Após testes no simulador, Hulkenberg diz que carros da F1 2022 seguem difíceis de pilotar no ar sujo

Alemão é piloto de desenvolvimento da Aston Martin e já 'guiou' os novos veículos - mas não viu muitas mudanças

Após testes no simulador, Hulkenberg diz que carros da F1 2022 seguem difíceis de pilotar no ar sujo
Carregar reprodutor de áudio

O ex-piloto da Fórmula 1, Nico Hulkenberg, não tem certeza de que os novos regulamentos técnicos para 2022 resolverão totalmente a questão do ar sujo devido às velocidades "extremamente altas" nas curvas. A categoria apresentará um renovado conjunto de regras técnicas para este ano, apresentando uma revisão da aerodinâmica que pode abalar a hierarquia.

O objetivo é tornar o grid mais competitivo e permitir que os competidores corram mais roda a roda sem perder tanto downforce com a perda de pressão causada pelos carros à frente deles.

Leia também:

Esperava-se que as máquinas fossem vários segundos mais lentas que os modelos de 2021, embora grande parte desse tempo de volta tenha sido recuperado. Eles entrarão na pista pela primeira vez nos testes de pré-temporada no final de fevereiro, mas os pilotos estão trabalhando para se atualizarem em simuladores e terem uma primeira amostra do que esperar.

Hulkenberg correu pela última vez em tempo integral na F1 até 2019 com a Renault, mas fez três aparições pela Racing Point em 2020, substituindo os pilotos com Covid-19. No ano passado, ele trabalhou com a Aston Martin como reserva e piloto de desenvolvimento.

Escrevendo em sua página do LinkedIn, o alemão explicou como suas descobertas iniciais com o carro de 2022 em simulador sugeriam que eles não seriam muito mais lentos ou diferentes de pilotar e que ele não tinha certeza de que o problema do ar sujo seria resolvido.

"Eles pretendiam [tornar os carros] um pouco mais lentos e mais desafiadores, ter mais foco em pilotos que pudessem fazer a diferença, em vez de dominar o desempenho do carro e a aerodinâmica", disse Hulkenberg. "Pela minha experiência inicial, no entanto, eles ainda são muito rápidos. A experiência de condução também não mudou muito, pelo menos no simulador."

Nico Hulkenberg, Racing Point RP20, in the cockpit of the car

Nico Hulkenberg, Racing Point RP20, in the cockpit of the car

Photo by: Glenn Dunbar / Motorsport Images

"Será muito interessante ver se esses carros podem realmente seguir melhor o da frente. No simulador, as velocidades nas curvas são extremamente altas, então o risco de ar sujo ainda existe e é difícil para mim imaginar que seguir outro piloto confortavelmente nessas velocidades será fácil."

"De qualquer forma, espero que sejamos positivamente surpreendidos. Assim que os testes de pré-temporada começarem, as equipes e seus integrantes descobrirão como os veículos realmente se comportam na pista."

Hulkenberg sentiu que os novos regulamentos seriam uma "enorme curva de aprendizado para todos os envolvidos" e, embora achasse que era "muito cedo para previsões", ele acredita que as equipes líderes dos últimos anos estejam na frente mais uma vez.

Segundo o alemão, suas esperanças de retornar em tempo integral à F1 em 2022 haviam acabado. Ele chegou a testar pela McLaren na Indy, mas descartou uma mudança para a série por motivos pessoais.

Editor revela BASTIDORES da cobertura ESPECIAL no GP DE SÃO PAULO: "Band ABRAÇOU a F1"

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #156 - Mariana Becker traz bastidores de Verstappen x Hamilton na F1 2021

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Mudança à vista? Nomes de Masi e Tombazis "somem" de organograma da FIA após polêmica de Abu Dhabi
Artigo anterior

F1: Mudança à vista? Nomes de Masi e Tombazis "somem" de organograma da FIA após polêmica de Abu Dhabi

Próximo artigo

Prost diz que Hamilton recebeu "um forte golpe", mas espera que ele siga na F1

Prost diz que Hamilton recebeu "um forte golpe", mas espera que ele siga na F1