Vettel anuncia aposentadoria da F1 no final de 2022

Com isso, abre-se uma cobiçada vaga no grid de 2023 na Aston Martin

A Fórmula 1 perderá mais um multicampeão do grid ao final da temporada 2022. O tetracampeão Sebastian Vettel anunciou no início desta quinta-feira sua aposentadoria do esporte, em seu recém-criado perfil no Instagram, dias antes do GP da Hungria.

Vettel estreou na F1 em 2007, tendo um pico de sua carreira nos anos com a Red Bull, vencendo consecutivamente seus títulos entre 2010 e 2013. Em 2015, ele foi para a Ferrari antes de se juntar à Aston Martin, sua equipe atual, em 2021.

Leia também:

A notícia mexe consideravelmente com o mercado de pilotos da F1 para o próximo ano, abrindo uma vaga na Aston Martin ao lado de Lance Stroll.

"A decisão de aposentar foi difícil para mim, e eu passei muito tempo pensando sobre isso", disse Vettel em um comunicado divulgado na Aston Martin. "No fim do ano, quero tirar um tempo para refletir sobre no que eu focarei no próximo ano; é muito claro para mim que, como pai, quero passar mais tempo com minha família".

"Mas hoje não é sobre adeus. Na verdade, é sobre dizer obrigado, a todos, não somente os fãs, que, sem sua paixão, a F1 não existiria".

O anúncio público de Vettel sobre sua aposentadoria foi feito através de um vídeo publicado em seu perfil oficial no Instagram, criado na última quarta-feira (27). Assista abaixo e confira a tradução na sequência:

 

"Eu amo esse esporte. É uma parte central da minha vida desde que me lembro, mas apesar de haver muita vida na pista, há minha vida fora dela também. Ser um piloto nunca foi minha única identidade. Eu acredito muito em identidade: quem somos e como tratamos outros, e não o que fazemos".

"Quem sou eu? Sou Sebastian. Pai de três crianças, marido de uma linda mulher. Sou curioso e facilmente fascinado por pessoas apaixonadas ou habilidosas. Sou obcecado com perfeição, sou tolerante e sinto que todos temos os mesmos direitos à vida, independente de como somos, de onde viemos e quem amamos".

"Amo estar do lado de fora. Amo a natureza e suas maravilhas. Sou teimoso e impaciente. Posso ser realmente irritante. Gosto de fazer as pessoas rirem, gosto de chocolate e o cheiro de pão fresco. Azul é minha cor favorita. Acredito em mudanças, e progresso, e que um pouco faz diferença. Sou otimista e acredito que as pessoas são boas".

"Ao lado das corridas, minha família cresceu e amo estar com eles. Arrumei outros interesses fora da F1. Minha paixão pelas corridas e a F1 vêm com muito tempo longe deles, e isso demanda muita energia".

"Me comprometer à minha paixão como fiz e pelo modo que achei certo não anda mais lado a lado com meu desejo de ser um bom pai e marido. A energia que depende para estar em uníssono com o carro e a equipe em busca de perfeição demanda foco e compromisso. Meus objetivos mudaram de vencer corridas e lutar por títulos para ver meus filhos crescerem, passar a eles meus valores, ajudando-os em suas quedas, ouvi-los quando eles precisam de mim, não ter que dizer adeus e, mais importante, poder aprender com eles e deixá-los me inspirar".

"As crianças são nosso futuro. Além disso, sinto que há muito para explorar e aprender sobre a vida, sobre mim mesmo. Falando do futuro, sinto que estamos em um momento decisivo, e como moldaremos os próximos anos determinarão nossas vidas".

"Minha paixão vem com certos aspectos que aprendi a desgostar, e que podem ser resolvidos no futuro, mas minha vontade de ir atrás cresceu muito, muito forte, e precisa virar ações hoje. Falar não é suficiente e não podemos nos dar ao luxo de esperar. Não há alternativas. A corrida já começou".

"Minha melhor corrida? Ainda está por vir. Acredito em seguir em frente. O tempo é uma via de mão única, e quero ir com o tempo. Olhar para trás apenas te desacelera".

"Mal posso esperar para correr nessas pistas desconhecidas e encontrar novos desafios. As marcas que eu deixei na pista ficarão até que o tempo e a chuva os apague. Novos serão colocados. O amanhã pertence aos que o moldam hoje. A próxima curva está em boas mãos, com a nova geração já aqui".

"Acredito que ainda há uma corrida a ser vencida. Adeus, e obrigado por me permitirem dividir a pista com vocês. Amei cada parte disso".

Vettel fez sua estreia na F1 no GP dos EUA de 2007, em uma aparição única pela BMW, antes de conseguir uma vaga no restante da temporada pela Toro Rosso. Com o time italiano, ele se tornou o vencedor mais jovem da F1 até então, triunfando no GP da Itália de 2008, antes de sua promoção para a Red Bull, tendo seu pico de sucesso entre 2010 e 2013.

O alemão foi para a Ferrari em 2015, seu sonho de carreira, seguindo os passos do ídolo Michael Schumacher, lutando pelo título em 2017 e 2018, perdendo para Lewis Hamilton e a Mercedes. Ele deixou Maranello no fim de 2020 para correr pela Aston Martin, onde encerrará sua trajetória na F1.

TELEMETRIA: RICO PENTEADO analisa quem pode chegar na FRENTE na HUNGRIA

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #187 – Marko está certo ao colocar Verstappen como “a maior história de sucesso da Red Bull”?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Ricciardo: Os fantasmas na McLaren, a "paixão" pela Fórmula 1 e o futuro no esporte
Próximo artigo Alonso? Ricciardo? Quem substituirá Vettel na Aston Martin em 2023 na F1?

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil