MotoGP - Rossi: "Provavelmente não pilotarei pela VR46 no próximo ano"

Italiano diz que é "muito díficil" que ele pilote por sua própria equipe e sequer continue sua carreira em 2022

MotoGP - Rossi: "Provavelmente não pilotarei pela VR46 no próximo ano"

Na quinta-feira, antes do etapa da Holanda deste fim de semana na MotoGP, a equipe VR46, de Valentino Rossi, anunciou um acordo com a Ducati pelas próximas três temporadas, com o time ingressando na categoria rainha em tempo integral em 2022 após apoiar Luca Marini na Avintia este ano.

O nove vezes campeão mundial ainda não decidiu sobre o seu futuro nas corridas, parecendo improvável que ele continue com a Petronas SRT e a Yamaha. Ele faz seu pior campeonato na carreira, com apenas 17 pontos nas primeiras oito corridas.

Leia também:

O comunicado de imprensa da quinta-feira apresentou uma citação do príncipe saudita Príncipe Abdulaziz bin Abdullah Al Saud apoiando a equipe, afirmando que “seria fantástico se Valentino Rossi pudesse competir nos próximos anos como piloto em nossa Aramco Racing VR46”.

Segundo o Doutor, Al Saud o pressiona há algum tempo para correr com sua própria moto, mas o italiano duvida que isso vá acontecer.

“Ainda não decidi porque vou pensar mais profundamente durante esta pausa,” disse o piloto. “Também tenho que falar com a Yamaha e a equipe [SRT], mas queremos tentar um melhor desempenho e um bom resultado com certeza."

“O início de temporada até agora não foi fantástico, por isso penso que vai ser muito difícil correr também no próximo ano. Sim, o Príncipe sempre me pressiona a pilotar na minha equipe com a Ducati, mas no momento acho que vai ser muito difícil.”

“Eu sei que ele quer tentar isso comigo e com meu irmão [Luca Marini], eu trabalho com as duas possibilidades, mas acho que vai ser muito, muito difícil. ”

A VR46 se envolveu em discussões com a Ducati, Yamaha, Suzuki e Aprilia sobre uma parceria de satélite em 2022, com as duas primeiras marcas emergindo como as principais candidatas.

Rossi disse que a decisão da VR46 de fechar com a montadora italiana se deu em como a empresa e a marca podem trabalhar juntas para ajudar a desenvolver o talento do país na MotoGP.

“Falamos com muitas marcas diferentes", disse Valentino. "Quando você faz esse tipo de negociação, tem por trás uma série de coisas diferentes. Você tem que considerar o preço das motos, o suporte e tudo."

“Temos uma relação muito boa com [o diretor esportivo da Ducati] Paolo Ciabatti, que sempre trabalha neste projeto, e também com o [gerente geral] Gigi Dall'Igna. Eles vão fazer um grande esforço no próximo ano com muitas motos competitivas. Acho que no final é porque temos mais coisas para compartilhar com a Ducati, especialmente com os pilotos italianos em crescimento."

Rossi também disse que “no seu coração” vai continuar a ser um piloto Yamaha, mas não quer saber se o acordo da VR46 com a montadora acabaria com o seu papel de embaixador na marca japonesa.

F1 AO VIVO: 'FOGO CRUZADO' de RBR e MERCEDES e a situação de HAMILTON e BOTTAS | DIRETO DO PADDOCK

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Sequência de corridas até férias da F1 será chave para campeonato?

 

compartilhar
comentários
MotoGP: Equipe de Rossi, VR46 estreia na categoria com Ducati em tempo integral em 2022

Artigo anterior

MotoGP: Equipe de Rossi, VR46 estreia na categoria com Ducati em tempo integral em 2022

Próximo artigo

MotoGP: Morbidelli fará cirurgia no joelho e está fora do GP da Holanda; Gerloff será seu substituto

MotoGP: Morbidelli fará cirurgia no joelho e está fora do GP da Holanda; Gerloff será seu substituto
Carregar comentários