Williams volta a ter lucro com "ressurgimento" na F1

Após anos de ostracismo, equipe vê dois terceiros lugares seguidos no Mundial de Construtores refletirem em mais dinheiro na conta

Williams volta a ter lucro com "ressurgimento" na F1
Mike O'Driscoll, Williams Group CEO
(L to R): Claire Williams, Williams Deputy Team Principal with Mike O'Driscoll, Williams Group CEO on the grid
Valtteri Bottas, Williams FW38
Felipe Massa, Williams FW38
Valtteri Bottas, Williams FW38 locks up under braking
Carregar reprodutor de áudio

A equipe Williams voltou a ter no lucro com a volta de sua competitividade na Fórmula 1. A terceira colocação no Mundial de Construtores nas últimas duas temporadas impulsionou um crescimento de receitas com direitos comerciais e patrocínio.

O negócio da empresa na F1 teve uma perda de 31,5 milhões de libras (cerca de R$ 160 milhões) em 2014, mas registrou um lucro de 200 mil libras (cerca de R$ 1 milhão), com base em um aumento de receita de 70,2 milhões de libras (cerca de R$ 350 milhões) em 2014 para 101,5 milhões de libras (cerca de R$ 505 milhões) no ano passado.

O grupo global da Williams reduziu a perda de 37 milhões de libras (cerca de R$ 190 milhões) em 2014 para 3,3 milhões de libras  (cerca de R$ 16,5 milhões) no ano passado.

O chefe-executivo do grupo, Mike O'Driscoll, disse: "nossos resultados financeiros de 2015 representam uma grande melhoria, com forte crescimento de receita e fluxo de caixa positivo".

"Nos últimos dois anos, temos reestruturado completamente o nosso negócio e os resultados refletem o progresso significativo, tanto operacionalmente como financeiramente".

"Fomos capazes de continuar o nosso ressurgimento na pista, e equilibrar receitas e despesas, apesar dos enormes níveis de gastos competitivos no que que o ambiente financeiro do esporte é mais desafiador."

Ele acrescentou: "A nossa equipe de Fórmula 1 alcançou o terceiro lugar no Campeonato de Construtores pela segunda temporada consecutiva em 2015, ilustrando o passo claro que fizemos em nossa competitividade em corridas desde que começamos a nossa reestruturação".

"A renda de direitos comerciais é paga com um ano de atraso, e essas contas refletem o terceiro lugar no Campeonato Construtores de 2014".

"Nosso melhor desempenho na pista de corrida também melhorou o nosso poder no mercado de patrocínio, com grandes marcas como Unilever, Avanade, BT e Hackett se juntando à equipe Williams Martini Racing durante o período".

"Também vimos o número de nossos parceiros aumentar, assim como os seus compromissos com a equipe, o que demonstra a força contínua da nossa marca."

compartilhar
comentários
F1 aprendeu lição após fiasco de treino, diz Williams
Artigo anterior

F1 aprendeu lição após fiasco de treino, diz Williams

Próximo artigo

Mercedes espera estratégias de pneus extremas para China

Mercedes espera estratégias de pneus extremas para China
Carregar comentários