Análise técnica de Giorgio Piola
Assunto

Análise técnica de Giorgio Piola

Análise técnica: Entenda como Mercedes melhorou após pré-temporada da F1

Foco do desenvolvimento da equipe está na parte traseira do W12

Análise técnica: Entenda como Mercedes melhorou após pré-temporada da F1

A Mercedes chegou ao GP da Emilia Romagna de Fórmula 1 após uma complicada pré-temporada e alguns sinais de alerta sobre o potencial da Red Bull na corrida do Bahrein.

A montadora alemã teve que enfrentar a realidade de que os novos regulamentos pareciam prejudicar os carros com baixo rake mais do que seus rivais com alto rake.

Leia também:

No entanto, enquanto a Aston Martin continuou lutando para maximizar seu pacote em resposta a isso, a Mercedes fez progressos claros em seu carro - o W12 ficou visivelmente mais estável com o passar do tempo, e isso o aproximou da escuderia austríaca.

O foco do desenvolvimento e configuração da equipe está claramente na parte traseira do carro, com o time avaliando duas opções de asa traseira durante as sessões de treinos livres de Ímola na sexta-feira.

Ambos tinham níveis de downforce ligeiramente diferentes, mas talvez mais importante, eles ostentavam diferentes designs de pilares de suporte. 

Lewis Hamilton, Mercedes W12
Valtteri Bottas, Mercedes W12

Esta não é uma tática nova para a Mercedes, já que ela passou boa parte da temporada passada conduzindo testes semelhantes em uma tentativa de entender qual compensação atenderia às suas necessidades de classificação e corrida, com o efeito no DRS (Sistema de Redução de Arrasto) sendo um dos fatores.

Outra área em que a equipe procurou melhorar seus problemas de estabilidade foi com um projeto revisado de strake para seu difusor.

O layout das ripas foi em grande parte transportado do projeto do ano passado, embora com os 50mm inferiores cortados para atender aos novos regulamentos.

No entanto, para Ímola, foi feita uma mudança na linha secundária de strakes, com o design em forma de 'L' usado no Bahrein substituído por uma versão completa (destacado em verde, abaixo).

Mercedes W12 diffuser comparison

Mercedes W12 diffuser comparison

Photo by: Giorgio Piola

Enquanto isso, parece que o revestimento da superfície do difusor também foi modificado para a segunda etapa da temporada, talvez como uma tentativa de manter o fluxo conectado e estabilizar o desempenho da seção central do difusor.

Mercedes AMG F1 W12 diffuser comparison

Mercedes AMG F1 W12 diffuser comparison

Photo by: Giorgio Piola

Red Bull 2021 

A Red Bull gastou uma quantidade significativa de seu tempo lutando contra um problema de correlação no início da última temporada, ao descobrir que seu desempenho não correspondia às informações fornecidas por suas ferramentas de simulação.

Uma das principais mudanças pela qual a equipe passou durante esta fase foi uma alteração na filosofia de design do bico.

A escuderia alternou entre uma posição de montagem de pilar estreito e largo durante este período, mas o resto da montagem permaneceu relativamente inalterado.

Red Bull Racing RB16B front wing

Red Bull Racing RB16B front wing

Photo by: Giorgio Piola

Tendo gasto suas fichas de desenvolvimento na parte traseira do RB16B, você pode estar pensando que o bico não viu qualquer ação, mas uma seção considerável da carroceria foi colocada na capa atrás da caixa do bico.

Uma vez colocada no carro, esta seção da capa desliza para encontrar o chassi, com a nova carroceria preenchendo parte do vazio que teria encontrado anteriormente.

Red Bull Racing RB16B front nose comparison

Red Bull Racing RB16B front nose comparison

Photo by: Giorgio Piola

Assoalhos em forma de 'Z'

Uma mudança de regulamento parece sempre fornecer soluções técnicas variadas para os mesmos problemas, e este ano isso vem na forma de dois conceitos de recorte de assoalho diferentes.

De um lado estão as equipes que seguiram a intenção dos regulamentos e utilizam uma borda de assoalho totalmente cônica, enquanto do outro lado temos os times que estão usando um recorte em forma de 'Z'.

Após o teste, houve uma divisão de 60/40 em favor daqueles que utilizavam a solução totalmente cônica. Porém, apenas na segunda corrida da temporada, essa divisão passou a ser 70/30 a favor da solução em 'Z', com a Alpine adotando a solução no Bahrein, e a Ferrari e a Williams chegando com sua própria versão em Ímola.

Ferrari SF21 floor

Ferrari SF21 floor

Photo by: Giorgio Piola

A adoção do recorte em forma de 'Z' pela Scuderia fez com que a equipe abandonasse, pelo menos a curto prazo, o trio de aletas montadas no meio do recorte. No entanto, para coincidir com a seção em forma de 'Z' do assoalho, uma grande barra foi adicionada a montante (seta).

Este arranjo de strake combinado é usado por todos os times, embora alguns tenham dividido o strake em seções mais curtas (como barbatanas), pois parece influenciar a direção do fluxo de ar na superfície superior do assoalho, o forçando para fora e no caminho do fluxo de ar que é criado pelo recorte. 

O resultado do recorte em 'Z' é que parte do assoalho é retornado paralelamente à linha central do carro, dando aos aerodinamicistas um comportamento semelhante ao conjunto de regulamentos anterior.

Os conjuntos de barbatanas e strakes que estão encontrando seu caminho para a seção do assoalho ao lado do sidepod (como os adicionados neste fim de semana pela AlphaTauri, abaixo) estão ajudando a mitigar a perda de orifícios totalmente fechados encontrados nesta região anteriormente.

AlphaTauri AT02 floor detail

AlphaTauri AT02 floor detail

Photo by: Giorgio Piola

Curiosamente, enquanto a Ferrari abandonou seu trio de aletas no meio do caminho quando apresentou seu novo design, a outra equipe, que mudou para um recorte de assoalho em forma de Z na segunda etapa da temporada, não o fez. 

Isso mostra como cada interpretação do recorte é distinta, já que seu comprimento é muito diferente, o que significa que o afunilamento à frente da roda traseira também tem um comprimento diferente.

A Williams, com sua seção cônica mais longa na parte traseira do assoalho, ainda precisa daquele trio de aletas em ângulos externos para obter o efeito aerodinâmico desejado.

Enquanto isso, no ponto onde o recorte é formado, a equipe adotou o método strake, embora tenha optado por dividir em três seções menores em forma de barbatana.

Williams FW43B floor detail

Williams FW43B floor detail

Photo by: Giorgio Piola

Claro, ainda há uma subdivisão na forma como cada uma dessas equipes está lidando com o recorte em forma de 'Z' e as várias ferramentas aerodinâmicas que revestem a borda do assoalho.

Algumas escuderias têm uma seção mais longa que se estreita na frente do assoalho, algumas têm um recorte maior no meio e outras têm uma seção mais longa que se estreita na parte traseira do assoalho.

No geral, parece que o recorte em forma de 'Z' venceu, com as três equipes restantes provavelmente trabalhando em sua própria interpretação para as próximas corridas, a fim de melhorar ainda mais seus níveis de desempenho.

Entenda como F1 na BAND liga sinal de ALERTA na GLOBO após “ROUBO” de audiência no GP de Ímola

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Por que temporada de 2021 promete ser a mais equilibrada dos últimos anos?

 

compartilhar
comentários
F1: Ricciardo teve que "engolir orgulho" para dar passagem a Norris em Ímola
Artigo anterior

F1: Ricciardo teve que "engolir orgulho" para dar passagem a Norris em Ímola

Próximo artigo

F1: Verstappen ficou surpreso com desempenho em largada em Ímola

F1: Verstappen ficou surpreso com desempenho em largada em Ímola
Carregar comentários