Fórmula 1 GP dos Estados Unidos

F1: Degradação de pneus da Ferrari comprometeu corrida de Leclerc mais uma vez

Mesmo com uma recuperação que o levou de 12º para o terceiro lugar no pódio, o monegasco se mostrou "um pouco decepcionado" com sua Ferrari F1-75

Charles Leclerc, Ferrari, 3rd position, on the podium

Charles Leclerc foi o segundo piloto mais rápido na classificação do GP dos Estados Unidos de Fórmula 1, mas, devido a várias mudanças na unidade de potência do seu carro, acabou caindo várias posições no grid de largada indo parar em décimo segundo por conta da penalização.

Leia também:

Isso, unido ao principal problema da Ferrari nesta temporada - o desgaste dos pneus muito maior em relação aos rivais na ponta da tabela, deixaram a entender que chegar até o pódio era uma tarefa praticamente impossível para o piloto monegasco, mas, ele acabou cruzando a linha de chegada em P3.

Se no papel sair de 12ª lugar para chega em terceiro é um resultado muito positivo, Leclerc não viu da mesma forma. O monegasco acredita que se não houvesse degradação dos pneus, ele poderia te conseguido um resultado melhor ao aproveitar o erro da Red Bull nos boxes que o colocou a frente de Max Verstappen momentaneamente.

Analisando a corrida, o piloto da Ferrari explicou que seu F1-75 tinha ritmo para competir por algo mais do que o terceiro lugar, mas acabou se vendo muito prejudicado pela notável degradação dos pneus.

"Estou satisfeito com o pódio levando em conta que saí da 12ª colocação. É um bom resultado neste sentindo. No entanto, a corrida, num geral, foi um pouco decepcionante. Tínhamos o ritmo, mas também, de novo, tínhamos muita degradação. Mas sim, no fim, terminar em terceiro depois de começar em décimo segundo não é ruim", disse um monegasco descontente.

Mattia Binotto, chefe de equipe, garantiu estar feliz com o pódio conquistado por Leclerc e lamentou a má sorte de Carlos Sainz que abandonou na primeira volta por conta de um acidente depois de largar na pole.

"Obviamente, temos emoções mistas depois da corrida. Sem nenhuma culpa, Carlos teve que abandonar depois da primeira volta. No entanto, Charles protagonizou uma grande recuperação que o levou até o pódio."

Binotto também se mostrou de acordo com as declarações de Leclerc em referência a péssima degradação do F1-75, prometendo trabalhar nele para solucionar o problemas para as últimas corridas do ano e pensando, sobre tudo, em 2023.

"Sabemos que nestes momentos nos falta algo a longo prazo se nos compararmos com a Red Bull. Seguiremos trabalhando para complicar a vida deles, a partir do México e como não podia ser diferente, melhorar nossa preparação para os desafios que virão na próxima temporada", concluiu.

Charles Leclerc, Ferrari F1-75

Charles Leclerc, al volante del Ferrari F1-75 en Austin

VÍDEO: Dê uma volta no circuito do Autódromo Hermanos Rodríguez

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura durante nossos programas. Não perca!

Podcast Motorsport.com debate: quem poderá parar a Red Bull e Verstappen na F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 confirma renovação do GP do México até 2025
Próximo artigo F1: Usando máscara do "Dia dos Mortos", Ricciardo faz entrada 'triunfal' no paddock do México

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil