F1: Binotto admite que Ferrari considera mudanças organizacionais após início ruim de temporada

compartilhar
comentários
F1: Binotto admite que Ferrari considera mudanças organizacionais após início ruim de temporada
Por:

Mas Binotto admite que vai levar um bom tempo até que a situação da equipe seja solucionada

A temporada 2020 da Fórmula 1 não tem sido a melhor para a Ferrari. A equipe ficou para trás em comparação às rivais Mercedes e Red Bull e está atrás também da Racing Point. Por isso, muito tem se cobrado da equipe em relação à mudanças, e a Scuderia já considera fazer algo do tipo.

A queda de rendimento da equipe de 2019 para 2020 foi considerável e a Ferrari precisa dar passos adiante para poder começar a lutar por pódios com regularidade. No momento, ocupa apenas a quinta posição no Mundial de Construtores.

Leia também:

Após um GP da Hungria difícil, mas que trouxe bons pontos, o chefe da Ferrari, Mattia Binotto, confessou que o começo do ano foi pior do que o esperado e estava tudo claro com relação ao que precisava ser feito para mudar.

"Acho que o que vimos em Barcelona é que não éramos rápidos o suficiente, mas não estávamos esperando uma situação difícil assim", disse Binotto. "Então é certamente pior comparado ao que esperávamos".

"Após essas três provas, temos alguma folga antes de Silverstone e será importante para Maranello considerar todos os aspectos do carro e da organização: tudo que for necessário para melhorar".

Na semana passada, o Motorsport.com revelou que a direção da Ferrari estava aberta à ideia de mudanças na infraestrutura, talvez com a adição de mais uma peça na ponta, como um novo diretor técnico, para ajudar Binotto.

Binotto disse que a prioridade da Ferrari era entender o que havia de errado com o SF1000. Apesar da atualização apresentada no GP da Estíria ter melhorado o panorama, ainda não foi suficiente.

"Acho que as atualizações da Áustria melhoraram a correlação entre túnel de vento e pista", disse. "Pelo menos lidamos com isso. Mas o déficit em termos de performance ainda está ali. Perdemos velocidade nas retas e falta velocidade nas curvas. O carro precisa melhorar em todas as áreas. Simples assim".

Binotto admitiu que a esperança da Ferrari de melhorar foi enterrada pelo congelamento imposto no desenvolvimento, mas que era muito cedo para julgar o quanto isso iria impactar.

"Certamente não ter total liberdade torna nosso trabalho mais difícil. Acho que só podemos entender o quão mais próximo poderemos chegar quando entendermos o motivo para estarmos tão lentos".

"Acho que ainda é cedo para isso. Primeiro vamos focar em entender o carro e onde podemos melhorar. Aí mais tarde na temporada respondo sua pergunta".

Perguntado sobre quanto tempo levaria para a Ferrari voltar a ser competitiva, ele disse: "Vai um bom tempo, porque não é algo que será resolvido em algumas semanas. Então é preciso paciência. Temos que melhorar em todas as áreas porque falta velocidade, não é algo que será resolvido a toque de caixa. Vai levar tempo".

PÓDIO: Os bastidores do GP da Hungria com Lucas di Grassi e Rico Penteado

PODCAST: Guerra de bastidores na F1 e entrevista exclusiva com Igor Fraga

 

Após Hamilton igualar recorde de Schumi, veja quem são os reis de cada circuito da F1

Artigo anterior

Após Hamilton igualar recorde de Schumi, veja quem são os reis de cada circuito da F1

Próximo artigo

F1: Red Bull culpa "anomalias" por comportamento irregular do carro de 2020

F1: Red Bull culpa "anomalias" por comportamento irregular do carro de 2020
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Scuderia Ferrari
Autor Jonathan Noble