F1: Horner traz à tona bastidores conturbados da saída de Ricciardo da Red Bull

Situação caminhava para um desfecho feliz, mas um estouro de motor na Alemanha mudou o rumo das conversas sobre renovação de contrato

Daniel Ricciardo, Red Bull Racing and Max Verstappen, Red Bull Racing celebrate in parc ferme

Tendo sido a figura de proa da Red Bull na Fórmula 1 desde sua promoção em 2014 ao lado de Sebastian Vettel, Daniel Ricciardo tomou a decisão no final de 2018 de deixar a equipe austríaca e se juntar à Renault. Mesmo que, em retrospectiva, essa escolha pareça uma aposta que foi amplamente perdida, o contexto na época era menos claro.

Leia também:

Na verdade, a influência do australiano dentro da equipe parecia ser cada vez mais desafiada pelo aumento de poder de Max Verstappen, com quem ele teve uma colisão em Baku e, acima de tudo, havia dúvidas sobre a competitividade do pacote com a Honda como futura fabricante de motores.

Nessas condições, e mesmo que os caminhos que levavam à Mercedes ou à Ferrari fossem rapidamente fechados, as discussões se arrastaram um pouco. No entanto, elas pareciam estar se inclinando para uma renovação, antes de finalmente entrarem em colapso, com Ricciardo optando por se juntar à Renault.

Seguiram-se duas temporadas com apenas dois pódios para a equipe sediada em Enstone e, depois, uma transferência para a McLaren que pode ter terminado com a vitória em Monza em 2021, mas em um mar de desempenhos decepcionantes.

Tanto que a equipe sediada em Woking recrutou Oscar Piastri em 2022 antes de rescindir o contrato de Ricciardo, que ia até o final da temporada de 2023, por meio de um acordo amigável. O australiano, que desde então retornou à Red Bull como terceiro piloto, retomou o serviço depois de seis meses fora, assumindo o lugar de Nyck de Vries na AlphaTauri. 

Questionado sobre o momento em que Ricciardo optou por deixar o ninho, o diretor da Red Bull, Christian Horner, tinha mais a dizer sobre o contexto interno e as condições de sua saída. "Daniel é um cara legal, que recebeu conselhos muito ruins no início da carreira", disse ele no podcast Eff Won. "Todo mundo faz besteira em algum momento e acho que ele reconheceu que cometeu um erro [ao deixar a Red Bull], ele não foi bem aconselhado na época em que saiu e pôde ver que Max estava progredindo, mas provavelmente não percebeu o quão bom ele seria."

Christian Horner, Daniel Ricciardo et Dietrich Mateschitz en 2014.

Christian Horner, Daniel Ricciardo e Dietrich Mateschitz em 2014.

"Naquele momento, ficou claro que Max estava amadurecendo e era possível perceber seu talento bruto, que só precisava de um pouco de polimento, por isso, demos a Max um contrato no início de 2018 para garantir seu futuro. Lembro de que Daniel estava chateado na época e, de repente, sentiu que não queria estar em um papel coadjuvante, e nós sussurramos em seu ouvido que havia dinheiro na mesa."

"Falei com Dietrich [Mateschitz] antes do GP da Áustria e disse: 'Olha, a situação do Daniel está um pouco complicada [em relação à assinatura de um novo contrato], você pode mostrar um pouco de amor por ele? Porque Helmut [Marko] é obviamente muito pró-Max. Apenas equilibre as coisas e diga a ele que você quer que ele fique".

"Então, ele levou Daniel para o andar de cima depois da corrida na Áustria e eles ficaram juntos por mais de uma hora até que ambos reapareceram com sorrisos nos rostos."

"Perguntei a [Mateschitz]: 'O que você combinou com [Ricciardo]?", e ele disse: "Eu disse que vou dar a ele o que damos a Max". Eu disse 'Uau, você sabe quanto pagamos a Max?'".

O que Mateschitz fez para tranquilizar Ricciardo? Simplesmente lhe ofereceu o mesmo salário que Verstappen, de acordo com Horner. "Eu perguntei [a Mateschitz]: 'O que você combinou com ele?', e ele disse: 'Eu disse que daria a ele o mesmo que damos a Max'. Eu disse: 'Uau, você sabe quanto pagamos ao Max? Eu lhe dei o valor e ele disse: "Quem diabos concordou com isso?" e eu disse: "Você".

"Ele me disse: 'Ah, é muito dinheiro, mas ele é um cara legal, então vamos fazer isso, vamos dar a ele o mesmo contrato que o Max'. Então, o agente [de Daniel] se esforçou muito naquele momento, e o contrato foi de dois anos [para 2019 e 2020]."

Contudo, na Alemanha, as coisas mudaram de rumo. “Fomos para a Alemanha para a corrida e lá o motor dele, que era o nosso grande problema na época, explodiu. Tínhamos todos os documentos prontos, mas o empresário dele veio até mim dizendo 'Daniel está muito nervoso com a situação do motor, ele só quer assinar por um ano'.”

“Estávamos prestes a nos mudar para a Honda naquela época. No entanto, fui falar com Mateschitz e disse: 'Se o Daniel só quer um ano, vamos dar-lhe um ano.' Naquela altura havia tudo o que ele queria e, na verdade, iriamos assinar na segunda-feira depois da corrida de Budapeste e antes do teste de terça-feira.”

“Em vez disso, ele não assinou na segunda-feira, não assinou na terça de manhã, não assinou na hora do almoço e eu sabia que depois que a prova terminasse ele teria que ir imediatamente para o aeroporto. Percebi que não cheirava bem.”

O combinado, então, ficou que o agente de Ricciardo concordou em conversas novamente sobre o assunto quando eles chegassem nos Estados Unidos, mas Horner foi surpreendido com uma ligação do próprio australiano.

“Lembro que ele me ligou enquanto eu estava no carro….Ele disse: ‘Acabei de sair do avião, pensei nisso durante todo o voo e decidi que não assinarei o contrato. Nessa altura perguntei se tinha recebido alguma oferta da Mercedes ou da Ferrari e ele me disse: ‘Não, vou assinar pela Renault’.” Fiquei chocado porque ele reclamava do motor há dois anos e depois ia assinar com eles.”

Motorsport Business #5 – GERALDO RODRIGUES: relação com pilotos, experiência com RUBINHO e F1 atual

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

 

Podcast #255 – Qual a nota do GP de São Paulo de 2023, em Interlagos?

 


ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior ANÁLISE: Será que o GP de Las Vegas pode estar à altura do hype criado pela F1?
Próximo artigo Ecclestone critica GP de Las Vegas: "Não tem nada a ver com a F1"

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil