para convencê-lo. Se ele não receber uma resposta nos próximos dias, ou se a proposta que receber não o satisfizer, ele negociará ativamente com o grupo austríaco.

Márquez, por sua vez, insistiu que tem um plano em sua cabeça que está funcionando da maneira que ele deseja. O hexacampeão mundial de MotoGP é muito mais sutil do que seu oponente e prefere não fechar nenhuma porta. Assim como Martín, a KTM também está pronta para recrutá-lo caso ele opte por deixar a Ducati.

Márquez quer voltar para uma equipe de fábrica porque isso garante que ele terá os recursos e o equipamento necessários para disputar o título. Isso não quer dizer, entretanto, que ele não esteja contemplando a possibilidade de aceitar correr com uma equipe satélite caso a Ducati opte por escolher seu compatriota.

O que parece claro é que, com a maior parte do orçamento destinado aos salários dos pilotos já alocada para Bagnaia, seu próximo companheiro de equipe pode não ser tanto o piloto escolhido, mas aquele que estiver mais disposto a abrir mão de tudo para conseguir o emprego.

MotoGP mais perto do Brasil! Pecco VENCE mas Martín AMPLIA PONTA e Márquez BRILHA na Espanha

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Ouça o Pódio Cast #12, com o pós-GP da Catalunha e as últimas sobre a MotoGP no Brasil

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior MotoGP: GP do Cazaquistão retorna ao calendário após Índia ter cancelamento oficializado
Próximo artigo MotoGP: Martín deve ser o escolhido para equipe de fábrica da Ducati

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil