F1: "Envergonhado" pela forma recente da equipe, Gene Haas fala sobre demissão de Steiner, mudanças e futuro

Dono da equipe americana falou ainda sobre o relacionamento com a Ferrari e porque optou por uma promoção interna em vez de buscar nomes como Binotto ou Szafnauer

Gene Haas, Owner and Founder, Haas F1, Guenther Steiner, Team Principal, Haas F1

Gene Haas, Owner and Founder, Haas F1, Guenther Steiner, Team Principal, Haas F1

Andy Hone / Motorsport Images

O dono da equipe Haas na Fórmula 1, Gene Haas, falou pela primeira vez sobre a demissão do agora ex-chefe Gunther Steiner, dizendo que está "envergonhado" pela forma recente do time americano e explicou a decisão pela promoção de Ayao Komatsu ao cargo.

O americano também falou sobre o relacionamento próximo que possui com a Ferrari e os próximos passos.

Leia também:

Na quarta-feira (10), a Haas anunciou uma série de mudanças, com a saída de Steiner do cargo de chefe com a promoção interna de Komatsu, responsável pela engenharia de pista, além da saída do diretor técnico Simone Resta.

A Ferrari fornece a equipe não somente a unidade de potência e a caixa de câmbio, como também a suspensão e outros itens mecânicos liberados pelo regulamento. Porém, enquanto a Ferrari conquista poles e vitórias, a Haas foi para o fundo do grid novamente em 2023.

"A Ferrari tem sido muito boa para nós", disse Haas ao site da F1. "Eles estão conosco desde o começo, eles constroem motores incríveis. A suspensão é muito boa. Estamos usando muito do hardware deles. Funciona bem, eles realmente nos ajudam. Estou envergonhado que não tenhamos feito mais com isso mas, no futuro, quero aproveitar o bom equipamento que outros times não têm".

"As coisas ficarão bem mais competitivas. A Red Bull tem a AlphaTauri, estamos vendo relações evoluírem, acho que a competição ficará muito intensa, então ter uma parceira como a Ferrari será muito importante".

"Eu falei com muitos engenheiros, e acho que nossa maior falha está na aerodinâmica: precisamos trabalhar nesse programa. Quando você está na pista sendo humilhado a cada final de semana...".

Falando sobre a saída de Steiner, ele insistiu que as mudanças eram necessárias para elevar o nível da equipe.

"Foi sobre a performance. Estamos em nosso oitavo ano, mais de 160 corridas, sem nunca ter ido ao pódio. Nos últimos anos, somos nono ou décimo. Não estou dizendo que é culpa de Gunther ou algo assim, mas parece ser o momento apropriado para fazer uma mudança, tentar uma direção diferente, porque continuar com o que temos não parece que vai funcionar".

"Eu gosto de Gunther, ele é um ótimo cara com uma ótima personalidade. Tivemos um fim de ano difícil. Não entendo isso. Realmente não entendo. São perguntas a serem feitas para ele, sobre onde que deu errado. E, no fim do dia, é sobre performance. Não quero mais ser décimo".

Ayao Komatsu, Haas F1 Team

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

Ayao Komatsu, Haas F1 Team

Gene está convencido que Komatsu tem as habilidades corretas para ajudar a equipe a dar a volta por cima.

"Olhamos para dentro, quem tinha mais experiência. Ayao está conosco desde o primeiro dia, conhece tudo. Minha maior preocupação é o Bahrein, precisamos chegar com um carro pronto. Talvez ter um chefe mais gerencial e com uma abordagem de engenheiro, vamos ver quais serão os benefícios".

"Acho que Gunther tinha uma abordagem mais humana para tudo com as pessoas e a forma com a qual ele interagia, ele era ótimo nisso. Ayao é mais técnico, ele olha para as coisas com base nas estatísticas - é aqui que estamos errando, aqui podemos ir melhor. É uma abordagem diferente".

"Realmente precisamos de algo diferente, porque não estávamos indo bem. Como disso, a questão foi: oito anos, em último. Não há nada mais que eu possa dizer".

Questionado por que não olhou para fora com nomes do mercado como Mattia Binotto e Otmar Szafnauer, Haas insistiu que o objetivo era fazer uma promoção interna.

"Estou à frente da Haas Automation há 40 anos. Trazer pessoas de fora, elas precisam de tempo para aprender, de seis meses a um ano, e muitas vezes você sequer gosta delas. É melhor trazer quem você conhece e, mesmo que elas não sejam perfeitas, pelo menos você sabe o que tá recebendo".

"Isso nos serve muito bem na Haas Automation, então estou aplicando muito nisso na fundação da equipe de F1. Eu realmente gosto de ter pessoas que conheço, que entendam as operações do dia a dia, as pessoas, em vez de ter um estranho que pode criar uma confusão".

Kevin Magnussen, Haas VF-23

Photo by: Erik Junius

Kevin Magnussen, Haas VF-23

DRUGOVICH e BORTOLETO na mesma equipe de F1? Brasileiros falam sobre 2024 e ALÉM na ASTON e McLAREN

Podcast #264 – O que Gil de Ferran deixa para o automobilismo?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior F1: O que levou à saída de Gunther Steiner da Haas?
Próximo artigo F1: Red Bull lançará RB20 no dia 8 de fevereiro

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil