F1: Ondulações em Austin "parecem piores" que em 2019 e devem complicar GP dos EUA, diz Gasly

Assunto voltou à tona após passagem da MotoGP no início do mês, com pilotos dando ultimato à Dorna sobre continuidade do GP das Américas

F1: Ondulações em Austin "parecem piores" que em 2019 e devem complicar GP dos EUA, diz Gasly

Os pilotos da Fórmula 1 devem se preparar para um final de semana "complicado" no GP dos Estados Unidos, com as ondulações no Circuito das Américas podendo forçar as equipes a seguirem decisões distintas com os ajustes, reconhece Pierre Gasly.

As ondulações em Austin tem sido um assunto presente durante toda a passagem da F1 lá, com a instabilidade no terreno onde o circuito foi construído levando a uma superfície desigual.

Leia também:

Enquanto a direção confirmou que está trabalhando para melhorar a situação, as ondulações no local foram um dos pontos focais das críticas dos pilotos da MotoGP em sua passagem no início do mês, inclusive ameaçando de não correr lá em 2022 se o problema não for resolvido.

Após os problemas da MotoGP, o diretor de provas da F1, Michael Masi, revelou que está em contato com o circuito e questionando o que poderia ser feito para minimizar o impacto.

Mas com a dificuldade de erradicar completamente o problema, Gasly acredita que o final de semana em Austin pode ser particularmente difícil, especialmente porque as ondulações já estavam ruins na última visita da F1, em 2019.

"Acho que pode ser um final de semana complicado. Tendo visto a MotoGP há algumas semanas, as ondulações já estavam ruins na última vez que estivemos lá, mas agora parecem ainda piores".

"Será necessário algum tipo de ajuste, mas não saberemos até chegar lá. Não estou muito preocupado com isso, porque nosso carro está funcionando bem em todos os lugares no momento e temos apenas que evitar problemas que podem estar à espreita, para que possamos nos aproximar da Alpine no Mundial".

A scenic view of the circuit

A scenic view of the circuit

Photo by: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Em 2019, essas ondulações levaram ao abandono de Sebastian Vettel no GP. Ao passar por uma, a suspensão da Ferrari do alemão quebrou, impossibilitando sua continuidade na etapa.

Recentemente, o circuito foi visitado por Tony Cotman, que supervisionou o design de diversos circuitos da Indy. Sua vistoria foi feita em nome da FIA. Segundo Masi, o trabalho para resolver as ondulações estava para ser iniciado, visando uma conclusão a tempo do GP.

"O que fizemos é que, desde o evento da F1 em 2019, uma grande parte do circuito foi recapeada para conter alguns dos problemas vistos", disse Masi. "As áreas que os pilotos da MotoGP reclamaram foram outras. E Tony Cotman, que é um dos melhores inspetores de circuitos da FIA, já foi a Austin nessa semana fazer um relatório".

"O circuito está fazendo algumas mudanças, para resolver parte das preocupações. Temos tempo para isso, então veremos o que será possível fazer".

F1: Entenda como CALENDÁRIO de 2022 se tornou o mais INSANO e DESAFIADOR para equipes e pilotos

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #138 – Red Bull não sabe o que fazer contra Mercedes após GP da Turquia?

 

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Organização do GP da Austrália confirma evento em 2022, 'última chance' do país
Artigo anterior

F1: Organização do GP da Austrália confirma evento em 2022, 'última chance' do país

Próximo artigo

Conheça regras de conduta e vestimenta que F1 deverá seguir na Arábia Saudita

Conheça regras de conduta e vestimenta que F1 deverá seguir na Arábia Saudita
Carregar comentários