F1: Ferrari revela que motor de 2022 apresenta maior ganho visto em 25 anos

Mattia Binotto, chefe de equipe da escuderia, explica porque ter unidade de potência com mais desempenho era mais importante para equipe no momento

Carlos Sainz, Ferrari F1-75

A Ferrari se recuperou de dois anos difíceis para voltar à forma vencedora em 2022 na Fórmula 1, conseguindo uma dobradinha na corrida de abertura, no Bahrein, e mais três vitórias na primeira metade da temporada. Um fator chave no retorno da escuderia está ligado diretamente com os ganhos do motor, que ajudaram a equipe a compensar uma grande diferença de desempenho para os carros movidos a Mercedes, Honda e Renault dos últimos dois anos.

Leia também:

Embora fosse difícil saber o quão bom era o F1-75 até a corrida de abertura da temporada, os números dos motores de Maranello já indicavam que a Ferrari havia dado um grande passo à frente - indo além de tudo que Binotto já havia visto antes.

"Tínhamos mais clareza sobre a unidade de potência, sim, porque sabíamos onde estávamos, os regulamentos eram consistentes", disse o chefe da equipe italiano em entrevista ao Motorsport.com.

"Na unidade de potência, estabelecemos grandes números em termos de objetivos e o que vi que fomos capazes de desenvolver durante a temporada passada para o motor de 2022, em mais de 25 anos em Maranello, eu nunca vi. 

"Isso mostra o quanto a equipe foi capaz de entregar. Então isso foi ótimo."

O passo à frente da Ferrari veio depois que a equipe foi prejudicada pelo desempenho do motor até 2020, após o desenvolvimento ser congelado em reação à pandemia de COVID-19 e ao esforço para cortar custos. O impacto foi particularmente claro em 2020, quando a escuderia viu seu desempenho cair ao chegar ao pior fim de campeonato em 40 anos.

Isso ocorreu, em parte, devido à repressão das regras de motores da FIA, resultado da sua investigação sobre a unidade de potência da Ferrari em 2019 e um acordo privado que veio em sequência com a marca italiana.

Mattia Binotto, Team Principal, Ferrari

Mattia Binotto, Team Principal, Ferrari

Photo by: Alastair Staley / Motorsport Images

Embora os ganhos obtidos no motor tenham sido impressionantes este ano, a equipe também lutou às vezes com a confiabilidade. Charles Leclerc abandonou duas vezes enquanto liderava as corridas devido a problemas na unidade de potência, enquanto o companheiro de equipe, Carlos Sainz, sofreu uma falha no motor enquanto era o terceiro colocado na Áustria.

Questionado se os problemas de confiabilidade foram resultados de levar muito longe o desempenho para 2022, devido ao congelamento do desenvolvimento, Binotto respondeu: "Não sei se está indo longe demais, porque aumentar o desempenho nunca é suficiente.

"Certamente, priorizaremos o desempenho em vez da confiabilidade. O que isso significa? Que talvez tenhamos um plano de homologação curto.

"Mais do que isso, tanto na unidade de potência, como nas demais, temos restrições de horas do dinamômetro e essas restrições vêm influenciando no resultado, porque em outros períodos sem restrições, você simplesmente vai multiplicar o esforço no dinamômetro para desempenho e confiabilidade.

"Portanto, sendo limitado por essas horas, você precisa fazer sua própria escolha quando for setembro, outubro, novembro e dezembro e sem dúvida que ultrapassamos os limites do desempenho além do que seria um plano normal de confiabilidade.

"Mas porque sabíamos que seria importante recuperar a diferença, ela poderia ter ficado paralisada por quatro temporadas. A confiabilidade sempre pode ser corrigida mais tarde."

Binotto sentiu que o surgimento de novos problemas na pista nesta temporada em sua unidade de potência fazia parte do processo normal ao longo de uma temporada.

"Experimentar falhas na pista, que não são problemas totalmente conhecidos em comparação com o banco de testes, podem ser problemas que estão chegando simplesmente porque estamos adicionando experiência a um projeto muito verde", explicou o chefe de equipe.

"Com toda a especificidade de uma pista em comparação com um banco, você está simplesmente aprendendo sobre o produto. Acho que isso poderia ser esperado. Não estou completamente surpreso."

PODCAST: É o fim da linha para Ricciardo na F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: GP da Austrália anuncia datas da edição 2023; prova deve ser a terceira da temporada
Próximo artigo F1 - Alpine não acredita que terá problemas com Alonso no resto de 2022: "Ele é profissional"

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil