Análise técnica: Por que a Racing Point não é mais apenas uma "Mercedes rosa"

Confira os detalhes técnicos que a Racing Point introduziu em seu carro desde a polêmica da cópia dos dutos de freios da Mercedes

Análise técnica: Por que a Racing Point não é mais apenas uma "Mercedes rosa"

A Racing Point teve seu final de semana mais bem sucedido na Fórmula 1 no GP da Turquia, ao conquistar a pole position com Lance Stroll e o segundo lugar na prova com Sergio Pérez.

E embora que uma grande parte de seu progresso neste ano tenha estado sob a nuvem de suas táticas imitadoras ao se inspirar no design da Mercedes do ano passado, desenvolvimentos recentes mostraram que ela está realmente fazendo cada vez mais seu próprio trabalho.

Leia também:

O RP20 ainda pode ter a vantagem de compartilhar semelhanças com o W10 quando se trata de alguns dos principais aspectos do carro, mas sua decisão de usar peças que projetou, além de trazer suas próprias atualizações, fez com que o carro deixasse de ser uma completa 'Mercedes Rosa'.

Não há melhor exemplo disso do que a asa dianteira, um aspecto do design do carro que você espera que a equipe imite com extrema precisão, dado que é o primeiro componente exposto ao fluxo de ar. No RP20, é diferente nos detalhes e o principal contraste está em uma área que a equipe passou muito tempo desenvolvendo no ano passado: a plataforma.

Racing Point RP19, front wing comparison

Racing Point RP19, front wing comparison

Photo by: Giorgio Piola

A mudança nos regulamentos para 2019 removeu a maioria dos móveis aerodinâmicos responsáveis por criar "outwash", ou seja, limpar o fluxo de ar indesejado, e isso significou que as equipes tiveram que repensar outros aspectos do design da asa dianteira para compensar.

A Racing Point focou sua atenção na plataforma, pois alterar sua forma e comprimento em sua caixa tem influência na formação do vórtice que é derramado. Isso, por sua vez, tem um impacto nas estruturas de fluxo circundantes.

Racing Point RP20 front wing end plate comparison

Racing Point RP20 front wing end plate comparison

Photo by: Giorgio Piola

Para 2020, em vez de simplesmente copiar o arranjo do W10 inteiramente, o Racing Point procurou melhorá-lo.

A equipe adicionou um longo cata-vento no topo da plataforma para ajudar a guiar o fluxo de ar e ajustar a gradiente de pressão, que também influencia a formação, formato e direção do vórtice abaixo.

Essa tem sido uma área de interesse de todas as equipes por conta das mudanças no regulamento. Veja na galeria abaixo como algumas delas se prepararam para o desafio:

Detalhe da asa dianteira da Mercedes W10
Detalhe da asa dianteira da Mercedes W10
1/7

Foto de: Giorgio Piola

A inspiração de Racing Point veio do Mercedes W10, um design que foi alterado várias vezes durante a primeira fase da temporada. A equipe finalmente decidiu por essa versão no GP da Alemanha, com um pequeno túnel no formato de cata-vento voltado para fora no topo de uma plataforma ligeiramente mais curta
Comparação com a asa dianteira da Ferrari SF90
Comparação com a asa dianteira da Ferrari SF90
2/7

Foto de: Giorgio Piola

A Ferrari também procurou adicionar uma palheta na superfície superior da placa inferior para tentar influenciar a direção do fluxo de ar à medida que ela se afasta da placa final, que possui uma extremidade inclinada para fora, embora seu formato fosse triangular
Comparação com a asa dianteira da Ferrari SF1000
Comparação com a asa dianteira da Ferrari SF1000
3/7

Foto de: Giorgio Piola

Nesta temporada, a Ferrari continuou a usar um design mais plano e quadrado, antes de voltar ao que é considerado o design mais convencional, com uma forma de arco, nas corridas recentes
Design da placa final da Alfa Romeo C38, usado no GP da Alemanha
Design da placa final da Alfa Romeo C38, usado no GP da Alemanha
4/7

Foto de: Giorgio Piola

A Alfa Romeo mudou para uma forma de plataforma mais quadrada durante 2019, com a seção traseira afinando para baixo e permitindo que uma aba no estilo Gurney fosse aplicada à borda posterior. Enquanto isso, seu desenvolvimento o levou a adicionar uma barra na parte inferior da plataforma para definir melhor o caminho do fluxo de ar
Comparação com a asa da Red Bull RB16
Comparação com a asa da Red Bull RB16
5/7

Foto de: Giorgio Piola

A Red Bull fez inúmeras alterações em sua asa dianteira durante a temporada com sua última modificação favorecendo uma borda frontal rasa e quadrada, com o túnel angulado na parte traseira da plataforma, ao invés de uma paralela com a borda posterior da plataforma
Detalhe da asa dianteira da McLaren MCL35
Detalhe da asa dianteira da McLaren MCL35
6/7

Foto de: Giorgio Piola

As mudanças da McLaren na região chegaram em essencialmente no início da temporada, com a introdução de uma plataforma plana. Isso foi emparelhado com uma estrutura grande em forma de L correndo ao redor do perímetro da extremidade traseira da placa
Comparação entre as asas dianteiras da Renault F1 Team R.S.20 nos GPs da Austrália e da Áustria
Comparação entre as asas dianteiras da Renault F1 Team R.S.20 nos GPs da Austrália e da Áustria
7/7

Foto de: Giorgio Piola

A Renault também fez a mudança para a plataforma mais quadrada, emparelhando-a com uma uma nadadeira no canto superior traseiro da plataforma, como observado quando chegou à Áustria

Intensificando o desenvolvimento

O pacote de atualização do sidepod que a Racing Point introduziu em Mugello foi o maior desenvolvimento até agora nesta temporada.

Esta atualização levou a equipe a sair da sombra da Mercedes, pois descartou o design mais contornado preferido pela Mercedes e o substituiu por um arranjo mais abrupto.

Apresentando uma inclinação mais acentuada (imagem do lado direito, com a versão antiga à esquerda), a carroceria do sidepod, que se assemelha mais aos designs usados durante a era de exaustão, agora se apega mais perto do radiador e refrigerador instalado abaixo e expõe mais do assoalho do que antes.

Racing Point RP20 old sidepods detail
Racing Point RP20 new sidepods detail

Esse desenvolvimento em grande escala leva tempo para ser desenvolvido, fabricado e compreendido. Todos estes fatores foram prejudicados pelos ajustes desta temporada e pioraram quando o primeiro conjunto de peças naufragou em Mugello, na batida de Lance Stroll.

Devido à escala de fabricação dessas peças, a equipe optou por escalonar sua introdução, com as novas peças instaladas no carro de Stroll para Mugello e outro conjunto para chegar a Pérez, na Rússia. No entanto, quando o conjunto original ficou danificado além do reparo, isso causou um retrocesso na equipe e significou que a primeira vez que poderia rodar os dois carros com a mesma especificação seria no GP de Eifel.

Com várias experiências em corridas agora, a equipe sem dúvida começou a entender o pacote e continua a desbloquear o desempenho que também pode ser obtido com ajustes na unidade de potência.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1, MotoGP e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Veja como a sujeira do GP da Turquia revelou os 'segredos' aerodinâmicos dos carros da Fórmula 1

Podcast #076 – Hamilton x Schumacher: a comparação entre os campeões da F1

 

compartilhar
comentários
F1: Chefe da McLaren diz que Sainz está mostrando por que Ferrari o escolheu para 2021
Artigo anterior

F1: Chefe da McLaren diz que Sainz está mostrando por que Ferrari o escolheu para 2021

Próximo artigo

Gasly: Ritmo da AlphaTauri no GP da Turquia foi "vergonhoso"

Gasly: Ritmo da AlphaTauri no GP da Turquia foi "vergonhoso"
Carregar comentários