ANÁLISE: Como a Red Bull ganhou tanto downforce no GP da Hungria de F1?

Equipe do grupo de energéticos, assim como a Alpine, se voltou a um padrão mais comum de configuração em Budapeste; saiba mais

Red Bull Racing RB18 beam wing detail

Giorgio Piola

Inicialmente, a Red Bull temia estar atrás dos concorrentes diretos no GP da Hungria de Fórmula 1, com a equipe austríaca aparentemente desconfortável com circuitos que demandam alta pressão aerodinâmica.

O editor recomenda:

É uma clara consequência da direção de design escolhida pelo time para os novos regulamentos da F1. Em 2022, os carros da RBR frequentemente estão no topo das listas de speed trap, bem diferentemente do que ocorria nas temporadas anteriores.

Para atacar essa questão em Budapeste, a Red Bull introduziu um novo layout de 'asa de feixe', combinando-o com sua asa traseira com maior downforce. Essa nova asa tem o layout que a maioria dos times do grid consideraria convencional para as novas regras, com um elemento sobre o outro.

E, assim como suas rivais, o design da RBR apresentou elementos com uma seção central mais carregada e ponta externa cônica. Antes disso, a Red Bull havia contrariado essa tendência, optando por um arranjo "empilhado". Além disso, quando era necessário reduzir a pressão aerodinâmica e o arrasto em circuitos de alta velocidade, a RBR também abandonou a parte superior desses dois elementos, como pode ser visto no GP do Azerbaijão (abaixo).

Red Bull Racing RB18 beam wing comparison

Red Bull Racing RB18 beam wing comparison

Photo by: Giorgio Piola

Enquanto isso, a Alpine, que se assemelhou ao layout aerodinâmico geral do RB18 com seu A522, também apresentou sua versão da asa 'empilhada' em Baku. E também com alguns níveis de acabamento diferentes desse arranjo, com uma variante de downforce maior para o Canadá.

Enquanto isso, também como a Red Bull, a Alpine optou por mudar para seu layout de asa de feixe 'convencional' na Hungria, embora houvesse mais desenvolvimento na peça, pois a escuderia francesa optou por aparar a parte externa dos elementos para descarregar parte do arrasto que poderia ser gerado pela especificação mais antiga usada nos GPs em Ímola, Miami, Barcelona e Mônaco (veja abaixo).

Alpine A522 beam wing comparison

Alpine A522 beam wing comparison

Photo by: Giorgio Piola

VÍDEO EXCLUSIVO: DRUGOVICH admite que é “MUITO DIFÍCIL” entrar na F1 como piloto oficial e revela PARCERIA

Podcast #189 - Quem tem mais a perder com confusão contratual? Alpine, Piastri, McLaren ou F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Espanhol ex-F1 analisa 'fator grana' na ida de Alonso para Aston Martin
Próximo artigo ”Ser pai é muito mais difícil”: a emoção de Rubinho com a vitória do filho Fefo na F4 Brasil

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil