F1: Marko culpa Netflix pela saída de Steiner da Haas

Consultor da Red Bull acredita que a popularidade do ex-chefe de equipe por conta da série Drive to Survive foi o gatilho para a demissão do italiano

Helmut Marko, Consultant, Red Bull Racing

Helmut Marko, Consultant, Red Bull Racing

Sam Bloxham / Motorsport Images

Na última quinta-feira, a Haas surpreendeu a todos ao anunciar a demissão de Guenther Steiner após oito anos no comando da equipe norte-americana na Fórmula 1. Ao mesmo tempo, anunciou um substituto: Ayao Komatsu, que terá a difícil tarefa de melhorar o desempenho do time com as mesmas ferramentas do seu antecessor.

Leia também:

A julgar pelas declarações do proprietário da equipe, Gene Haas, ele e Steiner tiveram um desentendimento sobre as metas da equipe, com o italiano pedindo mais investimentos para melhorar a infraestrutura, enquanto o americano discordou e acredita que a equipe pode obter melhores resultados com todas as ferramentas que tem atualmente.

Não é de deslumbrar que, depois de uma notícia tão surpreendente, muitas vozes estejam se manifestando e Helmut Marko deu sua opinião sobre a demissão de Steiner em uma entrevista ao F1-Insider.com: "Vamos colocar desta forma, qualquer pessoa que se torne popular por meio de uma série documental como a da Netflix tende a voar. Se você subir muito rápido, cairá mais cedo."

Guenther Steiner, exdirector del equipo Haas F1

Foto de: Andy Hone / Motorsport Images

Guenther Steiner, ex-diretor da equipe de F1 da Haas

O consultor da Red Bull culpou a série "Drive To Survive", pois disse que a popularidade de Steiner o levou a se tornar o rosto visível da Haas e a tentar assumir mais responsabilidades do que seu papel de chefe de equipe, algo de que Gene Haas obviamente não gostava.

"Tudo o que ouvi foi que ele queria mudar as ações dentro da equipe. Gene Haas não gostava mais disso. Em nosso esporte, a equipe sempre vem antes do indivíduo. Assim, Steiner tornou-se vítima de sua própria popularidade", diz ele. 

Marko está se referindo ao fato de que algumas equipes, como a Alpine, a McLaren ou a Aston Martin, venderam uma pequena participação acionária para obter investimentos que lhes permitissem dar passos à frente em termos de infraestrutura da equipe, para tentar alcançar os esquadrões atualmente dominantes na classe superior do automobilismo, algo que Gene Haas não vê como urgente ou mesmo necessário.

Por esse motivo, um dos maiores desafios para Ayao Komatsu será tentar extrair mais potencial do que Steiner conseguiu com exatamente as mesmas ferramentas, o que deixou a equipe Haas na última posição da classificação dos construtores em dois dos últimos três anos. Embora seu melhor resultado, um quinto lugar em 2018, esteja longe de ser alcançado, uma coisa é certa: ele terá muito trabalho pela frente.

Motorsport Business #9 – ANDRÉ DUEK: Vida de corridas e negócios, e o valor de empreender nas pistas

Podcast #264 – O que Gil de Ferran deixa para o automobilismo?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior F1: Red Bull confirma lançamento do RB20, carro de 2024; veja data
Próximo artigo F1: Wolff reporta que Mercedes de 2024 "parece um carro pela primeira vez em dois anos", segundo piloto de simulador da equipe

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil