F1: Alonso crê que levará alguns anos para que várias equipes lutem pelo título na categoria

Embora o grid tenha mostrado equilíbrio considerável desde o final de 2020, as posições de liderança estão sendo dominadas apenas pelos carros da Mercedes e da Red Bull

F1: Alonso crê que levará alguns anos para que várias equipes lutem pelo título na categoria

Fernando Alonso, da Alpine, disse que espera levar “dois ou três anos” a partir de 2022 antes que a revolução das regras da Fórmula 1 permita que várias equipes batalhem pelo título.

Os times da principal categoria do automobilismo estão atualmente se preparando para as grandes mudanças no design do carro, que estavam programadas para entrar em vigor no início da temporada de 2021 antes de serem adiadas devido às consequências econômicas da pandemia do coronavírus.

Leia também:

Quando Alonso anunciou que tinha intenção de retornar à F1 após dois anos fora, ele destacou as novas regras com potencial para abalar a ordem competitiva do campeonato como um fator chave por trás de sua decisão.

Questionado pelo Motorsport.com se o impacto das pequenas mudanças nas regras - como os ajustes nas regras do assoalho traseiro - na hierarquia de 2020-2021 o fez pensar que várias equipes poderiam lutar pelo título no próximo ano, o espanhol disse: “Em termos de luta pelo campeonato e outras possibilidades, [é] difícil saber."

“Acho que no primeiro ano [das novas regras], sempre tem uma equipe que ganha algo a mais quando há um novo regulamento definido, que interpreta as regras um pouco diferente e talvez consiga uma vantagem."

“Mas, esperançosamente, depois de dois ou três anos, aquele novo conjunto de regulamentos que virá em 2022 [significará] uma ação muito próxima entre muitas equipes e será melhor para o futuro."

“Então, não sei se virá em 2022, mas com certeza virá - essa competição acirrada."

“Porque eu acho que todos os regulamentos são feitos para tornar todas as peças de desempenho dos carros padrão para todos, e tentar ter uma competição melhor e mais próxima.”

Fernando Alonso, Alpine A521, Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B

Fernando Alonso, Alpine A521, Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

Embora o grid tenha mostrado um equilíbrio considerável desde o final de 2020, as posições de liderança estão sendo dominadas apenas pelos carros da Mercedes e da Red Bull nesta temporada.

Ao discutir a ideia de que 2021, portanto, é simplesmente um ano de preparação antes da redefinição das regras para sua escuderia, Alonso disse que essa abordagem foi "difícil" porque "todo fim de semana você está em uma pista de corrida, você é apenas alguém competitivo e quer entregar, você quer correr e quer ter um bom desempenho."

“Mas, no quadro geral, sim, 2021 é o ano de preparação - sem dúvida", acrescentou.

“Acho que todos no grid, depois do adiamento das regras de 2021 para 2022, entendemos e aceitamos que 2021 é um ano de preparação, é uma temporada pós-Covid com carros mais ou menos semelhantes ao do ano passado."

“E é uma temporada para testar coisas como as corridas sprint. É uma temporada de testes, de certa forma, para muitas coisas."

“Apenas esperando e torcendo para que 2022 não [seja] uma continuação, talvez uma revolução em 2022 - é isso que queremos", concluiu.

Galvão, Regi e narradores; ex-diretor de F1 da Globo conta tudo sobre bastidores das transmissões

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Mercedes X Red Bull já pode ser considerada uma das maiores rivalidades da F1?

 

compartilhar
comentários
F1: Red Bull diz que novos testes de 'asa flexível' não prejudicarão na busca pelo título
Artigo anterior

F1: Red Bull diz que novos testes de 'asa flexível' não prejudicarão na busca pelo título

Próximo artigo

F1: Reutemann apresenta melhora e deixa UTI

F1: Reutemann apresenta melhora e deixa UTI
Carregar comentários