Fórmula 1
25 mar
Próximo evento em
62 dias
06 mai
Próximo evento em
104 dias
20 mai
Próximo evento em
118 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
132 dias
10 jun
Próximo evento em
139 dias
24 jun
Próximo evento em
153 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
160 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
174 dias
29 jul
Próximo evento em
188 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
216 dias
02 set
Próximo evento em
223 dias
09 set
Próximo evento em
230 dias
23 set
Próximo evento em
244 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
251 dias
07 out
Próximo evento em
258 dias
21 out
Próximo evento em
272 dias
28 out
Próximo evento em
279 dias
05 nov
Próximo evento em
287 dias
R
GP da Austrália
18 nov
Próximo evento em
300 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
315 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
324 dias
Análise técnica de Giorgio Piola
Assunto

Análise técnica de Giorgio Piola

ANÁLISE: A novidade que melhorou a Mercedes em Singapura

compartilhar
comentários
ANÁLISE: A novidade que melhorou a Mercedes em Singapura
Por:
, Especialista
Co-autor: Jonathan Noble

O triunfo da Mercedes no GP de Singapura se deveu muito à condução de estrela de Lewis Hamilton, mas uma mudança oculta em seu carro que podemos revelar aqui pode ter sido fundamental para ajudá-lo a concluir seu final de semana brilhante.

Enquanto a rival Ferrari tinha um carro veloz, estava claro que o gerenciamento de pneus – uma das fraquezas da Mercedes no passado – se tornou ponto forte no circuito de Marina Bay.

A análise das voltas de classificação mostrou que a Mercedes estava mais bem preparada do que a Ferrari para evitar o superaquecimento de seus pneus no setor final, e por isso ganhou tempo crucial lá.

Na corrida também, Hamilton foi capaz de manter seus pneus vivos por mais tempo do que Sebastian Vettel gostaria no primeiro stint, e abriu o que podia.

O passo à frente da Mercedes em extrair mais de seus pneus – especialmente os traseiros – foi quase certamente ajudado por um novo design de tambor de roda na traseira que a equipe usou pela primeira vez.

Mercedes-AMG F1 W09, rear rim

Mercedes-AMG F1 W09, rear rim

Photo by: Giorgio Piola

O que a Mercedes mudou?

Até que os carros foram expostos no grid, não se sabia que havia um novo design de tambor de roda, como mostra esta imagem exclusiva de Giorgio Piola.

Os novos tambores de roda de fibra de carbono (vistos acima) têm diferentes dutos de resfriamento e, mais importante, uma forma côncava profunda única – que é muito diferente do tambor antigo (veja abaixo).

Mercedes F1 AMG W09 rear rim

Mercedes F1 AMG W09 rear rim

Photo by: Gorgio Piola

A versão antiga da Mercedes é muito semelhante ao que outras equipes correm, incluindo a Ferrari (veja abaixo).

Ferrari SF71H, rear rim

Ferrari SF71H, rear rim

Photo by: Giorgio Piola

O formato côncavo ajuda a criar uma pequena câmara de ar dentro da parede do aro, de modo que, quando está girando em velocidade, é possível extrair mais calor do pneu, evitando assim o superaquecimento.

Essa nova ideia côncava quase certamente foi projetada para funcionar com as novas e radicais rodas que a Mercedes usou pela primeira vez no GP da Bélgica.

Mercedes AMG F1 W09 rim detail

Mercedes AMG F1 W09 rim detail

Photo by: Giorgio Piola

A intenção dos "dentes" com nervuras é ajudar a aumentar a área da superfície do aro, para que haja maior eficiência de resfriamento.

Qual impacto as mudanças tiveram?

A mudança no conceito do cubo de roda teria sido suficiente para mudar as características térmicas de como a borracha se comportaria, e transformar o ritmo do W09 em um local onde os pilotos se esforçavam para parar o superaquecimento dos pneus.

De fato, antes do fim de semana, o chefe de engenharia da Mercedes, Aldo Costa, revelou que um dos principais focos da equipe nas últimas semanas era conseguir controlar a temperatura dos pneus traseiros.

Havia sido notado várias vezes que a Mercedes frequentemente removia seus aquecedores de pneus traseiros mais cedo que os dianteiros, em uma tentativa de ajudar a aliviar o que era uma área problemática.

Falando sobre o carro, Aldo Costa disse ao Motorsport.com: “acreditamos que o comportamento nas curvas em geral é o nosso ponto forte, enquanto que na gestão da temperatura dos pneus traseiros estamos trabalhando arduamente”.

"Pretendemos fazer progressos em Singapura, onde teremos algumas modificações projetadas para isso e, portanto, estamos progredindo em relação a nós mesmos, mas não posso dizer se será suficiente".

A julgar pelo desempenho em Singapura, onde, lembre-se, Valtteri Bottas também foi mais veloz que Kimi Raikkonen na classificação, certamente pareceu ser o suficiente.

Mercedes AMG F1 W09 rear wing comparsion, Singapore GP

Mercedes AMG F1 W09 rear wing comparsion, Singapore GP

Photo by: Gorgio Piola

O que mais a Mercedes mudou?

A Mercedes não concentrou seus esforços apenas na temperatura dos pneus em Singapura.

Aerodinamicamente, o W09 apresentou algumas revisões para Singapura, com otimizações em seu projeto de asa traseira de alto downforce sendo a mais notável.

O design, que é fortemente influenciado pela McLaren, utiliza uma área pouco clara nos regulamentos que fala sobre a transição da asa de uma largura para outra.

A FIA começou a revisar a redação deste artigo nos regulamentos para a próxima temporada, já que as equipes continuam a explorar sua intenção.

Mercedes se tornou a segunda de quatro equipes a aproveitar isso quando introduziu sua interpretação na Áustria (seta) e correu com a asa novamente na Hungria.

A variação de Singapura viu a ranhura mais recuada e alongada (destacada em amarelo), para gerar mais downforce.

Leclerc se junta à Ferrari para teste de pneus desta semana

Artigo anterior

Leclerc se junta à Ferrari para teste de pneus desta semana

Próximo artigo

Renault: Resultado da Red Bull diz que estamos no caminho

Renault: Resultado da Red Bull diz que estamos no caminho
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Mercedes
Autor Giorgio Piola