Hamilton diz que demissão de Masi ainda não é suficiente para recuperar confiança na F1

Heptacampeão reiterou que processo de 'reconciliação' é longo, mas elogiou primeiros passos da FIA em sua reestruturação

Carregar reprodutor de áudio

Lewis Hamilton revelou que levará algum tempo para ele reconstruir sua confiança na FIA, depois de admitir que "perdeu a fé no sistema" no ano passado. Falando em público pela primeira vez desde o final da temporada de 2021 de Fórmula 1, quando perdeu o título após uma chamada do ex-diretor de provas, Michael Masi, o britânico disse que seu amor pelo esporte foi prejudicado pelos eventos.

Embora tenha negado que chegou perto de considerar a aposentadoria, ele admitiu que as coisas foram difíceis para ele processar.

Leia também:

"É claro que no final de cada temporada você pensa se está disposto a comprometer o tempo e esforço necessários para ser campeão", disse Hamilton após a apresentação do W13, novo carro da Mercedes para 2022. "Acho que muitas pessoas subestimam o que é preciso para chegar lá. Há muitas coisas, não é só aparecer e pilotar o carro."

"A questão é: você quer sacrificar o tempo? Acredita que pode continuar mantendo o peso que está batendo? Esse é um tipo normal de processo mental para mim."

"E é claro que foi agravado por um fator significativo. Acho que, no final das contas, com um esporte que amei toda a minha vida, houve um momento em que obviamente perdi um pouco de fé no sistema."

"No entanto, sou uma pessoa muito determinada. E eu gosto de pensar que enquanto momentos como esse podem definir carreiras, eu me recuso a deixar isso definir a minha. Então, foco em ser o melhor que posso ser e voltar mais forte."

Mercedes W13

Mercedes W13

Photo by: Mercedes AMG

Questionado pelo Motorsport.com se as mudanças que a FIA anunciou esta semana – incluindo a substituição de Masi e a criação de um sistema de suporte de controle de corrida virtual – foram suficientes para trazer sua fé de volta, Hamilton disse que queria ver mais.

"Coloco fé e confiança lado a lado", disse ele. "Portanto, a confiança pode obviamente ser perdida em um piscar de olhos ou no movimento de um dedo, mas ganhar é algo que se constrói ao longo do tempo. Então, embora eu não tenha previsto isso, este primeiro anúncio de ontem é talvez um primeiro passo, mas não necessariamente muda tudo ainda."

"Temos que ver a ação real e acho que demorará um pouco, mas não estou realmente focado necessariamente nessa área por agora. Estou apenas focando absolutamente toda a minha energia para garantir que eu seja o melhor que você já viu."

Hamilton sugeriu que a chave para ele era ver que a FIA cumpriu a consistência em sua decisão que muitos sentiram que faltou em 2021.

"Embora não possamos mudar o passado, e nada realmente será capaz de mudar a maneira e como me senti na época, e como me sinto sobre a situação, é bom ver que a federação está tomando medidas", comentou. "Acho que a responsabilidade é fundamental. E temos que usar esse momento para garantir que isso nunca mais aconteça com mais ninguém no esporte."

"Saudamos tudo o que foi dito pela FIA, mas temos que nos certificar de que estejamos atentos e garantir que realmente vejamos essas mudanças, e que as regras sejam aplicadas de maneira justa, precisa e consistente", concluiu.

Masi DEMITIDO (e quem substitui), Ferrari REVOLUCIONÁRIA e NOVO CHEFE da Alpine: dia de BOMBAS na F1

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #162: Quais outras rivalidades podem implodir na F1 em 2022?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
Vencedor da Indy 500 elogia traçado do GP de Miami de F1, que terá 'resort' como atração especial
Artigo anterior

Vencedor da Indy 500 elogia traçado do GP de Miami de F1, que terá 'resort' como atração especial

Próximo artigo

F1: Circuito das Américas renova contrato por mais cinco anos

F1: Circuito das Américas renova contrato por mais cinco anos