Motorsport.com's Prime content
Assunto

Motorsport.com's Prime content

F1: Alonso diz que venceria seu "eu do passado" com "apenas uma mão"

Bicampeão vive boa fase com Alpine e reforça que a idade é apenas um número no automobilismo

F1: Alonso diz que venceria seu "eu do passado" com "apenas uma mão"

Se a tenaz direção de Fernando Alonso no GP da Hungria de Fórmula 1 nos ensinou uma coisa, é que ele não perdeu nada da astuta habilidade de corrida que o ajudou a vencer dois campeonatos mundiais. Dizem que não se pode ensinar truques novos a um cachorro velho, mas o arsenal de truques do espanhol, de 40 anos, ainda está lá com os melhores, então o que há para ensinar?

Em vez de entreter a ideia de que pode estar à beira do declínio, o sempre confiante piloto acredita que é muito melhor agora do nos primeiros dias na Renault, graças aos anos de experiência que ganhou na categoria máxima e em outras como IndyCar e WEC.

Leia também:

Em uma ampla entrevista antes do GP da Hungria com mídia selecionada, incluindo o Motorsport.com, Alonso disse que demorou mais do que o esperado para ganhar velocidade em seu retorno à F1 depois de dois anos fora, mas explica por que a idade é apenas um número.

"Eu esperava, digamos, três ou quatro corridas", disse ele quando questionado pelo Motorsport.com sobre quanto tempo ele achava que demoraria para chegar ao seu melhor nível. "Ímola era a segunda, onde os caras correram em setembro, outubro do ano passado, e para mim era novo. Portimão era a terceira, então eu estava pensando que até Barcelona ou algo assim eu talvez estivesse 100%. Levei mais duas do que o esperado"

Fernando Alonso, Alpine F1, congratulates and celebrates with Esteban Ocon, Alpine F1, 1st position, in Parc Ferme

Fernando Alonso, Alpine F1, congratulates and celebrates with Esteban Ocon, Alpine F1, 1st position, in Parc Ferme

Photo by: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Alonso nunca foi conhecido por ter pouca confiança, mas quando não está em seu melhor, também é perfeitamente ciente de qualquer fenda em sua armadura, que parece ser muito mais franca neste estágio final de sua carreira.

Ele revela que, enquanto assistia a GPs na TV durante sua ausência, ocasionalmente tinha um momento na poltrona em que pensava que poderia fazer um trabalho melhor do que o que estava vendo. Na realidade, entrar em um cockpit de F1 provou ser uma experiência difícil no início.

"Eu acho que quando você está fora do esporte e vê corridas na TV, pensa que provavelmente poderia fazer aquela ultrapassagem de forma diferente, aquele desempenho ou largada", disse o espanhol. "Há aquela autoconfiança pensando que, ao voltar, pode melhorar certas coisas e talvez tentar aprender com os outros."

"Foi isso que fiz nas primeiras duas corridas. Acho que ainda não estou 100%. Silverstone foi uma boa curva de aprendizado novamente, em gerenciamento de pneus e estratégia", acrescentou.

Alonso também estava preocupado com a perda de quilometragem dos pneus de chuva da Pirelli, mas a exibição do asturiano na chuva da Hungria provou que qualquer preocupação não era necessária. É aí que a experiência brilha e sua longevidade no esporte é uma vantagem.

Questionado por quanto tempo poderia continuar no nível mais alto, ele disse: "O que eu sinto talvez soe o oposto das pessoas de fora, porque parece que confundimos o esporte com a idade e sobre o desempenho que um esportista pode ter."

"Este não é o Tour da França, os Jogos Olímpicos ou o futebol, onde aos 23 anos você está no auge do seu desempenho. Se eu correr contra mim mesmo nessa idade, vou vencer com uma mão. Não é a mesma coisa. Não é algo como: quanto mais jovem, mais rápido."

"Tem gente que quer ver novos nomes, novas esperanças e se livrar de alguns dos nomes normais que veem todo fim de semana. Eu me vejo correndo muito tempo, se for na Fórmula 1, ótimo, se não, tentarei perseguir alguns dos desafios restantes, para ser, com sorte, o piloto mais completo da história do automobilismo."

Se isso levará mais sucesso para Alonso e seu companheiro de Alpine Esteban Ocon, dependerá da capacidade da equipe produzir um pacote capaz para os novos regulamentos de 2022, que tem sido seu foco há algum tempo.

O bicampeão tem sido um observador atento na fábrica de Enstone para monitorar o progresso do projeto do próximo ano, mas diz que é muito cedo para obter qualquer indicação do que a escuderia é capaz.

"Estamos trabalhando, mas ninguém sabe ainda quais são os números porque não há nada com que comparar", explicou. "Somos todos um pouco realistas e ainda estamos esperando por fevereiro porque veremos muitas surpresas para todos quando os carros forem descobertos."

O comportamento de Alonso sugere que ele ainda pode estar por perto se e quando a Alpine colher os frutos de seu trabalho, sugerindo que não fez nenhuma exigência ao negociar seu contrato com a fabricante francês.

"Não foi muito, sabe, e fiquei feliz com tudo o que a equipe estava disposta a oferecer", afirmou. "Não houve discussão sobre isso, sobre salário nem nada. Estou aqui para atuar e para ajudar, não para pedir."

Fernando Alonso, Alpine A521

Fernando Alonso, Alpine A521

Photo by: Motorsport Images

F1 2021: Rico Penteado aponta favoritos na segunda metade do campeonato | TELEMETRIA DE FÉRIAS

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Qual piloto merece uma segunda chance na F1?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
Como se tornar um chefe de equipe na F1, com Gunther Steiner
Artigo anterior

Como se tornar um chefe de equipe na F1, com Gunther Steiner

Próximo artigo

F1 - Aston Martin: "Modificamos todas as peças visíveis de nosso carro em 2021"

F1 - Aston Martin: "Modificamos todas as peças visíveis de nosso carro em 2021"
Carregar comentários