Análise
Fórmula 1 GP da Espanha

Barcelona ainda é a melhor pista para medir o real desempenho dos carros na F1?

No GP da Espanha de 2024, Carlos Sainz e Fernando Alonso questionaram se a corrida em 'casa' ainda é o melhor local para saber o verdadeiro ritmo dos carros; Veja como suas afirmações se comparam

Max Verstappen, Red Bull Racing RB20, George Russell, Mercedes F1 W15, Lando Norris, McLaren MCL38

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Carlos Sainz e Fernando Alonso provocaram um debate intrigante em Barcelona no último fim de semana: no contexto da surpreendente quase derrota da Red Bull para a McLaren, será que a pista da Espanha ainda é o melhor local para testar o desempenho dos carros de Fórmula 1?

Leia também:

Graças à sua antiga posição como local regular de testes da pré-temporada, seu lugar no calendário de forma consistente nos últimos 33 anos e a realização de eventos de corrida para além da F1, as equipes e pilotos conhecem o traçado extremamente bem.

É por isso que Lewis Hamilton advertiu que "é preciso levar isso [os resultados] com uma pitada de sal" depois de terminar no pódio no último domingo - evocando os falsos amanheceres de Barcelona que a Mercedes enfrentou nas duas últimas temporadas. 

Além disso, a pista apresenta vários tipos de curvas diferentes. Isso força as equipes a negociar eficiências no manuseio do carro ao redor delas, além de testar severamente os pilotos no gerenciamento dos pneus.

Mas há diferenças significativas nos dias de hoje. Para começar, a chicane de baixa velocidade foi removida antes da corrida de 2023. Além disso, há o fato de que agora existem oito pistas de rua no calendário da F1, que exigem configurações muito diferentes para a adoção dos novos carros com efeito solo.

"Barcelona costumava ser uma pista em que todos diziam: 'se você é rápido em Barcelona, então você é rápido em todos os lugares'", disse Sainz na coletiva de imprensa pré-evento do último fim de semana. "Acho que agora a Fórmula 1 mudou muito, porque há muito mais pistas como Mônaco e Canadá do que Barcelona."

Carlos Sainz, Ferrari SF-24

Carlos Sainz, Ferrari SF-24

Foto de: Sam Bagnall / Motorsport Images

"Por causa da quantidade de circuitos de rua que foram adicionados com meios-fios e traçados irregulares - Mônaco, Singapura, Canadá, Baku, Vegas, México - há tantas pistas que não são mais como Barcelona, enquanto antes, acho que havia muitas Barcelonas, muitas pistas de estilo europeu. Não acho que Barcelona esteja ditando o resto do ano."

"Se você tem um bom carro em Barcelona, normalmente isso significa que você tem um bom carro em Silverstone, talvez na Hungria ou em Spa. Mas um bom carro em Barcelona com certeza não significa que você será rápido em Baku."

Alonso acrescentou: "Como Carlos disse, Barcelona agora é uma pista que pode ajudar a entender ou adivinhar o que vai acontecer em outras quatro ou cinco pistas do campeonato, mas há muitos outros tipos de circuitos que talvez Barcelona não seja mais tão interessante."

Em termos de divisão entre pistas "normais" de teste de aerodinâmica, há 14 no calendário de 2024 e 10 pistas de rua (incluindo as estranhas pistas de Imola e México, que têm o máximo de downforce). Isso resulta em uma divisão de 60:40. Em 2004, essa divisão era de 80:20.

Max Verstappen, Red Bull Racing RB20

Max Verstappen, Red Bull Racing RB20

Foto de: Sam Bagnall / Motorsport Images

"É claro que mais e mais circuitos de rua estão chegando, mas isso mostra que, se você for rápido aqui, seu carro em geral ainda é bom", explicou Max Verstappen. "Mas sempre há algumas pistas estranhas no calendário em que seu carro pode não ser bom ou algo assim."

A sugestão de que ser bom em Barcelona é uma indicação clara de sucesso nas próximas etapas na Áustria, Grã-Bretanha, Hungria, Bélgica, Holanda e Itália também não é tão clara. Esse também é um argumento apresentado pela Red Bull - que, na verdade, cada um desses locais tem uma certa qualidade extrema própria.

"Esse lugar [é] de velocidade relativamente alta, [requer] sensibilidade aerodinâmica", explicou o engenheiro-chefe da equipe, Paul Monaghan. "Em seguida, vamos a 1.000 m acima do nível do mar para três retas, três curvas de baixa velocidade e três de alta velocidade, ou curvas rápidas [no Red Bull Ring] e depois em Silverstone, onde grande parte da pista é plana."

"Portanto, cada pista apresenta seu próprio desafio. Acho que se fizermos nosso trabalho com diligência e bem feito, poderemos ter um carro competitivo. Então, novamente na Hungria, voltamos a usar o downforce máximo. E, uma semana depois, estamos em Spa [que exige] a asa traseira mais estreita que já corremos este ano, exceto talvez em algum lugar como Jeddah."

"Portanto, são corridas normais, mas estamos mudando a força descendente, alterando o resfriamento - passando da força descendente mínima antes de Monza para a máxima."

Max Verstappen, Red Bull Racing RB19, Charles Leclerc, Ferrari SF-23

Max Verstappen, Red Bull Racing RB19, Charles Leclerc, Ferrari SF-23

Foto de: Alessio Morgese

Há fatores de fundo a serem considerados em termos do status anterior de Barcelona que agora está sendo questionado - como a presença iminente de Madri no calendário da F1 a partir de 2026 e fontes que afirmam que Alonso não se dá bem com a administração da pista de Barcelona, que está lutando arduamente para manter esse circuito no cronograma pós-2025.

Mas, em um sentido, Sainz e Alonso estão completamente corretos no que dizem. Ao remover a chicane do último setor, a nova/velha configuração de Barcelona simplesmente não oferece um teste tão completo do desempenho dos carros de F1.

Mas Barcelona ainda testa consideravelmente os carros e o melhor da temporada até agora - consistentemente em todos os tipos de pista desde que a McLaren atualizou o MCL38 - liderou o caminho.

Drugo NA WILLIAMS... Red Bull AMEAÇADA? Briatore MIRA SAINZ! Lawson e Schumi NO RADAR da F1

 

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

VERDADE OU MITO: Brasil-1991 é a MAIOR VITÓRIA de SENNA? Glórias de AYRTON em DEBATE | Podcast F1

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Dez anos depois, McLaren volta a vice-liderança do campeonato de pilotos na F1
Próximo artigo F1: Polícia não encontra infração criminal em e-mail anônimo enviado à Mercedes; entenda

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil