F1: Por que Binotto ainda mantém fé nos estrategistas da Ferrari

Chefe da escuderia italiana acredita que decisões tomadas - e que se tornaram altamente questionáveis - eram as corretas naqueles determinados momentos

Mattia Binotto, Team Principal, Ferrari

As decisões estratégicas da Ferrari podem ter sido criticadas algumas vezes nesta temporada da Fórmula 1, mas o chefe da equipe Mattia Binotto está longe de estar pessimista com a situação. Na verdade, ele é firme na defesa de seu departamento de estratégia e, embora aceite que sempre há espaço para melhorias, ele tem certeza de que tem as pessoas certas nos cargos certos.

Essa é uma postura que pode surpreender alguns fãs da F1, que criticaram fortemente a equipe pelo que pareceu ser uma série de erros críticos nesta temporada que custaram caro a Charles Leclerc. Em Mônaco, com Leclerc na liderança, não conseguiu responder a tempo na medida em que a pista estava secando depois que Sergio Pérez mudou para slicks.

Leia também:

Em seguida, agravou ainda mais com uma segunda parada mal cronometrada que permitiu que Leclerc também fosse ultrapassado por Max Verstappen.

No GP da Grã-Bretanha, o fracasso da Ferrari em parar Leclerc no reinício do último safety car o levou a cair da liderança para o quarto lugar no final.

Então, na Hungria, uma escolha difícil de pneus deixou o monegasco impotente para se defender contra o rival Verstappen em um dia em que o verdadeiro problema da equipe era na verdade a falta de desempenho da F1-75.

Além disso, adicione a maneira como a estratégia para Carlos Sainz foi planejada, quando a TV fez parecer que os estrategistas da Ferrari estavam confusos e indecisos.

Charles Leclerc, Ferrari F1-75, Carlos Sainz, Ferrari F1-75

Charles Leclerc, Ferrari F1-75, Carlos Sainz, Ferrari F1-75

Photo by: Ferrari

Binotto está crente de que a Ferrari pode fazer melhor e as lições foram aprendidas, especialmente em Mônaco, sobre os sistemas que a equipe precisa para fazer ligações mais bem informadas no pitwall.

No entanto, ele diz que fazer as coisas melhor está muito longe de acreditar que a Ferrari tem um problema fundamental com sua estratégia – porque ele diz que há momentos em que venceu a rival Red Bull fazendo um trabalho melhor com seus pneus na corrida.

“Acho que sempre há uma maneira de melhorar a nós mesmos”, disse ele em entrevista exclusiva ao Motorsport.com. “Você não pode ser perfeito e nunca será perfeito. Portanto, sem dúvida, precisamos nos aprimorar na aerodinâmica, no chassi, na unidade de potência, na estratégia ou no que pudermos.

“Mas, dito isso, acho que tenho uma grande equipe na estratégia e não sinto que seja uma fraqueza.”

Comparações de Hamilton em Abu Dhabi

Binotto diz que é importante, ao avaliar adequadamente as chamadas de estratégia, que elas não sejam julgadas apenas por como as coisas aconteceram vistas posteriormente. Em vez disso, o que precisa ser observado é se a decisão certa foi tomada ou não com as informações que estavam disponíveis para a equipe no pitwall na época.

Pois na F1, muitas vezes há ocasiões em que uma decisão parece errada em retrospectiva, mas estava completamente correta no momento – especialmente porque as equipes não podem julgar como os outros respondem à decisão que tomam.

O pedido da Ferrari para manter Leclerc fora durante o safety car do GP da Grã-Bretanha é um exemplo disso, pois reflete o cenário que Mercedes e Lewis Hamilton enfrentaram no GP de Abu Dhabi do ano passado.

Para os líderes de uma corrida com o grupo logo atrás, muitas vezes se encontram presos em um cenário Catch-22. Se eles pararem, os que estão atrás podem ficar de fora. Isso significa que eles perdem a posição de pista e, se não se recuperarem, parece que sacrificaram a liderança por nada. Se eles ficarem de fora, então os que estão atrás vão buscar borracha fresca. Então, se eles perderem na corrida para a bandeira, parece que eles cometeram um erro ao não trocar os pneus.

Lewis Hamilton, Mercedes W13, battles Charles Leclerc, Ferrari F1-75 and Sergio Perez, Red Bull Racing RB18

Lewis Hamilton, Mercedes W13, battles Charles Leclerc, Ferrari F1-75 and Sergio Perez, Red Bull Racing RB18

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

O cenário para Hamilton em Abu Dhabi e Leclerc em Silverstone, e as escolhas que ambas as equipes fizeram para manter seus pilotos fora, foram idênticas. E para Binotto, em última análise, eles estavam certos – embora em ambas as ocasiões isso tenha custado a vitória aos pilotos.

Refletindo sobre as circunstâncias semelhantes, Binotto explicou: “Acho que foi a decisão certa para Lewis.

“Do lado de fora, sim, Max ganhou o campeonato. Mas Max sempre teria feito o oposto? Se ele estivesse à frente [se Hamilton tivesse parado], como ele terminaria a corrida? Nós não sabemos.

“Então, se, em Silverstone, Charles tivesse entrado e Lewis ficado de fora com pneus novos. Como a corrida teria terminado? Não sei.

“Então, mesmo olhando para trás, não sei qual é a resposta. Mas, a propósito, ninguém discute sobre a decisão [Mercedes] na época.

“Todo mundo acredita que pode de alguma forma discutir o que decidimos em Silverstone.”

Sem fraqueza

Refletindo sobre as corridas do início da temporada, enquanto falava antes do GP da Hungria, Binotto disse que mesmo a análise pós-corrida das decisões tomadas não destacou os erros.

“Embora talvez você possa ver Mônaco, Silverstone e Paul Ricard como problemas, não os vejo como problemas, porque acho que às vezes tomamos as decisões certas”, explicou ele.

“Não estou convencido agora de que o que fizemos estava errado. Ainda estou convencido de que tomamos a decisão certa na época. Azar às vezes, mas não errado.

Ferrari mechanics cheer as Charles Leclerc, Ferrari F1-75, crosses the line

Ferrari mechanics cheer as Charles Leclerc, Ferrari F1-75, crosses the line

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

“E acho que se você olhar para nossa equipe de estratégia, às vezes eles estão fazendo coisas ainda melhores, ainda maiores do que as outras.

“Tivemos a estratégia certa na Áustria e os outros não. Tínhamos provavelmente a melhor estratégia na França antes do erro de Charles.

“E acho que isso está mostrando: fomos corajosos o suficiente na França para trazer dois médios na corrida quando os outros tiveram dificuldades. Para fazer isso, você precisa ser não apenas forte, mas corajoso.

“Então, no geral, temos uma boa equipe e não acho que isso seja uma fraqueza para nós.”

PODCAST: É o fim da linha para Ricciardo na F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior RETA FINAL: Binotto faz revelação surpreendente e Wolff com traumas de 2021; veja debate
Próximo artigo F1: GP da Austrália anuncia datas da edição 2023; prova deve ser a terceira da temporada

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil