MotoGP
15 out
Evento encerrado
18 out
Evento encerrado
25 out
Evento encerrado
R
GP da Austrália
23 out
Canceled
08 nov
Evento encerrado
22 nov
Evento encerrado

MotoGP: Suzuki não está "assustada" com oportunidade de vencer temporada 2020

compartilhar
comentários
MotoGP: Suzuki não está "assustada" com oportunidade de vencer temporada 2020
Por:

Joan Mir é o atual segundo colocado entre os pilotos e a equipe está na terceira colocação geral entre os construtores

O líder do projeto da Suzuki na MotoGP, Shinichi Sahara, admite que a estrutura de Hamamatsu está determinada a “continuar fazendo história”, mas que as opções reais de título não os farão se precipitar.

Com apenas duas motos no grid, contra as seis da Ducati ou as quatro da Yamaha, Honda ou KTM, a equipe Suzuki Ecstar está na terceira posição na classificação geral de construtores e já é segunda por equipes, sendo superada apenas pela Petronas. Na classificação geral dos pilotos, Joan Mir também é o segundo colocado, apenas oito pontos atrás do líder, Fabio Quartararo.

O editor recomenda:

Com este cenário, para a Suzuki, a atípica temporada de 2020 apresenta-se como uma oportunidade única, e quem sabe se irrepetível no curto prazo, de conquistar o campeonato mundial da classe rainha, uma coroa que resiste desde 2000, quando Kenny Roberts Jr. a conquistou. E tudo isso em um ano que marca o centenário de nascimento da marca e 60 anos desde sua chegada às corridas.

Mir é atualmente o piloto mais apto do grid, embora ainda não tenha conseguido a sua primeira vitória na categoria rainha, uma anomalia que deve ser corrigida antes do final do percurso.

O piloto subiu no pódio nas últimas três corridas consecutivamente e em quatro das últimas cinco. Além disso, o jovem esteve entre os cinco primeiros em todas as corridas que completou neste ano, com três segundos lugares (Áustria, Emilia Romagna e Barcelona), um terceiro (San Marino), um quarto (Estíria) e um quinto (Andaluzia).

Números que o colocam no caminho de se qualificar para o título de MotoGP de 2020 se mantiver essa progressão nas seis corridas que faltam para terminar, o Grande Prêmio da França neste final de semana, as rodadas duplas de Aragão e Valência e o fechamento em Portimão.

Uma das chaves para a grande temporada da Suzuki, além de seu par de jovens pilotos extraordinários, é o grande equilíbrio que a GSX-RR exibe. Em contato com o líder do projeto, Shinichi Sahara, o engenheiro destaca o maquinário japonês.

“Pessoalmente, acho que a GSX-RR 2020 está tendo um desempenho tão bom quanto se poderia esperar até agora. A moto foi desenvolvida com a nossa filosofia 'passo a passo' e tinha grandes esperanças de que pudesse funcionar bem com os nossos grandes pilotos. As coisas estão indo muito bem até agora”, admite o chefe de corrida da Suzuki.

Uma das melhorias da Suzuki 2020 em relação ao ano passado é que a moto agora não acusa tanto as características de cada um dos circuitos e parece funcionar com solvência em qualquer cenário.

Para dar esse passo adiante, Sahara explica que “tudo foi melhorado um pouco: chassi, carroceria, motor e eletrônica. Todas as coisas que atualizamos melhoraram o desempenho da moto, mesmo em pistas onde tivemos problemas no passado. Espero que funcione bem nas pistas que visitaremos no restante da temporada de 2020 também”.

“Claro, continuamos buscando mais melhorias. Já estamos olhando para o futuro e focados em conquistar vitórias, queremos continuar fazendo história”, avisa o engenheiro.

Embora a temporada esteja sendo quase perfeita para a Suzuki, com uma dobradinha do pódio no último Grande Prêmio da Catalunha, quando Mir terminou em segundo e Alex Rins em terceiro, a classificação de sábado para a formação do grid de largada continua sendo o calcanhar de Aquiles da GSX-RR.

“Nunca estamos totalmente satisfeitos com o desempenho da nossa moto e a fábrica nunca para de tentar melhorar. Acho que isso é comum para quem corre no mais alto nível. O pessoal da equipe e da fábrica estão trabalhando para melhorar o equilíbrio da moto pista a pista. O principal é que temos um pacote básico muito bom em nossa GSX-RR. Mas ainda temos que melhorar o ritmo de uma volta para conseguir melhores posições no grid”, admite.

Embora a filosofia da Suzuki após seu retorno à classe rainha em 2015 sempre tenha sido caminhar passo a passo, sem pressa ou barulho, a oportunidade que a temporada de 2020 oferece não passa despercebida em Hamamatsu.

“Acho que é importante não nos assustarmos com uma situação tão estranha. Estamos apenas tentando nos comportar o mais normalmente possível; cuidar de nossos negócios e se concentrar em fazer a moto funcionar corretamente. Não estamos pressionando nossos pilotos, mas deixando que mostrem naturalmente suas capacidades. Queremos manter a cabeça fria!”, diz.

A dupla formada por Rins e Mir estrelou uma dobradinha no pódio que não se realizava desde 2007.

“Nunca tive dúvidas sobre o desempenho dos nossos pilotos. Na verdade, tanto Alex quanto Joan começaram a nos mostrar seus pontos fortes ainda mais cedo do que esperávamos”, diz o engenheiro da Suzuki.

Os detalhes da carta de Chase Carey sobre GP do Brasil e o que falta para o Rio ser confirmado na F1

PODCAST Motorsport.com debate: a F1 perde força com a saída da Honda no fim de 2021?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Equipe campeã da Moto3 analisa possibilidade de integrar grid da MotoGP em 2022

Artigo anterior

Equipe campeã da Moto3 analisa possibilidade de integrar grid da MotoGP em 2022

Próximo artigo

TV: Confira os horários e como assistir à MotoGP em Le Mans, na França

TV: Confira os horários e como assistir à MotoGP em Le Mans, na França
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria MotoGP
Pilotos Alex Rins , Joan Mir
Equipes Team Suzuki Ecstar MotoGP
Autor Germán Garcia Casanova