F1: Mercedes não está mais “lutando para sobreviver” com problemático W13

Primeiro passo foi dado na Espanha e competitividade mostrada na Inglaterra deixou a equipe confiante

F1: Mercedes não está mais “lutando para sobreviver” com problemático W13
Carregar reprodutor de áudio

Depois de muito sofrer com o carro desenvolvido para a temporada 2022, principalmente com os saltos, a Mercedes parece ter chegado ao melhor momento com o W13 durante o GP da Grã-Bretanha de Fórmula 1.

A montadora alemã introduziu uma série de mudanças para a corrida em Silverstone, no fim de semana passado, com o objetivo de aproveitar o progresso iniciado na Espanha.

Leia também:

Embora a equipe ainda não tenha ritmo para lutar contra a Red Bull e Ferrari, em termos de igualdade de condições, e claramente ainda tenha problemas em circuitos de rua apertados e esburacados, há um otimismo crescente em relação à virada dos problemas.

Pois, em vez de todo o foco da Mercedes estar na erradicação das quicadas, que provaram ser um motivo de dor para seus pilotos, ainda no começo da temporada, sua mentalidade agora está mudando para o desempenho puro.

O diretor de engenharia da Mercedes, Andrew Shovlin, disse: “Nas primeiras corridas, nós estávamos literalmente lutando para sobreviver e os pilotos lutavam para sobreviver com um carro que era incrivelmente difícil de trabalhar”.

“Mas nós fizemos um trabalho decente marcando alguns pontos e aproveitamos as oportunidades quando os outros não eram confiáveis”.

“Barcelona foi útil para nós porque não estávamos pulando como em todos os circuitos que visitamos. Mas, claramente, uma sequência recente de três pistas de rua destacou outra fraqueza e, para ser honesto, estamos apenas passando por isso: procurando os problemas e aplicando nossas habilidades de engenharia para resolvê-los”.

“Mas eu diria que o caminho que nós queremos seguir agora está ficando cada vez mais claro e isso é encorajador do ponto de vista do desenvolvimento.

“Esta atualização (feita em Silverstone) é a primeira ao longo da linha que começamos a criar em Barcelona”.

Lewis Hamilton, Mercedes W13

Lewis Hamilton, Mercedes W13

Photo by: Dom Romney / Motorsport Images

Embora grande parte do foco sobre o desenvolvimento e o progresso da Mercedes tenha sido em se concentrar no conceito de zeropod, a equipe está decidida que o formato da carenagem superior teve pouca relação nos problemas do início da temporada.

Em vez disso, o principal fator em jogo foi o gerenciamento do fluxo de ar embaixo e ao redor do piso. E, nesses termos, sua abordagem foi reformulada significativamente no GP da Espanha — mesmo que os ajustes não fossem tão visivelmente óbvios.

“Em termos de conceito do carro, nós realmente mudamos muito nosso carro desde que ele foi lançado”, disse ele. “Está se comportando muito, muito diferente de quando foi lançado pela primeira vez, mesmo que se você olhar de longe e pareça balançar bastante semelhante ao que tínhamos no primeiro pacote aerodinâmico, é uma fera bem diferente agora.”

Questionado pelo Motorsport.com se ele realmente considera que a equipe tem um novo conceito desde o lançamento, Shovlin disse: “Acho que sim, mudamos o conceito em Barcelona, ​​talvez em termos de como o carro estava funcionando, para tentar resolver alguns desses saltos.

“E embora nossos problemas com o salto, com razão, tenham gerado muito interesse nas primeiras corridas, porque estávamos na pior extremidade do pelotão, se você olhar para nós aqui [em Silverstone], acho que estamos perto do fim deles.

“Certamente não somos os melhores, mas estamos longe de ser os piores. Então, acho que avançamos. E o que nos resta é um carro um pouco mais rígido do que gostaríamos. Mas é certamente um carro com o qual podemos começar a trabalhar.”

O que parece ser o foco da Mercedes, e é algo que todas as equipes estão perseguindo, é a capacidade de sua nova geração de carros produzir seus níveis máximos de downforce com a maior altura possível. No momento, o W13 roda muito baixo e com uma configuração de suspensão muito rígida para qualquer coisa que não seja as pistas mais suaves.

Shovlin acrescentou: “Desde o primeiro dia com esses regulamentos, o desafio sempre foi gerar downforce no alto.

“Parece que estamos acabando e essa é uma das coisas que gostaríamos de desenvolver. Mas estamos progredindo nessa direção.”

VÍDEO: Rico Penteado fala da genialidade de Alonso e revela drama de Petrov em 2010

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #184 - Felipe Kieling, da Band, revela como foi substituir Mariana Becker na cobertura da F1

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1- Pérez é contra teto salarial de pilotos: “Nós que corremos o risco fazendo o show”
Artigo anterior

F1- Pérez é contra teto salarial de pilotos: “Nós que corremos o risco fazendo o show”

Próximo artigo

F1: Horner ‘corneta’ estratégias de Hamilton e da Ferrari em Silverstone

F1: Horner ‘corneta’ estratégias de Hamilton e da Ferrari em Silverstone