Fórmula 1 GP de Las Vegas

F1: Abiteboul se ofendeu com saída de "egoísta" Ricciardo da Renault

Francês comandou a Renault até 2020, ano da pandemia de COVID-19 e da saída do australiano rumo à McLaren

Alain Prost, Diretor Não-Executivo da Equipe Renault F1, com Cyril Abiteboul, Diretor Geral da Renault Sport F1

Cyril Abiteboul, ex-chefe de equipe da Renault na Fórmula 1, se ofendeu pessoalmente com a decisão de Daniel Ricciardo, após uma temporada, de não começar seu terceiro ano com a equipe francesa. De acordo com Abiteboul, o australiano "egoísta" nunca teve um bom 'timing'.

Leia também:

Como se sabe, a carreira de Ricciardo após a Red Bull tem sido bastante conturbada, pois enquanto ele liderava a equipe com confiança na Renault, perdia constantemente para seu companheiro de equipe na McLaren.

Apesar disso, foi com a equipe de Woking que ele comemorou outra vitória na categoria, quebrando uma sequência de nove anos sem vitórias para o time, mas depois de duas temporadas ele teve que sair, dessa vez por uma decisão que não partiu dele.

Cyril Abiteboul falou ao podcast Dans La Boîte À Gants sobre como o australiano nunca foi capaz de cronometrar bem sua carreira e a excelente forma atual da McLaren é prova disso.

"Na verdade, acho que foi um movimento muito prematuro, um pouco egoísta", insinuou o ex-chefe de equipe sobre o acordo de Ricciardo com a McLaren logo após seu primeiro ano na equipe, "Porque, no final, ele só deu à equipe uma chance de uma temporada e é uma decisão que levo a mal."

Como se sabe, tudo era incerto em 2020 devido à pandemia causada pelo coronavírus, e isso pode ter influenciado a decisão. "Ele tomou sua decisão em abril ou maio. O mundo ficou paralisado, não sabíamos como voltaríamos aos trilhos, se é que voltaríamos aos trilhos."

Abiteboul considerou um insulto pessoal o fato de o australiano ter batido a porta para eles, por assim dizer. "É claro, porque vejo isso como uma rejeição pessoal. Considero isso completamente pessoal. Eu aceito isso. E também vejo as consequências."

"A equipe estava apenas se organizando e se formando. Fizemos progressos, mas isso não significa que estávamos no nível da Red Bull. Ele veio de um ambiente de qualidade da Red Bull, portanto, havia inevitavelmente uma sensação de rebaixamento."

"Foi difícil para ele psicologicamente. O GP de Baku de 2019 foi absolutamente horrível, ele cometeu erro atrás de erro", encerrou.

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

 

Podcast #255 – Qual a nota do GP de São Paulo de 2023, em Interlagos?

 


ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior "Nem tudo na vida é Fórmula 1": Feliz com sucesso, Verstappen destaca fatores que podem fazê-lo repensar futuro
Próximo artigo Parceira da Andretti, General Motors faz registro na FIA para ser fornecedora de motores da F1 a partir de 2028

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil