F1: De olho em vaga na Williams, De Vries diz que regras da superlicença devem ser respeitadas

Holandês comentou possível exceção a Colton Herta, que não tem pontuação suficiente

Nyck de Vries, Mercedes reserve driver

Nyck de Vries é contra os pilotos obterem uma superlicença de Fórmula 1 sem ter os pontos necessários, revelou o piloto ao Motorsport.com holandês em uma entrevista exclusiva, antes de admitir que isso o deixaria frustrado, além de acrescentar que também seria ruim para a F3 e F2.

O mais recente desenvolvimento no mercado de pilotos coloca Colton Herta tendo o interesse da AlphaTauri. O norte-americano poderá substituir Pierre Gasly, que está concorrendo a uma vaga na Alpine. Mas há um problema em tudo isso: Herta não tem pontos suficientes para uma superlicença de F1.

Leia também:

Um piloto precisa de 40 pontos para uma superlicença, mas o californiano de 22 anos só pode somar 32 pontos com base em seus resultados na Indy nas últimas temporadas. A FIA está atualmente analisando a possibilidade de conceder uma superlicença à Herta por motivos de força maior. No entanto, vários chefes de equipe e o CEO da F1, Stefano Domenicali, indicaram que não seriam a favor disso. Regras são regras e o sistema de superlicenças foi introduzido por uma razão, dizem eles.

Nyck de Vries, que também é candidato a uma vaga no grid de 2023, não consideraria certo se um piloto recebesse uma superlicença quando os resultados nos últimos anos não foram suficientes. O próprio piloto de testes e reserva da Mercedes tem esses pontos, em parte por causa de seus títulos na Fórmula E e na Fórmula 2.

"Acho que as regras que foram criadas para isso devem ser respeitadas. Acho que também é ruim para o sistema. Pode ter um efeito negativo na Fórmula 2 e na Fórmula 3, porque se você consegue marcar pontos mais facilmente em outros campeonatos, então você pode ver pilotos desviando para esses outros campeonatos. Então, um piloto pode optar pela Indy Lights, por exemplo, que tem apenas cerca de 12 carros no grid.”

"Pessoalmente, acredito que você deve seguir as regras e não abrir exceções em situações como essa", reiterou De Vries. "Há muitos pilotos com uma superlicença para escolher. E se eles forem nessa direção e começarem a abrir exceções, onde parar? Então, é claro, haverá muitos outros pilotos batendo na porta da FIA que sentem que merecem dispensa."

Grande jogo de xadrez

De Vries parece estar concorrendo a uma vaga na F1 de 2023 na Williams. O piloto de 27 anos guiou uma sessão de treinos livres para a equipe baseada em Grove no início deste ano e no fim de semana passado em Zandvoort o chefe da equipe, Jost Capito, afirmou que De Vries 'absolutamente' merece um lugar na F1. Questionado sobre suas chances em 2023, De Vries respondeu: “Para ser completamente honesto, não sou capaz de avaliar. Porque está além do meu controle. No final, não sou eu quem toma essa decisão, é claro.”

Outro nome vinculado ao segundo assento da Williams é Logan Sargeant. O americano está atualmente em terceiro lugar na F2 e fará sua estreia no TL1 em Austin no final deste ano.

Se De Vries vê a Williams como sua última chance de entrar no grid de 2023 da F1?

"Eu não sei. Muita coisa está acontecendo e há muita interferência na linha em toda a situação em torno de Piastri, Alpine, Gasly e Herta. Há um grande efeito dominó acontecendo lá. Por exemplo, a Haas pode não continuar com Mick Schumacher, o que poderia colocar Mick no mercado e liberar uma vaga na Haas. Eles considerariam então dar a Antonio Giovinazzi outra chance? Eu não sei."

"É um jogo de xadrez tão grande", descreveu De Vries, que estará no TL1 com  a Aston Martin em Monza nesta sexta-feira.

"Claro, você tenta jogar na sua cabeça e ver o que pode ser. Mas no final, isso é uma perda de tempo, porque não está sob seu controle. Tudo o que você pode fazer é fazer o seu trabalho, estar lá.”

"Claro, não devo acabar de mãos vazias se não houver oportunidade na F1. Mas acho que estou em uma boa posição a esse respeito. Então, não estou tão preocupado com isso. E, na verdade, não me preocupo com nada. Se vier, que venha. O tempo dirá e veremos o que acontece.”

De Vries não tem um prazo rígido: "Não. Vou esperar e ver como isso se desenvolve. Não vou comprometer minhas chances de longo prazo, continuando a esperar por algo que pode não se materializar, mas neste estágio não há motivo para me preocupar, porque não posso influenciá-lo de qualquer maneira. É tudo o que posso dizer sobre isso, porque essa é a real situação.”

PODCAST #194 - Qual será o futuro de Felipe Drugovich?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior TELEMETRIA: Rico Penteado explica se Ferrari fará festa ou passará vergonha em casa
Próximo artigo F1: Audi teria interesse em Schumacher e pode ajudá-lo em busca de vaga para 2023

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil