Alfa Romeo desvenda mito por trás de champagne fechada de Kubica

Equipe italiana, que comprou a Sauber em 2018, revelou detalhes sobre a história da garrafa de champagne que se tornou o centro de uma verdadeira disputa

Alfa Romeo desvenda mito por trás de champagne fechada de Kubica
Carregar reprodutor de áudio

A Alfa Romeo revelou a verdadeira história por trás de uma lenda urbana que foi construída ao redor da garrafa de champagne recebida por Robert Kubica, quando venceu o GP do Canadá de 2008.

Leia também:

Na ocasião, a equipe de Hinwill, que se chamava BMW-Sauber, conquistou seu único triunfo na F1, com uma dobradinha de Kubica e Nick Heidfeld.

Como uma forma de lembrar de seu sucesso, a equipe da fábrica possuí um painel em que exibe as garrafas de champagne dos 27 pódios alcançados na F1. No entanto, a garrafa de Kubica é especial, porque á a única da coleção que ainda está com a rolha.

A equipe diz que a lenda criada ao redor da garrafa, a mesma que os novos membros ouvem em seu primeiro dia de trabalho, é de que a garrafa nunca foi aberta porque Kubica teria esquecido de estourar a champagne no excitamento do pódio.

Mas como a Alfa Romeo explicou em uma reunião nesta semana, a verdadeira história por trás da garrafa é mais complicada do que a lenda conta.

“É uma grande história na Sauber, uma que mostra o lado humano da Fórmula 1. É uma lenda que é contada para os novos membros em seus primeiros dias na fábrica. Mas também é uma história falsa”.

A realidade é que a champagne da vitória se tornou o centro de uma disputa entre a BMW e a Sauber, sobre quem seria o dono da garrafa. E Kubica na verdade estourou a champagne como é normal de se fazer, antes de entregar aos membros do time”.

Race winner Robert Kubica, BMW Sauber F1

Race winner Robert Kubica, BMW Sauber F1

Photo by: Sutton Images

“Sauber e BMW quiseram manter a lembrança, a embalagem da champagne mais doce que nós já provamos

“Nós pedimos e imploramos, mas infelizmente o gigante alemão venceu ‘a batalha pela garrafa’. A garrafa original está orgulhosamente em exibição no museu da BMW em Munique”.

Com a BMW pegando a garrafa para si, a Sauber pediu à F1 para produzir uma réplica que a equipe pudesse exibir em sua fábrica, que é justamente a que está em Hinwill hoje em dia.

“Naquele dia, nós escolhemos desistir dessa memória preciosa e ceder aos nossos parceiros. Isso é o que fizemos, de forma magnânima e elegante. Para seguirmos adiante e construirmos grandes memórias no futuro”.

“Daquele momento em diante batizamos o troféu que mantivemos de: ‘Aquele que nem sequer sentimos o cheiro’”.

A vitória de Kubica em Montreal seria a única conquistada pela parceria BMW-Sauber antes de a fabricante alemã se separar do time suíço no fim de 2009.

 

Relembre carreira de Robert Kubica com fotos exclusivas:

Chegada à F1
Chegada à F1
1/27
Robert Kubica foi promovido com a BMW Sauber, com quem deteve o papel de piloto de reserva durante as primeiras corridas da temporada de 2006. Ele chegou aos 21 anos de idade.

Foto de: XPB Images

GP da Hungria 2006
GP da Hungria 2006
2/27
Robert Kubica estreou na F1 substituindo Jacques Villeneuve na equipe da BMW Sauber. Ele terminou em sétimo, mas foi desclassificado porque seu carro estava 2 quilos abaixo do peso mínimo de acordo com os regulamentos. Na imagem, um momento de seu primeiro fim de semana em que ele perdeu a asa da frente.

Foto de: Sutton Motorsport Images

GP da Itália 2006
GP da Itália 2006
3/27
Em apenas seu terceiro GP na F1, Robert Kubica conquistou o primeiro pódio de sua carreira, acompanhando Michael Schumacher (Ferrari) e Kimi Raikkonen (McLaren).

Foto de: Sutton Motorsport Images

GP do Canadá 2007
GP do Canadá 2007
4/27
Robert Kubica, com o BMW Sauber F1.07, sofreu um terrível acidente depois de tocar a roda traseira direita da Toyota de Jarno Trulli. Ele foi de um lado para o outro do circuito, atingindo as duas paredes e dando vários giros. Ele perderia a próxima corrida, em Indianápolis, onde Sebastian Vettel estreou como seu substituto.

Foto de: Andrew Ferraro / Motorsport Images

GP da Malásia 2008
GP da Malásia 2008
5/27
Kubica ficou em segundo no GP da Malásia em 2008, no segundo pódio de sua carreira, o primeiro dos oito que ele alcançaria durante aquela temporada.

Foto de: Hazrin Yeob Men Shah

GP de Mônaco 2008
GP de Mônaco 2008
6/27
Naquela que foi sua segunda participação no GP de Mônaco, Kubica subiu ao pódio com Hamilton e Massa.

Foto de: Sutton Motorsport Images

GP do Canadá 2008
GP do Canadá 2008
7/27
O melhor dia para Kubica e Sauber na F1. Juntos, eles venceram o GP do Canadá, com uma dobradinha para o time. O polonês tornou-se líder do Mundial por quatro pontos sobre Lewis Hamilton, um dos pilotos envolvidos no acidente na saída do pitlane, que colocou a corrida a favor de Kubica.

Foto de: Sutton Motorsport Images

GP do Brasil 2009
GP do Brasil 2009
8/27
Kubica encerraria 2009 alcançando seu único pódio naquele ano em uma temporada em que a equipe da BMW Sauber deu um grande passo para trás antes de a montadora alemã deixar a F1.

Foto de: Andrew Ferraro / Motorsport Images

GP da Austrália 2010
GP da Austrália 2010
9/27
Kubica ficou em segundo no teste inicial da temporada 2010, o GP da Austrália, em sua estreia com a equipe Renault, a mesma com a qual anos atrás ele havia testado pela primeira vez uma F1.

Foto de: Sutton Motorsport Images

GP de Mônaco 2010
GP de Mônaco 2010
10/27
Em 2010, pela segunda vez em sua carreira, Kubica subiu ao pódio no GP de Mônaco. Ele ficou em terceiro depois de ter conseguido começar na primeira fila do grid.

Foto de: Sutton Motorsport Images

GP da Bélgica 2010
GP da Bélgica 2010
11/27
O último pódio de Robert Kubica até agora foi no GP da Bélgica em 2010, no qual terminou em terceiro.

Foto de: XPB Images

GP de Abu Dhabi 2010, um adeus inesperado
GP de Abu Dhabi 2010, um adeus inesperado
12/27
A corrida que encerrou a temporada de 2010 foi a última disputada por Robert Kubica na Fórmula 1 antes de seu retorno em 2019.

Foto de: XPB Images

Teste para começar 2011 antes da tragédia
Teste para começar 2011 antes da tragédia
13/27
Robert Kubica ia disputar a temporada de 2011 com a equipe Lotus Renault e ele esteve na primeira sessão de testes de pré-temporada em Valência. Esta foto é de 3 de fevereiro daquele ano, apenas três dias antes de seu infeliz e grave acidente no rali que quase o levou a ter sua mão direita amputada.

Foto de: XPB Images

Fim da primeira passagem
Fim da primeira passagem
14/27
Ele foi substituído na equipe e tentou se preparar para retornar em 2012, algo que não seria possível devido a suas limitações físicas.

Foto de: XPB Images

O que teria acontecido com sua carreira?
O que teria acontecido com sua carreira?
15/27
Anos depois, Kubica revelou que havia assinado um contrato com a Ferrari para 2012 . Ele teria sido companheiro de seu amigo Fernando Alonso e estaria em um time capaz de conquistar vitórias e lutar pelo título.

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Retornar a um carro de F1 seis anos depois
Retornar a um carro de F1 seis anos depois
16/27
Sem opções na Fórmula 1, Kubica voltou aos ralis e testou em diversas categorias (GT, Fórmula E, WEC...). A Renault permitiu que ele fizesse um teste em Valência, em junho de 2017, com o carro de 2012. Ele deu 115 voltas e começou a avaliar suas opções.

Foto de: Renault F1

Segundo teste
Segundo teste
17/27
Um mês depois, em Paul Ricard, Kubica deu 90 voltas.

Foto de: Renault F1

Seu teste mais real
Seu teste mais real
18/27
Kubica foi confirmado pela Renault para disputar o teste pós-GP da Hungria 2017, seu primeiro teste de fogo.

Foto de: Sutton Motorsport Images

Ao volante de um carro contemporâneo
Ao volante de um carro contemporâneo
19/27

Com o # 46 no RS17 da Renault, Kubica foi o quarto no seu retorno. Deu mais de 140 voltas com o volante modificado para se adaptar às suas condições. Ele deixou uma impressão muito boa e abriu novamente a possibilidade de um retorno em 2018.

Foto de: Sutton Motorsport Images

O estado do seu braço
O estado do seu braço
20/27
"Há pessoas dizendo que o piloto está em uma mão, não estou dirigindo com uma mão", ele precisou esclarecer. "Eu acho que é impossível competir em uma F1 com apenas uma mão, mas eu tenho algumas limitações e, de certa forma, meu corpo geralmente compensa, o que não é ruim."

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Descartado pela Renault, aos olhos da Williams
Descartado pela Renault, aos olhos da Williams
21/27
A Renault escolheu Carlos Sainz e fechou a porta para Kubica. No entanto, a Williams notou-o e acrescentou-o à lista de pilotos candidatos para ser companheiros de equipe de Stroll em 2018.

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Teste com a Williams
Teste com a Williams
22/27
Kubica fez com o carro de 2014 o que a Williams descreveu como um "teste bem-sucedido". A equipe britânica queria avaliar o status do piloto e analisar suas opções.

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Teste oficial com a Williams
Teste oficial com a Williams
23/27
Após dois dias privativos ao volante do Williams FW40 de 2017, Kubica disputou os testes de final de temporada em Abu Dhabi. A Williams o declarou "apto" para competir na Fórmula 1.

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Completa o sonho ... no meio do caminho
Completa o sonho ... no meio do caminho
24/27
Kubica conseguiu retornar à Fórmula 1 em 2018, mas não como titular. A Williams optou por Sirotkin e o polonês teve que se contentar em ser um piloto reserva. "Eu fui honesto demais ao falar sobre minhas limitações", lamentou Robert.

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Seu papel como testador
Seu papel como testador
25/27
Durante 2018 ele jogou os testes de pré-temporada e apareceu em sessões de treinos livres, mantendo sua candidatura para ser titular em 2019.

Foto de: Sutton Motorsport Images

Volta para a Fórmula 1 em tempo integral
Volta para a Fórmula 1 em tempo integral
26/27

Com a saída de Stroll e depois de deixar de lado Sirotkin, a Williams queria um parceiro experiente para o jovem Russell, que assinou para 2019. Robert foi finalmente escolhido e nove anos depois se tornou parte do grid.

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Seu segundo debute
Seu segundo debute
27/27
Seu retorno não foi o desejado, e depois de uma série de fracassos e problemas, ele foi o último em classificação e corrida na Austrália.

Foto de: Joe Portlock / Motorsport Images

compartilhar
comentários
Novo chefe da McLaren quer que regras de 2021 sejam claras
Artigo anterior

Novo chefe da McLaren quer que regras de 2021 sejam claras

Próximo artigo

A Mercedes vai conseguir superar os 1000 cavalos com novo motor?

A Mercedes vai conseguir superar os 1000 cavalos com novo motor?