EXCLUSIVO: F1 trabalha para ter carros com pinturas diferentes para 2025; saiba detalhes

Pinturas com menos carbono para evitar confusão, além de diferenciar melhor companheiros de equipe estão na pauta da categoria com os times

Start action, Charles Leclerc, Ferrari SF-24 leads

Os chefes da Fórmula 1 começaram um esforço com as equipes para garantir que as pinturas sejam mais distinguíveis a partir de 2025, apurou o Motorsport.com, em meio a preocupações de que alguns carros se parecem muito neste momento.

O feedback do início da temporada por meio de imagens de TV, especialmente nas corridas noturnas, destacou o fato de que se tornou difícil distinguir alguns dos carros de certos ângulos.

Leia também:

Em particular, entende-se que as pinturas da Aston Martin e da Mercedes, além da Williams e da RB, foram destacadas pela forma como às vezes podem parecer indistinguíveis de certos pontos de vista quando rodam em alta velocidade.

Este problema de alguns carros parecerem semelhantes também foi agravado pelo fato de as equipes terem reduzido cada vez mais a pintura nos últimos anos devido à necessidade de poupar peso.

Isto levou a uma proeminência cada vez maior da cor preto carbono sem pintura, que é idêntico em todos os carros.

Fontes revelaram que já começaram as discussões com as equipes sobre como lidar com a situação no próximo ano para garantir que haja maior diversidade no grid e nenhum risco de carros com cores semelhantes.

No entanto, a situação é bastante complexa porque, embora a FIA e a FOM queiram que a situação seja resolvida porque será melhor para os fãs da F1, também não querem chegar ao ponto de impor regulamentos rigorosos.

O chefe de monopostos da FIA, Nikolas Tombazis, disse que o tema foi apresentado para debate adicional na próxima reunião da Comissão de F1 para tentar encontrar um caminho a seguir.

“Como sempre na F1, é um pouco mais complicado do que parece”, disse Tombazis ao Motorsport.com.

“Um problema é que os carros têm carbono um pouco nu demais, por causa, obviamente, do peso da tinta.

“Também tem havido muito trabalho de todas as equipes para mudar o tipo de tinta ou mesmo o uso de filmes extremamente finos, para manter o peso o mais baixo possível.

“E outro problema é que algumas equipes parecem usar esquemas de cores semelhantes, então acabam com carros que talvez pareçam visualmente muito próximos uns dos outros. Ainda estamos discutindo isso com as equipes e será discutido na próxima Comissão de F1.”

Tombazis considera que a melhor forma de resolver a situação é através de um processo colaborativo entre as equipes, em vez de as suas mãos serem forçadas por novas regras.

“Precisamos chegar a algum processo em que as equipes, de uma forma ou de outra, se comuniquem entre si e digam: ‘Bem, se o seu carro é azul aqui, o meu não será azul ali’.

“Mas como exatamente esse processo funcionaria ainda está para ser visto. Não é um processo regulatório.

“Não queremos fazer regulamentações sobre pinturas como a FIA, mas queremos que os carros sejam distinguíveis”.

Debate sobre capacetes

A questão de equipes diferentes terem carros parecidos não é o único elemento das negociações, porque também existe a preocupação de que esteja cada vez mais difícil distinguir os pilotos da mesma equipe.

Com os designs dos capacetes já não tão icônicos como eram no passado, e também escondidos pelo halo, não é tão fácil reconhecer pilotos como no passado.

No momento, a única maneira pela qual as equipes são forçadas a fazer seus dois carros parecerem diferentes é através de um flash colorido nas câmeras de bordo.

O Artigo 9.1 c) do Regulamento Esportivo da F1 exige: “As câmeras onboard localizadas acima da estrutura principal do primeiro carro devem permanecer como são fornecidas ao piloto e o segundo carro deve ser predominantemente amarelo fluorescente.”

Entende-se que a F1 quer avaliar se existem formas melhores de facilitar aos fãs o reconhecimento de cada piloto de uma mesma equipe.

Tombazis acrescentou: “Antigamente, é claro, os pilotos tinham capacetes mais reconhecíveis porque havia designs mais simples. E provavelmente foram assim durante toda a carreira.

“Agora há uma mudança nos regulamentos [que permitem trocas de design de capacete] e eles têm todos esses tons engraçados, além de você não ver o capacete de qualquer maneira por causa do halo.

“Precisamos encontrar uma maneira de fazer com que as pessoas saibam se é [George] Russell ou [Lewis] Hamilton, mas também para poder distinguir facilmente os carros.”

Mas, como acontece com a questão da pintura, a FIA quer que isso seja algo que as equipes cuidem sozinhas, em vez de serem forçadas a fazer isso por causa das novas regras.

“Não é algo que queremos colocar num regulamento e depois denunciar alguém aos comissários porque não gostamos da cor”, disse Tombazis.

“Não queremos entrar nisso. Mas queremos chegar a um lugar onde de alguma forma as equipes vejam como um bem comum que os carros possam ser reconhecíveis.”

BRIATORE 'de volta' à Alpine, que pode ser COMPRADA POR CHINESES! Antonelli CHOCA, Yuki na Audi e +

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Podcast Motorsport.com debate: Verstappen e RBR ameaçados em 2024?

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Williams teria data para anunciar Sainz na equipe, diz jornalista
Próximo artigo F1: Em Mônaco, Hamilton bate mais dois recordes de Schumacher

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil