ANÁLISE: O que a saída de Alonso da Alpine significa para o mercado de pilotos da F1

Vaga na Williams e destino de Ricciardo passam ser as grandes incógnitas para o próximo ano

ANÁLISE: O que a saída de Alonso da Alpine significa para o mercado de pilotos da F1
Carregar reprodutor de áudio

Apesar de todas as sugestões de que uma extensão do contrato entre Fernando Alonso e Alpine seria uma formalidade, o mundo da Fórmula 1 foi surpreendido nesta segunda-feira.

Nas últimas duas semanas, Alonso e os principais comandantes da Alpine expressaram confiança de que as coisas seriam resolvidas rapidamente. Alonso disse na quinta-feira que achava que levaria apenas 10 minutos de conversa para resolver as coisas.

Leia também:

Essa parte provavelmente era verdade. Pode não ter levado nem 10 minutos para ele dizer: “Pessoal, estou fora”.

Não se preocupe com isso: esta é uma grande jogada na chamada silly season da F1. O assento da Aston Martin liberado por Sebastian Vettel sempre seria a chave para o mercado, atraindo uma variedade de nomes. Alonso estava naturalmente no meio, tendo conversado com Lawrence Stroll sobre um acordo antes de seu retorno à F1 com a Alpine em 2021. Poucos poderiam esperar que as coisas fossem tão rápidas, particularmente a Alpine.

Perder um piloto com a experiência e o calibre de Alonso é um grande golpe para a equipe francesa. Pelo valor de face, parece resolver o problema sobre o que fará com Oscar Piastri.

A Alpine está presa em um clássico enigma de “três pilotos em dois lugares” que muitas equipes de F1 enfrentaram no passado. Tinha Esteban Ocon em um contrato longo, Alonso com bom desempenho e o piloto reserva Piastri esperando nas asas com um recorde nas categorias de acesso de dar inveja a qualquer um no grid da F1.

O CEO da Alpine, Laurent Rossi, disse na França que estava confiante de que Alonso e Piastri correriam na F1 no próximo ano, indicando que Alonso permaneceria no lugar e que Piastri seria emprestado. A Williams era o destino esperado para o jovem australiano, substituindo Nicholas Latifi, mas com o passar do tempo, a McLaren também estava surgindo como um possível local de pouso no caso de Daniel Ricciardo sair no final da temporada.

Ficou claro desde o início que a Alpine não queria perder Piastri. Rossi enfatizou que seria apenas emprestá-lo para outra equipe, não deixá-lo ir completamente - algo que teria acontecido se não conseguisse uma vaga na F1 para 2023. Sua fé em seu futuro é total.

Alpine has lost the headache of trying to fit three drivers into two F1 race seats

Alpine has lost the headache of trying to fit three drivers into two F1 race seats

Photo by: Alpine

Por mais que a Alpine não quisesse perder Alonso, ter Piastri no bolso daria algum apoio nas negociações. Se Alonso tivesse ido aos chefes da Alpine e usado o interesse da Aston Martin como alavanca para um acordo melhor, é improvável que houvesse o mesmo medo de como seria a vida sem Alonso. Piastri resolveria esse problema.

Ou assim parece. O fato de as negociações terem se arrastado por tanto tempo levou a alguns pontos de interrogação sobre o futuro de Piastri e Alpine juntos, e se isso pode ter aberto a porta para outra equipe entrar e prendê-lo, já que seu acordo continha várias cláusulas sensíveis ao tempo. Houve cada vez mais rumores no fim de semana da Hungria de que a McLaren poderia ser uma opção no caso de Ricciardo sair, ou potencialmente até 2024. Se a Alpine estava tão confiante de que Alonso continuaria, Piastri já poderia ter escapado?

Enquanto Piastri ainda estiver em suas mãos, a prioridade para Alpine será colocá-lo no grid e começar a construir um futuro pós-Alonso a longo prazo. Uma formação Ocon/Piastri pode não ter a experiência ou o poder que Alonso tem, mas não há como negar que é uma perspectiva empolgante. A Alpine também finalmente atingirá seu objetivo de colocar um de seus juniores em um assento oficial, mesmo que seja mais cedo do que teria previsto apenas algumas semanas atrás.

Mas o efeito indireto no mercado de pilotos vai muito além de Alonso indo para a Aston Martin e Piastri conseguindo uma chance com a Alpine como resultado. Na verdade, a Alpine pode não ser a única equipe a ter a chance de lucrar com um jovem piloto que apoiou e agora pode planejar a longo prazo.

Para a Williams, trazer Piastri emprestado da Alpine pode ter sido bom em muitos aspectos, dando uma chance a um jovem piloto brilhante. No entanto, também não fazia sentido se ajudar a desenvolver Piastri apenas para ele sair em um ano ou dois.

Se a Williams queria olhar para o longo prazo e investir em seu próprio talento, então Logan Sargeant, o principal membro de sua academia de pilotos que atualmente ocupa o terceiro lugar na classificação da Fórmula 2, era uma escolha mais sensata. Sargeant perdeu o título de F3 para Piastri em 2020 por apenas quatro pontos e se recuperou de contratempos financeiros para impressionar em sua campanha de estreia na F2 este ano.

O chefe da Williams, Jost Capito, reconheceu na França que seria uma “boa dor de cabeça” se Sargeant se tornasse uma opção para uma vaga na F1 no próximo ano. Francamente, para uma equipe que procura construir para o futuro, e que tem proprietários americanos, colocar um jovem piloto americano no grid pode ser a melhor jogada que eles podem fazer.

Could Sargeant be in line at Williams for 2023?

Could Sargeant be in line at Williams for 2023?

Photo by: Williams

Outro candidato para a Williams seria Nyck de Vries, que foi considerado para este ano, antes de finalmente contratar Alex Albon como parceiro de Latifi. De Vries é altamente bem avaliado por Capito, mas aos 27 anos, ele pode ter menos força do que Sargeant, aos 21, e não tem o impulso comercial de colocar um piloto americano no grid, o que também teria grande apelo para a F1.

Assim como no ano passado, após a mudança de George Russell para a Mercedes, o assento aberto da Williams é aquele que pode ser bastante poderoso em uma silly season e não precisa ser preenchido imediatamente. Sargeant ainda precisa obter os pontos de superlicença da F1 necessários, mas o conseguirá se permanecer na disputa pelo título, e se você é um piloto que precisa de um assento, pode ser uma opção.

É pela mesma razão que a confirmação de Alonso pela Aston Martin significa que as coisas também podem ter mudado um pouco para Ricciardo. O australiano foi claro em seu compromisso de cumprir seu contrato de três anos com a McLaren que expira no final da próxima temporada, mas o comentário de Zak Brown em maio sobre “mecanismos” dentro de seu contrato que permitem uma saída antecipada, os links para Piastri e a enxurrada de pilotos da Indy assinados com a equipe pouco fez para acabar com as dúvidas sobre seu futuro.

A melhor jogada de Ricciardo, sem dúvida, é não se mexer. Mas se as coisas chegassem a um ponto em que uma troca fosse a única opção, então a Aston Martin teria sido um ponto de pouso viável? É improvável. Apesar de todo o seu talento e sucesso, Ricciardo não se encaixava na imagem que a Aston Martin vinha perseguindo com sua equipe sob a propriedade de Stroll. Se o compromisso de ambos os lados de fazer funcionar para Ricciardo em Woking for concreto, a jogada de Alonso não mudará nada. Mas no caso de ele se separar da McLaren, agora há uma opção a menos na mesa.

No espaço de alguns dias, um grande piloto da F1 pendurou o capacete e outro se comprometeu com mais alguns anos no grid.

As decisões terão enormes ramificações no mercado de pilotos e já deram uma reviravolta na temporada - assim como o paddock planejava colocar os pés para cima durante as férias de verão.

VÍDEO: Vettel anuncia adeus à F1 no fim de 2022

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #187 – Marko está certo ao colocar Verstappen como “a maior história de sucesso da Red Bull”?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Alonso deixa Alpine e assina com Aston Martin para correr a partir de 2023
Artigo anterior

F1: Alonso deixa Alpine e assina com Aston Martin para correr a partir de 2023

Próximo artigo

F1: Veja como está o grid para temporada de 2023

F1: Veja como está o grid para temporada de 2023