Fórmula 1
25 mar
Próximo evento em
27 dias
06 mai
Próximo evento em
69 dias
20 mai
Próximo evento em
83 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
97 dias
10 jun
Próximo evento em
104 dias
24 jun
Próximo evento em
118 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
125 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
139 dias
29 jul
Próximo evento em
153 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
181 dias
02 set
Próximo evento em
188 dias
09 set
Próximo evento em
195 dias
23 set
Próximo evento em
209 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
216 dias
07 out
Próximo evento em
223 dias
21 out
Próximo evento em
237 dias
28 out
Próximo evento em
244 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
280 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
289 dias

Alonso explica ‘más decisões’ na F1: "Sempre fui 100% convicto"

Espanhol sempre foi criticado pelas deisões de mudança de equipe na Fórmula 1, mas respondeu àqueles que o contestam

compartilhar
comentários
Alonso explica ‘más decisões’ na F1: "Sempre fui 100% convicto"

Uma das críticas constantes que Fernando Alonso recebe se trata de suas decisões, sempre valorizadas quando acontecem, mas que mais tarde se mostraram ser um erro.

Em termos gerais, Alonso deixou a McLaren um ano antes da equipe ser campeã com Lewis Hamilton, em 2008. Ele teve ofertas para ir para a Red Bull quando ainda não era o time multicampeão, e poderia ter assinado com a Honda antes de se tornar Brawn, time que dominou 2009 e mais tarde se tornou a toda poderosa Mercedes.

Leia também:

A decisão de deixar a McLaren foi praticamente forçada pelo clima que se criou na equipe. E em relação às outras duas, nem mesmo com uma bola de cristal alguém teria imaginado, durante o reinado da Ferrari, que a Fórmula 1 nos próximos 15 anos seria protagonizada por uma equipe de energéticos que nem existia como tal, e um gigante alemão que na época era ‘apenas’ um time de primeira linha.

Além disso, especificamente, cabe esclarecer que a oferta da Honda surgiu em meados de 2008, quando a equipe japonesa se viu atolada em uma grande crise que ocasionou sua saída da F1 e posterior ressurreição como Brawn GP.

Anos depois, Alonso deixaria a Ferrari e a escuderia voltaria a vencer corridas e brigar pelo título, mas nunca puderam com a Mercedes e na verdade ficaram mais longe do mundial do que em 2010 e 2012. Portanto, a história também não tirou sua razão.

Em entrevista ao jornal El Mundo, Alonso analisou as decisões ‘erradas’ de sua carreira e defendeu as boas novas que vieram depois de cada período: “Com o tempo, você sempre mudaria as coisas, mas no momento que decidi, fiquei 100% convicto. Não 50-50% e pensando, não, não. Ficou claro para mim, achei que era o melhor."

“E essas decisões me levaram a outros destinos. A questão da McLaren em 2007 foi o melhor para nós dois. Nunca se sabe, mas se tivesse continuado lá em 2008, o ano teria sido tremendamente difícil e com uma qualidade de trabalho horrível. E nesses casos, você deve colocar tudo na mesa. E, talvez, graças a isso depois me tornei piloto da Ferrari, porque quando voltei para a Renault [em 2008] as conversas [com a Ferrari] começaram. Portanto, se eu não saísse da McLaren naquela época, eu poderia nunca ter corrido pela Ferrari, o que considero uma experiência vital para qualquer piloto."

Além das ofertas mencionadas, o próprio Alonso revelou na época que para 2015 a Mercedes propôs uma 'troca' à Ferrari entre os espanhóis e Hamilton, mas os italianos se opuseram e o asturiano acabou na McLaren. 

Era uma aposta arriscada, mas o retorno da Honda à F1 convidava ao otimismo, era razoável apostar. Na Fórmula 1 não correu como o esperado, mas as portas que aquele movimento abriu anos depois colocam Alonso totalmente na história de outras categorias míticas.

Na mesma entrevista, Alonso explica: “Quando deixei a Ferrari em 2014, tive uma péssima temporada com a McLaren com o motor Honda. Foi difícil parar de subir ao pódio, mas ao sair da Ferrari, corri as 500 milhas, porque a McLaren tinha esse plano. E também a McLaren me deixou correr no WEC e graças a isso fui campeão mundial de endurance e vencedor das 24 Horas de Le Mans duas vezes."

“Muitas das decisões não tiveram um resultado positivo imediato, mas no longo prazo me ofereceram outras possibilidades como piloto. Experiências das quais tenho muito boas lembranças”, concluiu Alonso.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

ALPINE revela imagens de PINTURA de carro da F1

PODCAST: Chico Serra esclarece rivalidade com Piquet, amizade com Senna e briga com Raul Boesel

 

Entenda como funciona novo software de segurança da F1

Artigo anterior

Entenda como funciona novo software de segurança da F1

Próximo artigo

Binotto traça paralelos entre Leclerc e Schumacher para a Ferrari: "Charles está se tornando um líder"

Binotto traça paralelos entre Leclerc e Schumacher para a Ferrari: "Charles está se tornando um líder"
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Fernando Alonso
Equipes Ferrari , Red Bull Racing , McLaren
Autor Jose Carlos de Celis