Pérez: As pessoas subestimam o desafio que é trocar de equipe na F1

Mexicano falou sobre as dificuldades de adaptação ao carro da Red Bull, por ser completamente diferente ao que tinha na Racing Point

Pérez: As pessoas subestimam o desafio que é trocar de equipe na F1
Carregar reprodutor de áudio

Sergio Pérez afirmou que as pessoas subestimam o quão difícil é trocar de equipe na Fórmula 1, após um ano complicado na estreia com a Red Bull depois de várias temporadas com a Racing Point.

O mexicano foi um de vários pilotos que trocaram de equipe em 2021, junto de Daniel Ricciardo, Carlos Sainz e Sebastian Vettel. A tônica do ano de boa parte destes foi a necessidade de um período maior de adaptação para extraírem o máximo do novo equipamento, particularmente Ricciardo, que sofreu a bordo da McLaren MCL35M.

Leia também:

Pérez, que foi contratado pela Red Bull no final de 2020 para correr ao lado de Max Verstappen, também precisou de um tempo para se acostumar à filosofia do carro da equipe austríaca.

Ele viu ao longo do ano que as pessoas subestimam demais o quão diferentes os carros são e como se comportam, dizendo que mesmo os pilotos subestimam o tamanho do choque que pode representar a troca de equipes e até mesmo de fornecedor de motores.

"Sim, claro. Mesmo como piloto você subestima essas coisas até que passa a vivenciá-las. Mas pilotar com uma unidade de potência diferente, é uma outra tarefa. Guiar carros de filosofias opostas, alto rake versus baixo rake, é uma tarefa completamente diferente. E o modo como você aborda as coisas são muito distintas".

Sergio Perez, Red Bull Racing RB15 Mule

Sergio Perez, Red Bull Racing RB15 Mule

Photo by: Jerry Andre / Motorsport Images

Pérez disse ainda que precisou 'desaprender' o que fazia antes e treinar novas técnicas de pilotagem para tirar o máximo da Red Bull, algo que levou vários meses.

"Você precisa aprender novas técnicas. Basicamente, o que eu fazia antes, nada funcionava aqui. Seria o mesmo com Max se ele fosse para a Mercedes. São muito diferentes. Eles produzem tempos de volta similares, mas o modo como eles tiram esses tempos são extremamente diferentes".

Quando questionado pelo Motorsport.com sobre o quão diferente será sua abordagem neste ano após uma temporada com a Red Bull, Pérez diz que faz uma "grande diferença" já ter a experiência e estar familiarizado com a equipe.

"Já temos uma base que podemos trabalhar e melhorar, então faz muita diferença. Já conheço as pessoas. Já sei para quem posso perguntar e como tirar o máximo de quem está ao meu redor. É uma situação muito diferente".

TELEMETRIA DE FÉRIAS (Parte 2): Rico Penteado aponta favoritos para 2022

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #158 – TELEMETRIA DE FÉRIAS: Rico Penteado explica novo carro da F1

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST:

compartilhar
comentários
TELEMETRIA DE FÉRIAS: Rico Penteado aponta favoritos para 2022
Artigo anterior

TELEMETRIA DE FÉRIAS: Rico Penteado aponta favoritos para 2022

Próximo artigo

F1: GP da Austrália é confirmado e organização quer evitar problemas como o de Djokovic no Aberto de Tênis do país

F1: GP da Austrália é confirmado e organização quer evitar problemas como o de Djokovic no Aberto de Tênis do país
Carregar comentários