F1: Russell admite que ficou frustrado ao ver Norris e Albon à sua frente em 2019

Britânico não escondeu frustração em ficar no fim do grid no ano de estreia na categoria após vencer a Fórmula 2; e os companheiros; na temporada anterior

George Russell, Williams Racing FW42, leads Lando Norris, McLaren MCL34

A temporada de 2019 apresentou uma bela safra de estreantes na Fórmula 1: George Russell, Lando Norris e Alexander Albon desembarcaram na elite do automobilismo depois de terem monopolizado o top três da F2 no ano anterior.

Leia também:

No entanto, esses três pilotos tiveram 'sortes' distintas para seus primeiros passos na elite. Lando Norris tinha um carro sólido de meio de tabela com a McLaren, enquanto Albon, convincente em sua primeira metade de temporada na Toro Rosso, foi imediatamente promovido à Red Bull no lugar de um decepcionante Pierre Gasly.

Por outro lado, Russell assinou um contrato de três anos com a Williams. O protegido da Mercedes passou todo 2019 no fundo do grid, numa equipe que nem sequer estava preparada para os primeiros testes de inverno e não esconde ter tido dificuldades em aceitar sua realidade.

“Foi uma temporada realmente única no meu primeiro ano na Fórmula 1: entrei na Williams, uma equipe que estava à beira da falência”, comentou Russell ao High Performance Podcast. "Todo fim de semana de GP, a equipe não se preocupava com o desempenho, mas com a sobrevivência. Os 800 empregos estavam em jogo."

"Não há dúvida de que quando cheguei à primeira corrida na Austrália estava na Fórmula 1 - havia realizado meu sonho - mas quando entrei na pista estávamos quatro segundos atrás, o carro estava caindo aos pedaços e éramos dois ou três voltas mais lentos. Agora você se pergunta se esse é o sonho! Mas acho que sempre tive um ponto de vista bastante racional. Ver Alex subir ao pódio com um Red Bull e ser a estrela, até certo ponto, assim como Lando conquistando pontos, foi um pouco difícil de digerir. Porque eu tinha acabado de vencê-los na Fórmula 2."

Desde então, a estrutura de Grove foi vendida para a Dorilton Capital pela família Williams e está em uma posição financeira mais saudável, embora continue sendo a última força de puro desempenho até hoje. Russell, por outro lado, garantiu um lugar na Mercedes, onde impressionou ao superar o temível companheiro de equipe Lewis Hamilton no mundial de pilotos de 2022.

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #212 – Polêmica: as verdades inconvenientes sobre a F1

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 - Wolff minimiza rigidez de nova regra da FIA sobre manifestações dos pilotos: "Esporte não está aqui para fazer política"
Próximo artigo F1: Williams desmente possível parceria com Porsche para 2026

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil