Opinion

F1: Quais são os riscos na mudança de Hamilton para a Ferrari?

Após a confirmação de uma das maiores transferências da história da F1, saiba o que o heptacampeão tem a perder em sua nova jornada

Charles Leclerc, Scuderia Ferrari, 3rd position, Lewis Hamilton, Mercedes-AMG, 2nd position, talk in Parc Ferme

Lewis Hamilton abalou o mundo da Fórmula 1 com sua decisão de assinar com a Ferrari para a temporada de 2025, encerrando uma próspera parceria com a Mercedes. É uma das maiores mudanças na história do campeonato, e embora haja benefícios evidentes em sua mudança, também existem grandes riscos.

Leia também:

A ida de Hamilton para a Ferrari em 2025 é a maior movimentação no mercado de pilotos da F1 desde que o próprio Hamilton optou por deixar a McLaren e ir para a Mercedes, decisão tomada no final de 2012, antes de sua estreia na equipe no ano seguinte.

Seu único concorrente em termos de fator surpresa é a transferência de Fernando Alonso da Alpine para a Aston Martin. Pedimos desculpas aos fãs de Tazio Nuvolari e Auto Union, mas há argumentos de que esta é a maior troca de pilotos na história do automobilismo.

A Ferrari continua sendo a equipe mais evocativa e bem-sucedida da F1, e Hamilton transcende a fama dos pilotos no campeonato. Isso é especialmente evidente com o atual dominador Max Verstappen preferindo evitar os holofotes mais amplos.

Nesta novidade, as semelhanças com a saída de Hamilton da McLaren são óbvias. Naquela época, a era dos motores V6 turbo híbridos estava prestes a começar um ano após o início de seu contrato com a Mercedes, trazendo eventual sucesso.

Embora o enorme reset de regras de 2022 ainda pareça recente, as mudanças nas regulamentações para 2026 - especialmente com a maior importância da energia elétrica e combustível sustentável nos motores - já não estão tão distantes, agora que 2024 começou.

No entanto, enquanto representa um novo capítulo positivo e emocionante para a F1 como um todo, e claramente para Hamilton, os riscos da mudança são diferentes desta vez.

Em 2012, a pergunta era se a Mercedes, ainda não testada e até abertamente questionada, poderia fornecer a Hamilton um carro vencedor de títulos, como ele teve na McLaren.

A F1 já sabia como isso funcionaria, com a inevitabilidade de que Hamilton teria que deixar seu ninho de piloto júnior na McLaren.

Watch: HAMILTON NA FERRARI: Rico Penteado e Felipe Motta analisam 'BOMBA' e projetam Lewis na Scuderia

Ao ingressar na Mercedes em 2013, Hamilton não tinha como ter certeza de que adicionaria outro título mundial ao seu de 2008 e às suas 21 vitórias, assim como seus anos de auge estavam se desenrolando. Mas havia uma grande oportunidade na iminente mudança nas regras.

Em 2024, Hamilton não está muito longe de explicar a "emoção crua" de iniciar o projeto de construção na Mercedes. Ele disse que ambos esperavam que fosse "ruim no começo, porque não tinham tido muito sucesso".

Portanto, essa decisão deve inicialmente ser vista como um passo lateral igual ao de 2012/2013, dada a proximidade entre Mercedes e Ferrari no ano passado, ambos longe de Verstappen em 2023.

No entanto, a Red Bull está em uma posição ainda mais sólida agora, dado que não podemos saber quão próxima será a competição neste ano antes dos novos designs de carros irem para a pista.

Mas o primeiro risco para Hamilton é que, a curto prazo, isso acabe sendo um retrocesso em relação ao seu claro objetivo de conquistar o oitavo título mundial. A longevidade de sua carreira a longo prazo também é um fator importante a ser considerado, já que foi anunciado na breve declaração de imprensa da Ferrari que ele assinou um contrato "multi-anual", levando-o teoricamente além de 2026.

Em 2013, ele e Nico Rosberg conseguiram vitórias esporádicas para a Mercedes. Em 2023, a Ferrari ameaçou a Red Bull em vitórias e se beneficiou quando a equipe dominante perdeu o rumo em Singapura. No entanto, a consistência da Mercedes foi fundamental para superar sua rival vermelha e ficar em segundo no campeonato de construtores.

Mais pertinentemente, enquanto tais palavras chegam carregadas de expectativas nesta época do ano, há uma abordagem marcadamente diferente nas posições da Mercedes e da Ferrari em relação aos seus respectivos carros de 2024 em desenvolvimento.

Should Mercedes have a competitive car in 2024, Hamilton may find himself isolated in his own team

Should Mercedes have a competitive car in 2024, Hamilton may find himself isolated in his own team

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

James Allison, diretor técnico da Mercedes, afirmou que sua equipe sente que "algumas das características mais problemáticas da traseira de nosso carro" foram agora erradicadas. O fato de essas características estarem presentes em um pacote que começou no W13 privou Hamilton da confiança na frenagem que ele precisa para atingir os níveis dos líderes.

Caso a Mercedes tenha sucesso em tornar seu W15 um concorrente da Red Bull, Hamilton enfrenta outro risco a curto prazo: ficar isolado em sua equipe atual. Isso, certamente, fortalecerá George Russell, já que os dois têm estilos diferentes, com Hamilton realizando uma dança de alta energia com muitos movimentos, enquanto Russell faz movimentos menos frequentes, mas mais decisivos ao volante.

Enquanto isso, Enrico Cardile, diretor técnico da Ferrari, encerrou 2023 dizendo que "a configuração da suspensão para mim é um pouco superestimada". Isso é uma afirmação surpreendente, dado o quanto a Red Bull falou sobre esse elemento ser crucial para o desempenho de seus carros na fórmula atual, oferecendo uma pista sobre o que esperar do design do SF-24 da Ferrari nessa área. Ou seja, não espere muitas mudanças.

No entanto, por trás de tudo isso está a decisão de Hamilton de abandonar a Mercedes em primeiro lugar.

Seria lógico esperar que o que ele viu nos dados de pré-temporada do W15 da equipe não o inspirou a ter certeza do sucesso da Mercedes - a curto ou longo prazo. No mínimo, isso sugere que Hamilton não tem confiança de que a Mercedes voltará a conquistar títulos.

Mas o mesmo vale para a Ferrari, que na verdade não tem o histórico de sucesso nas mudanças recentes de regulamentação - como a Mercedes teve em 2017 - ou de conseguir manter com sucesso um desafio pelo título na era atual. Isso foi mais evidente em 2022.

A Ferrari tem perdido importantes membros da equipe técnica ultimamente. O chefe de conceito de veículo, David Sanchez, agora está na McLaren, enquanto o diretor esportivo, Laurent Mekies, se juntou à VCARB, e a participação de Mattia Binotto na construção de carros vermelhos também está ausente após sua demissão como chefe de equipe. A única contratação notável da Ferrari foi Loic Serra, ex-diretor de performance da Mercedes, que só poderá começar em 2025.

Serra has been Ferrari's only significant technical signing of late

Serra has been Ferrari's only significant technical signing of late

Photo by: Sutton Images

Um elemento-chave ao assinar Hamilton é que, ao atrair estatisticamente o piloto mais bem-sucedido da F1, ainda próximo do auge de suas habilidades, membros-chave da equipe técnica podem ser atraídos ou retornar. Mas, se uma onda de contratações na Scuderia seguir, certamente levará anos para dar frutos adequados, devido aos longos prazos de design típicos da F1 e aos períodos de afastamento.

Portanto, pode ser que, em termos de resultados, 2025 se desenrole de maneira muito semelhante a 2013, com os competidores se aproximando do "downwash" da Red Bull e da disposição vital da suspensão, uma vez que Hamilton estiver na Ferrari. No entanto, o sucesso subsequente em 2026 está longe de estar garantido.

Alguns podem zombar dizendo que, ao se juntar à Ferrari, Hamilton está agora exposto às várias confusões estratégicas que a equipe tem cometido nos últimos campeonatos. No entanto, vale a pena lembrar que em 2023 a Mercedes cometeu vários erros de comunicação que custaram caro a Hamilton e Russell - principalmente na classificação - e encerrou a temporada concluindo que seus procedimentos de pitstop e equipamentos precisavam ser aprimorados.

Um risco maior no grande esquema das coisas vem da forma como Hamilton pode se sair contra seu novo companheiro de equipe, Charles Leclerc.

Russell provou estar muito mais próximo do nível de Hamilton do que Valtteri Bottas na Mercedes, embora os erros do jovem britânico em 2023 permaneçam na memória. E as habilidades de classificação de Leclerc significam que ele provavelmente terá vantagem sobre um piloto com um recorde de 104 poles.

Leclerc também possui uma experiência consideravelmente maior com os pacotes da Ferrari, que tendem a ser exigentes em termos de manejo do carro. Ele também fala italiano e está familiarizado com a organização complexa da Ferrari.

Leclerc's one-lap pace in the Ferrari will be a big challenge for Hamilton

Leclerc's one-lap pace in the Ferrari will be a big challenge for Hamilton

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

No entanto, Hamilton está claramente um passo à frente - com Russell sendo o principal referencial - quando se trata da habilidade que traz pontos na F1: a gestão de pneus. Como sua maestria nessa arte poderia impulsionar uma equipe com uma longa história de fraquezas nos pneus durante as corridas, isso eventualmente será visto.

Mas talvez o maior risco na mudança de Hamilton diz respeito à sua reputação.

Inevitavelmente, alguns argumentarão que esse desenvolvimento é apenas uma questão de dinheiro. Tal visão simplista deixa de perceber que Hamilton estava prestes a receber £50 milhões da Mercedes de qualquer maneira, e qualquer melhoria financeira não é exatamente uma mudança de vida para uma estrela com uma fortuna superior a £220 milhões.

Hamilton também não pode perder seus títulos com a Mercedes - a maior ameaça ao seu atual acervo vindo do caso judicial de Felipe Massa em Singapura em 2008. Mas há o risco de que ele tenha agora abandonado uma potencial associação vitalícia com a marca através de um papel ambicioso de embaixador na Mercedes e suas contribuições para suas iniciativas na Mission 44.

Há precedentes em outros esportes de equipes eventualmente se reconciliando com estrelas que mudam de lado - veja o New England Patriots na NFL e Tom Brady, que acabou se aposentando com mais um campeonato no Tampa Bay Buccaneers. E, de qualquer forma, a Ferrari poderia conceder a Hamilton tal status de lenda em Maranello.

Nesse sentido, as palavras do chefe da equipe da Mercedes, Toto Wolff - "Lewis será sempre uma parte importante da história do automobilismo da Mercedes" - podem se tornar significativas um dia.

Hamilton will be

Hamilton will be "an import part of Mercedes motorsport history" according to Wolff

Photo by: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Nessa mudança sensacional, Hamilton arrisca passar anos na parte lotada abaixo do topo do pódio da F1, que ele não visita desde a corrida de Jeddah em 2021, enquanto está envolvido com um companheiro de equipe jovem e determinado. Comentar isso no contexto de seu sucesso anterior se tornará mais evidente.

Mas isso já estava acontecendo na Mercedes nos últimos dois anos após a desilusão de 2021.
Ao ingressar na Ferrari e realizar o sonho romântico que muitas outras lendas da F1 também tiveram - algo que muitos acreditavam que seu herói Ayrton Senna faria - Hamilton realmente aumentou sua reputação em muitos aspectos.

Além disso, sabemos que o sonho da Ferrari é algo em que ele pensa há muito tempo.

As CONSEQUÊNCIAS do 'fico' de Norris: RED BULL vai atrás de QUEM agora que Lando ficará na McLaren?

Podcast #267 - Par ou ímpar: Renovados, quem você escolheria entre Norris e Leclerc?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior ANÁLISE: O que será de Sainz após ser trocado por Hamilton na Ferrari?
Próximo artigo F1 fecha acordo para que GP do Japão permaneça em Suzuka até 2029

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil