F1: McLaren visa melhorar dois pontos fracos do carro de 2020

Equipe britânica tem como desafios melhorar desempenho em baixa velocidade e tornar o carro menos sensível a rajadas de vento

F1: McLaren visa melhorar dois pontos fracos do carro de 2020

A McLaren teve bons ganhos no ano passado com seu MCL35, e tem grandes esperanças de que uma mudança para os motores Mercedes dê um passo a frente no ritmo nesta temporada.

Mas, além da mudança na unidade de potência, a equipe de Zak Brown diz que o foco principal de seus esforços é melhorar seu carro em duas áreas principais.

Leia também:

O diretor técnico James Key disse que a máquina 2020 da escuderia estava na sua melhor performance em curvas de alta velocidade quando as condições climáticas não eram muito variáveis.

"Acho que nossos pontos fortes têm sido normalmente as curvas de alta velocidade", explicou ele.

“Certamente desde o início da temporada fomos muito competitivos nas curvas de média e alta velocidade.”

“A travagem em linha reta também tem sido outro ponto forte nosso, o que nos beneficiou em algumas pistas - como a Áustria, por exemplo.”

"Acho que em termos de fraquezas, ainda precisamos nos aprimorar um pouco em baixa velocidade. Não é tão fraco quanto era (em 2019), e esse foi um dos grandes empurrões para tentar melhorar, equilíbrio e consistência que tínhamos em certos tipos de curvas de baixa velocidade.

"Então, em algumas condições, o carro não tem um desempenho tão bom quanto gostaríamos - isso em algumas condições meteorológicas ou condições de aderência, que podemos ver nos dados”, reforçou.

Carlos Sainz e Lando Norris sofreram algumas vezes no ano passado em condições de rajadas, pois o MCL35 era suscetível a mudanças bruscas de equilíbrio quando o vento mudava de direção.

Embora não seja fácil chegar ao fundo do problema por meio de simulação, Key diz que a McLaren tem algum entendimento do que precisa se concentrar para obter o máximo das características com seu 2021 MCL35M.

"Tem sido um problema para nós. Achamos que limitamos tudo a uma coisa, que é apenas uma característica do carro que precisamos corrigir.”

"Mas com todas essas coisas, não há solução mágica - você apenas tem que trabalhar nisso. Mas há um elemento de provavelmente ser um pouco mais afetado por isso do que os outros, tanto positiva quanto negativamente, dependendo da direção do vento”, disse.

“Todos os carros, é claro, sofrem com isso. Nossos pilotos disseram que viram carros travando e tendo problemas também (quando está ventando), então acho que afeta a todos.

"Mas, possivelmente, às vezes, quando está na direção errada ou afetou um certo canto de uma certa maneira, teve um efeito pior sobre nós”, concluiu.

 

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

 

LECLERC detalha como PILOTOS trabalham componente FUNDAMENTAL em um carro de F1

PODCAST: Chico Serra esclarece rivalidade com Piquet, amizade com Senna e briga com Raul Boesel

 

compartilhar
comentários
Organização do GP da Austrália vê junho como limite para definir realização da etapa

Artigo anterior

Organização do GP da Austrália vê junho como limite para definir realização da etapa

Próximo artigo

Análise técnica: entenda como o downforce evoluiu na era híbrida da F1

Análise técnica: entenda como o downforce evoluiu na era híbrida da F1
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes McLaren
Autor Jonathan Noble