Fórmula 1
06 mai
Próximo evento em
58 dias
20 mai
Próximo evento em
72 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
86 dias
10 jun
Próximo evento em
93 dias
24 jun
Próximo evento em
107 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
114 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
128 dias
29 jul
Próximo evento em
142 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
170 dias
02 set
Próximo evento em
177 dias
09 set
Próximo evento em
184 dias
23 set
Próximo evento em
198 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
205 dias
07 out
Próximo evento em
212 dias
21 out
Próximo evento em
226 dias
28 out
Próximo evento em
233 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
269 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
278 dias

F1: Presidente da Ferrari admite melhora da equipe e luta por vitórias só a partir de 2022

Elkann afirmou que o certo é ser transparente com os fãs, deixando claro que, com as limitações de desenvolvimento, a Ferrari já pensa no próximo ciclo

compartilhar
comentários
F1: Presidente da Ferrari admite melhora da equipe e luta por vitórias só a partir de 2022

Na temporada 2020 da Fórmula 1, a Ferrari ficou distante das rivais Mercedes e Red Bull devido a problemas com o SF1000 e a atual unidade de potência da montadora. E com os modelos atuais sendo mantidos para o próximo ano, o presidente-executivo da Ferrari, John Elkann, não prevê a bandeira italiana no topo do pódio novamente antes de 2022.

Apesar da Ferrari ter anunciado uma reestruturação de seu departamento técnico visando acelerar a melhora do carro, a montadora não está iludida pensando que poderá voltar a disputar vitórias com o modelo atual.

Leia também:

O congelamento dos carros atuais foi introduzido durante a paralisação, como forma de reduzir os gastos das equipes, visando a saúde financeira do mundial a curto e médio prazo.

O presidente-executivo da Ferrari, John Elkann, falando com o jornal italiano Gazzetta dello Sport sobre o ritmo da Ferrari, sugeriu que a situação da equipe não deverá mudar antes da entrada do novo regulamento, em 2022, sendo o momento para visar uma volta ao topo.

"A Ferrari está passando por um período difícil que começa lá atrás", disse. "Não ganhamos um Mundial de Construtores desde 2008 e um de Pilotos desde 2007. Nesse período tivemos o ciclo da Red Bull, graças à capacidade aerodinâmica deles e agora a Mercedes pela grande habilidade com tecnologias híbridas de motores".

"Neste ano, não somos competitivos devido à erros no projeto. Tivemos várias fraquezas estruturais que já existiam há algum tempo na aerodinâmica e na dinâmica do veículo. E também perdemos potência no motor".

"A realidade é que nosso carro não é competitivo. Vocês viram isso na pista e verão novamente. Hoje, estamos criando a fundação para voltar a sermos competitivos e vencer quando as regras mudarem, em 2022. Estou convencido disso".

Elkann sugeriu que o congelamento do chassi, que evita mudanças maiores nos carros nos próximos dois anos, é um dos principais fatores que impedem a recuperação da equipe. Perguntado sobre o quanto isso prejudica a Ferrari, ele disse: "Muito, já que começamos mal".

"Precisamos ser realistas e cientes dos problemas estruturais que temos há uma década, e que a transição para motores híbridos acentuou. Recebemos a confirmação das novas regras para 2022, porque acreditamos que é possível uma competitividade maior na F1".

"Não vamos o teto orçamentário como uma restrição para nossa habilidade de vencer. Aceitamos como um desafio. Nossos engenheiros, mecânicos e pilotos encontrarão força e criatividade dentro desses limites para levantar a Ferrari novamente. Nos últimos 10 anos, nunca tinha visto um espírito tão coeso e forte".

Apesar da visão de Elkann sobre o tempo que levará para a Ferrari se recuperar não ser o que os fãs querem ouvir, ele diz que é importante a transparência da equipe sobre a situação.

"Os fãs sofrem até mais que nós, mas sabemos que eles estão próximos. É por isso que é importante sermos honestos com eles. Estamos diante de um longo caminho. Quando Jean [Todt] abriu o ciclo histórico em 2000, vínhamos de um jejum de mais de 20 anos. Levou um tempo para ele encontrar o sucesso depois de chegar em Maranello em 1993".

"O importante é trabalhar dentro e fora das pistas, de modo coeso, construindo a Ferrari que queremos, passo a passo".

Elkann também enfatizou que ele tem total fé em Mattia Binotto, apesar dos problemas no início da temporada.

"Confiança total. Porque Binotto, que assumiu o fardo da equipe há um ano, tem todas as habilidades e características para iniciar um novo ciclo vencedor. Ele estava na Ferrari com Todt e Michael. Ele sabe como vencer e, a partir do próximo ano, terá dois pilotos que são jovens e ambiciosos como nós".

VÍDEO: Para Massa, "Hamilton tem bom coração, mas não é feliz"; assista à análise

PODCAST: O debate de fãs e 'haters' sobre domínio de Hamilton

 

Cancelamento de GP do Brasil de F1 não muda situação contratual e país pode ficar sem categoria já em 2021

Artigo anterior

Cancelamento de GP do Brasil de F1 não muda situação contratual e país pode ficar sem categoria já em 2021

Próximo artigo

McLaren confirma acordo de patrocínio com Gulf Oil, reeditando parceria histórica

McLaren confirma acordo de patrocínio com Gulf Oil, reeditando parceria histórica
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Scuderia Ferrari
Autor Jonathan Noble