F1: Wolff explica "não" da Mercedes à Red Bull sobre fornecimento de motores

compartilhar
comentários
F1: Wolff explica "não" da Mercedes à Red Bull sobre fornecimento de motores
Por:
, Editor

Fala do chefe da equipe representa uma mudança de visão, já que em 2015 a Mercedes estava disposta a estabelecer parceria com a Red Bull

Após o anúncio de saída da Honda da Fórmula 1 no final de 2021, a Red Bull está atrás de uma nova fornecedora de motores para 2022, o que a Mercedes já disse não. Segundo Toto Wolff, uma falta de capacidade e benefícios reduzidos de marketing ajudam a explicar a decisão por trás de sua oposição a essa parceria.

A declaração de Wolff foi feita durante o final de semana do GP de Eifel, deixando Ferrari e Renault como as únicas opções entre as montadoras que já estão envolvidas com a F1.

Leia também:

Mas a Red Bull afirmou recentemente que sua opção preferida seria assumir o programa da Honda, produzindo seus próprios motores, dependendo apenas de um regulamento que determine o congelamento das unidades do início ao fim da temporada.

O chefe da Mercedes já havia se mostrado aberto a trabalhar com a Red Bull em 2015, quando a equipe buscava encerrar o relacionamento com a Renault. As discussões chegaram até a diretoria da montadora, onde o plano foi rejeitado.

Perguntado pelo Motorsport.com sobre o que havia mudado desde 2016, Wolff explicou que um acordo agora não apenas teria benefícios reduzidos de marketing, mas também esticaria além da capacidade a divisão da Mercedes de unidades de potência, que já fornecerá motores para si própria e outras três equipes a partir do próximo ano.

"Lá atrás, a ideia era ter Mercedes e Red Bull trabalhando juntas no marketing. Estávamos interessados na plataforma da Red Bull, que é uma marca super legal e inovadora".

"Foi o que disse para Christian [Horner], e se pudéssemos encontrar uma aliança entre as duas marcas, além de apoio na diretoria da Daimler, isso poderia virar realidade. Mas nunca aconteceu".

"Hoje, é simplesmente uma questão de capacidade. Essas unidades são muito complicadas. Estamos em uma situação em que não podemos seguir expandindo, e isso vale para todos na Daimler".

"De um ponto de vista logístico e de custos, não é possível fornecer motores para a Red Bull. E de um ponto de vista de marketing, as montadoras atuais não se beneficiam muito ao trabalhar com as equipes".

"É por isso que compramos uma equipe e não seguimos apenas como fornecedora, e acho que estamos colhendo os louros de ter uma equipe".

"Agora, não é mais nossa prioridade fornecer motores. Construímos ele e corremos em nossos carros, e obviamente para refinanciar esses gastos, fornecemos para clientes".

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

CEO da F1 cita outros esportes e diz que categoria não pode usar “camisa de força” contra mudanças

PODCAST: Recordes de Hamilton e Schumacher são comparáveis?

 

Bottas: "Quando estou no meu melhor, sei que posso ser melhor do que Hamilton"

Artigo anterior

Bottas: "Quando estou no meu melhor, sei que posso ser melhor do que Hamilton"

Próximo artigo

CEO da F1 fala sobre calendário "mais próximo do normal" em 2021

CEO da F1 fala sobre calendário "mais próximo do normal" em 2021
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Red Bull Racing , Mercedes
Autor Luke Smith