Conteúdo especial
MotoGP GP da França

MotoGP 1000: Como as corridas evoluíram ao longo das últimas 999 provas

Principal categoria da motovelocidade mundial atinge marca histórica no fim de semana do GP da França, em Le Mans

Geoff Duke, Gilera

Antes de iniciar este especial, é importante explicar algo para não deixar dúvidas sobre o fim de semana: essa não é a 1000ª corrida da história da MotoGP, ou da "categoria rainha". O GP da França de 2023 é o 1000º evento do Mundial de Motovelocidade.

De todas as provas realizadas até hoje, 48 delas não contaram com a categoria principal, sendo que a última delas foi o GP do Catar de 2020. Com o rápido impacto da pandemia da Covid-19, apenas Moto2 e Moto3 correram lá porque já estavam no país.

Leia também:

Caso o calendário se mantenha estável como o atual, com 20 eventos em 2023, o 1000º GP da MotoGP (ou categoria-rainha, pelo fato de ter recebido outros nomes antes), seria a segunda etapa da temporada 2025. Por enquanto, Le Mans será a 952ª etapa dela.

Tendo explicado isso, esse marco na história das corridas de moto nos dá uma chance de entender como que as coisas evoluíram nos últimos 73 anos. 

Em 1948, uma reunião da federação, hoje conhecida como Federação Internacional de Motociclismo (FIM), mas antes chamada de Federação Internacional de Clubes de Motociclistas, decidiu pela formação de um campeonato mundial.

Com a presença das classes 500cc (hoje MotoGP), 350cc, 250cc, 125cc e Sidecar, pontos seriam distribuídos segundo a posição final e pela volta mais rápida. Para 1949, pontuariam até o quinto lugar, com 10 para o vencedor, 8 para o segundo, 7 para o terceiro, 6 para o quarto e 5 para o quinto.

Esse foi o único ano desse sistema. Entre 1950 e 1968, ele passou a ser de 8, 6, 4, 3, 2 e 1, abandonando o ponto de volta mais rápida.

Grand prix racing began in 1949 at the TT. From the off, it produced heroes, like Umberto Masetti - pictured here on a Gilera in 1950

Grand prix racing began in 1949 at the TT. From the off, it produced heroes, like Umberto Masetti - pictured here on a Gilera in 1950

A etapa inaugural deste novo campeonato foi o TT da Ilha de Man em junho de 1949, prova que seguiu no Mundial até 1977. A famosa e mortal pista de 60km de extensão contou com 9 pilotos na primeira corrida de 500cc da categoria. Dos 59, 35 terminaram, com Harold Danielle, a bordo de uma Norton, sendo o primeiro vencedor da história após sete voltas e 03h02min18s.

Leslie Graham liderava o evento quando sua AJS Porcupine teve um problema mecânico na volta final. Ele levou a moto até o fim, mas terminou em 10º, levando o ponto da volta mais rápida. Johnny Lockett e Ernie Lyons completaram o pódio.

Na classe 250cc, Manliff Barrington venceu com sua Moto Guzzi, enquanto na 350cc a vitória ficou com Freddie Firth. Como a prova da 350cc foi a primeira da etapa, o britânico tem a distinção de ser o primeiro vencedor da história do Mundial, de um total de 393 entre todas as classes até o GP da Espanha de 2023.

Graham se tornaria no fim daquele ano o primeiro campeão mundial, com vitórias na Suíça e na Irlanda do Norte, além de um pódio em Assen, conquistando o título com dois pontos à frente de Nello Pagani.

Adiantemos a fita até o evento número 999, o GP da Espanha em Jerez há menos de duas semanas: muita coisa mudou.

MotoGP's most recent race - the 2023 Spanish GP - looks worlds apart from how it did in grand prix racing's origins

MotoGP's most recent race - the 2023 Spanish GP - looks worlds apart from how it did in grand prix racing's origins

Photo by: Aprilia Racing

Nenhum dos vencedores do TT de 1949 estão vivos hoje. Daniell foi para os carros após largar as motos, competindo em Fórmula 3, morrendo em 1967 aos 57 anos. Barrington se aposentou quando sofreu uma fratura em um acidente no TT em 1952. Ele morreu em 1999 aos 87 anos, enquanto Flirth foi-se em 1988 aos 79 anos. Uma batida durante o TT de 1953 tirou tragicamente a vida de Graham.

Nenhuma das marcas que venceram aquelas primeiras corridas estão no grid atualmente.

O GP da Espanha de 2023 foi vencido por Francesco Bagnaia em uma Ducati com 300 cavalos de potência. O italiano completou 24 voltas em Jerez em menos de 40 minutos sob uma velocidade média de 161km/h, conquistando 25 pontos, sendo que 15 pilotos pontuaram.

No dia anterior, ele foi segundo na corrida sprint, com metade da duração da prova do domingo, elevando seu total de pontos naquele fim de semana para 34, quatro a mais do que os 30 que deram o título a Graham em 1949.

O GP da Espanha foi a quarta etapa de 20 do ano, com eventos que acontecem no Oriente Médio, América do Norte, América do Sul, Europa, Reino Unido, Sudoeste Asiático e Oceania, contra um campeonato de seis provas realizadas apenas na Europa em 1949.

O Mundial é exibido para milhões de pessoa ao redor do mundo, com as corridas podendo ser vistas desde uma televisão até uma pequena tela de celular.

Os sidecars foram abandonados em 1997, enquanto as 500cc para a "categoria-rainha" evoluíram para 1000cc de quatro tempos. A classe 125cc evoluiu para a Moto3 com 250cc desde 2012, enquanto a 250cc virou a Moto2 de 600cc em 2010, sendo trocados pelos motores Triumph 765cc em 2019.

Grand prix machinery has gone through numerous technical changes over  the decades. Sadly, two-strokes - as seen here in the 1995 500cc class - are long gone, replaced by four strokes in the 21st Century

Grand prix machinery has gone through numerous technical changes over the decades. Sadly, two-strokes - as seen here in the 1995 500cc class - are long gone, replaced by four strokes in the 21st Century

Photo by: Gold and Goose / Motorsport Images

Em Jerez, o brasileiro Diogo Moreira apresentou como velocidade máxima 219,1km/h em sua Moto3 da KTM, apenas alguns km/h abaixo da moto mais rápida da 500cc no TT da Ilha de Man de 1949. E, a partir deste fim de semana na França, a MotoE, inaugurada em 2019 como uma categoria 100% elétrica, inicia a temporada 2023, a primeira sob o status de campeonato mundial.

Tudo desde formato, moto, pneus, equipamentos e pistas mudaram completamente entre a corrida 1 em 1949 e a 1000º. E quem sabe como que a MotoGP estará daqui a 1000 corridas, com o mundo lidando com o desafio das mudanças climáticas.

Mas, fundamentalmente, uma coisa segue tão presente quanto em 1949: o desejo humano de ir rápido, de testar a si próprio com o pináculo das máquinas. Então, enquanto as corridas de 1949 não lembram nada da atualidade, o futuro, pelo menos no momento, parece em boa forma, assim como o sempre presente sonho de pilotos ao redor do mundo de entrar para a história.

What will grand prix racing look like in 1000 races' time?

What will grand prix racing look like in 1000 races' time?

Photo by: Gold and Goose / Motorsport Images

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #228 - Reclamações de Verstappen em Baku mostram que bicampeão 'sentiu o golpe'?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior MotoGP na França: Márquez retorna e lesão tira Granado de estreia da MotoE 2023
Próximo artigo MotoGP: Lorenzo 'questiona' Márquez e Honda, que testarão chassi Kalex na França

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil