F1: Villeneuve diz que Sainz é o verdadeiro perigo a Leclerc

Na véspera de 50º aniversário, campeão mundial de 1997 disse que a Ferrari está melhor do que há um ano e alerta sobre a ameaça que espanhol representa a monegasco

F1: Villeneuve diz que Sainz é o verdadeiro perigo a Leclerc

Jacques Villeneuve atualmente mora na Itália e compete na Nascar Euro Series com a equipe de Alex Caffi. Campeão Mundial da Fórmula 1 em 1997, ele completa 50 anos nesta sexta-feira e não tem problemas em chegar ao meio século de vida: “Por enquanto é um número. O envelhecimento não é problema”, afirmou o canadense ao Corriere della Sera.

Ele venceu a Indy 500 em 1995 e dois anos depois foi coroado na F1, mas admite que tem um problema por não ter conseguido vencer as 24 Horas de Le Mans, quando correu com a Peugeot. “Com isso, eu teria a Tríplice Coroa, coisa que só Graham Hill conseguiu.”

Leia também:

Villeneuve falou ao jornal italiano como era difícil ser filho de Gilles Villeneuve: “O problema era não ser considerado filho de Gilles, eu tinha orgulho disso. É que eles ficaram com raiva quando eu disse que não estava correndo para continuar o sonho de meu pai. Resolvi então não falar mais sobre isso, pois era impossível falar a verdade. Meu pai me apresentou ao automobilismo, mas corri porque queria, não para continuar o que foi interrompido.”

Em sua estreia na F1 em 1996, ele alcançou a pole position e um segundo lugar com a Williams. Liderando a equipe estava Sir Frank Williams, de quem Jacques lembra com carinho: "Um grande personagem. Ele sabia como fazer tudo funcionar, mas se você não se dava bem, ele acabaria com você em dois segundos. Apenas as corridas e sua equipe contavam, mas ele tinha muito respeito por quem venceu.”

Falando sobre a luta que teve com Michael Schumacher e a Ferrari pelo título de 1997, ele disse que o desafio daquele ano não foi mesmo contra a escuderia, mas contra o piloto alemão, que conquistou o título na última corrida em Jerez, depois de um toque que custou ao alemão todos os seus pontos .

“Michael foi atrás de mim e isso me ajudou a vencer. Não posso ficar com raiva, embora, como na escola, sempre haja alguém com quem você nunca vai se dar bem. Foi uma luta de lobos, ele era o lobo mais forte e eu venci.”

“Michael era muito mais importante do que a Ferrari, porque eles não eram o time a ser batido naquele ano. Michael era. Ele havia construído uma equipe em torno dele."

Villeneuve analisou também o estado atual da Scuderia e está bastante convencido de que estão "melhores que no ano passado". E mandou um aviso a Leclerc : “Para Charles, o verdadeiro perigo é Sainz . Porque o Carlos nunca esteve numa equipe tão importante: cresceu com o tempo, chega com determinação e experiência, está habituado a enfrentar companheiros rápidos. Ele é um piloto frio e estudioso e pode ser muito chato para Charles."

Em relação a Hamilton, que quer o oitavo campeonato mundial, ele não ousa dizer se é melhor piloto do que Senna e Schumacher. Na verdade, ele expressa suas dúvidas: “Não sei. Michael e Ayrton venceram com carros que não tinham potencial para vencer, em situações difíceis, sem o apoio da equipe. Lewis, por outro lado, sempre dominou com o melhor carro e com suporte interno. Temos que vê-lo sem essas duas condições.”

TRETA entre Hamilton e Russell? Notícia que circula é VERDADEIRA ou FALSA?

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Um sorriso mesmo sem vitória? Quais são os pilotos mais carismáticos da F1, mas sem grandes resultados?

 

compartilhar
comentários
Estrategista da Mercedes: "O que Hamilton faz em 2 voltas, Rosberg precisava de 1000"
Artigo anterior

Estrategista da Mercedes: "O que Hamilton faz em 2 voltas, Rosberg precisava de 1000"

Próximo artigo

F1: Red Bull avalia nova solução técnica para derrotar Mercedes em Ímola

F1: Red Bull avalia nova solução técnica para derrotar Mercedes em Ímola
Carregar comentários