F1: Ferrari diz que dificuldades na Mercedes é resultado de falta de estabilidade na organização

Mattia Binotto acredita que comprometimento da Red Bull com figuras seniores foi crucial para o time se tornar mais forte ao longo do tempo

F1: Ferrari diz que dificuldades na Mercedes é resultado de falta de estabilidade na organização

A Ferrari acredita que as dificuldades que a Mercedes está enfrentando na Fórmula 1 podem ser resultado da falta de estabilidade da organização nos últimos meses.

Com a Red Bull tendo conquistado sua quarta vitória consecutiva na F1 no GP da Estíria para ampliar sua liderança na briga pelo título de 2021, a equipe alemã está enfrentando uma luta para melhorar o seu carro.

Leia também:

Mas, embora o claro progresso que a escuderia austríaca vem fazendo no RB16B tenha sido importante para permitir que Max Verstappen estenda sua vantagem, o chefe da Ferrari, Mattia Binotto, acredita que outros fatores também estão em jogo.

O dirigente acredita que a estabilidade que a Red Bull teve ao se comprometer com suas figuras seniores foi crucial para ajudar o time a se tornar mais forte ao longo do tempo.

Ele sugere que isso está em contraste com a Mercedes, que no ano passado viu o chefe de motores Andy Cowell e o diretor técnico James Allison se demitirem, além de enfrentar enormes atrasos na finalização do contrato de Lewis Hamilton.

"Antes de olhar para os aspectos técnicos, devemos reconhecer que a Red Bull fez um ótimo trabalho, acho que é certo constatar que estão colhendo excelentes resultados, pois contam com uma equipe estável há muitos anos", disse Binotto.

“Apesar de terem enfrentado dificuldades, apesar de não terem vencido, continuaram formando um grupo para tentar melhorar o seu carro. E o que vemos agora é o resultado desse trabalho."

“Se, por outro lado, olharmos para a Mercedes, já no ano passado ocorreram mudanças internas significativas, com funções que talvez tenham sido revistas. Mais a assinatura com o piloto que chegou apenas em fevereiro."

"Acho que são sinais de uma distração que levou à situação atual."

Embora Binotto não tenha feito nenhuma comparação direta com a situação da Ferrari, ele deixou claro há muito tempo que a melhor maneira da Scuderia progredir a longo prazo é dar tempo à estrutura atual para mostrar o que ela pode fazer.

O chefe da equipe de Maranello também não concorda com a visão da Mercedes de que o ganho de velocidade em reta da Red Bull foi ajudado por um avanço no desempenho do motor.

Ele sugere que a Honda pode ter sido forçada a desacelerar a unidade de potência no início da campanha por causa de preocupações com a confiabilidade, e só agora liberou o desempenho mostrado no início da campanha.

“Não compartilho [da visão] do que ouço e leio, porque o desempenho do motor Honda, olhando os dados do GPS, corresponde ao desempenho que eles tiveram no início da temporada no Bahrein”, explicou.

“Então, eles tiveram que reduzir o desempenho devido a problemas de confiabilidade. Acho que ao resolver isso, eles estão de volta aos padrões que tinham no início da temporada."

“Não houve avanço. Nós, do Bahrein em diante, sempre tivemos o mesmo nível de performance porque o motor nos permitiu rodar assim."

"Portanto, para a Red Bull, não é uma questão de ter dado um passo em frente, porque isso não seria permitido pelo regulamento", concluiu. 

F1 2021: Será o FIM DA MERCEDES? E a RED BULL, vai ser campeã? GP, Porsche, GTSR e + | RETA FINAL

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Sequência de corridas até férias da F1 será chave para campeonato?

 

compartilhar
comentários
F1: FIA teria investigado rodada de Bottas mesmo sem reclamação da McLaren
Artigo anterior

F1: FIA teria investigado rodada de Bottas mesmo sem reclamação da McLaren

Próximo artigo

F1: Sainz explica "cenário estranho" com Hamilton no GP da Estíria

F1: Sainz explica "cenário estranho" com Hamilton no GP da Estíria
Carregar comentários