F1: Mercedes crê que finalmente encontrou receita ideal para carro de 2024

James Allisson e Mike Elliott, responsáveis pela área técnica da equipe, falam sobre “cautela” no atual carro

Lewis Hamilton, Mercedes F1 W14

A Mercedes acha que finalmente alcançou um ponto ideal para seu carro de Fórmula 1 de 2024, depois de não conseguir entrar na janela certa nas últimas duas temporadas.

O fabricante alemão vem passando por um período desafiador desde a mudança para carros com efeito de solo no início da temporada de 2022.

Leia também:

O W13 do ano passado foi prejudicado pelo porpoising, e o esquadrão lutou com uma janela operacional muito pequena para onde seu carro produzia downforce, o que efetivamente o forçou a correr muito perto do solo.

Para o W14 deste ano, a equipe teve como objetivo fornecer downforce em uma faixa muito maior, após o aumento da borda do assoalho em 15 mm.

Mas entende-se que a Mercedes acabou sendo muito cautelosa com sua abordagem de altura. Tendo sido tímida em correr perto do chão, ela se viu correndo muito mais alto do que os outros - o que deixou o desempenho de lado.

Isso foi confirmado pelo diretor técnico James Allison, que esta semana disse que a decisão foi motivada pelo desejo de evitar o risco de problemas com porpoising.

“Embora tenhamos feito grandes progressos no ano passado, 2023 apresentou a todas as equipes uma mudança na regra que ofereceu alguma proteção contra o porpoising”, disse ele. “Durante o inverno, enfrentamos uma escolha. Seja agressivo e troque a proteção contra o porpoising na mudança de regra pelo desempenho, ou tome uma rota mais cautelosa e evite isso que destruiu nossa temporada no ano passado.

"Escolhemos o caminho cauteloso, sabendo que seria menos doloroso corrigir se estivéssemos errados. A história do nosso ano até agora tem sido principalmente sobre descobrir que fomos muito cautelosos e fazer as mudanças para corrigir isso."

A natureza extremamente complicada da geração atual de carros, que depende do aproveitamento de vórtices sob o piso, significa que fazer uma mudança radical na altura significa repensar quase totalmente os mapas aerodinâmicos – algo que não é realmente possível no meio da temporada.

Em vez disso, é algo que a Mercedes sente que só pode ser resolvido durante o inverno, enquanto olha para seu novo carro.

George Russell, Mercedes F1 W14

George Russell, Mercedes F1 W14

Photo by: Zak Mauger / Motorsport Images

E tendo rodado muito baixo em 2022 e muito alto este ano, o chefe técnico Mike Elliott acredita que as coisas foram tratadas adequadamente para seu próximo carro, o W15, em  2024.

Questionado pelo Motorsport.com se ele achava que a Mercedes havia identificado o ponto ideal, Elliott disse: “escolha uma direção e vá em frente.”

"Se você seguir o caminho de dizer que quero desenvolver um carro para alta ou baixa altura, e quero ser capaz de cobrir todas as minhas bases, então, de repente, você estaria fazendo três corridas por semana em cada um e indo a lugar nenhum.

"Então, você tem que escolher uma direção e seguir nela. Então, conforme você aprende, pode ajustar essa direção e movê-la ligeiramente. Gosto de pensar que meio que nos colocamos no lugar certo para o inverno."

Mike Elliott, Technology Director, Mercedes-AMG, in a Press Conference

Mike Elliott, Technology Director, Mercedes-AMG, in a Press Conference

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

Embora a Mercedes esteja dedicando a maior parte de seu foco ao carro de 2024 agora, Elliott disse que isso não a impedirá de desenvolver seu W14 o máximo que puder.

"Acho que ainda podemos aprender e ainda há o segundo lugar para lutar no campeonato", disse ele. “Vamos continuar desenvolvendo, mas obviamente nosso foco principal agora é o carro do próximo ano”.

Elliott não sentiu que manter o trabalho no desenvolvimento do carro deste ano comprometeria os esforços para a próxima temporada, embora se espere que tenha um design muito diferente.

"Fundamentalmente, queremos ganhar campeonatos mundiais", disse ele. "Acho que esse é o nosso foco principal e vamos nos esforçar para fazer isso.

"Acho que quando você tenta desenvolver um carro totalmente novo, quando está fazendo mudanças arquitetônicas, é difícil manter esse ritmo no túnel. Então, na verdade, algumas das corridas que estamos fazendo para o carro deste ano é apenas um aprendizado útil e é um aprendizado útil na pista, sem realmente atrapalhar o carro do próximo ano”.

Qual a DIFERENÇA entre o domínio de Max com a Red Bull e o pico de Hamilton/Mercedes? E a McLaren?

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #242 – O que a F1 2023 tem trazido de positivo, apesar da falta de vencedores diferentes?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Leclerc contraria rumores sobre negociação com Ferrari; saiba
Próximo artigo F1: Quem mais subiu e quem despencou em comparação ao ano passado?

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil