Análise técnica: veja ajustes do carro para 2021 que a AlphaTauri tentou esconder

Foram capturadas imagens do AT02 enquanto equipe realizava shakedown em Ímola

Análise técnica: veja ajustes do carro para 2021 que a AlphaTauri tentou esconder

Há muito tempo, os lançamentos de carros de Fórmula 1 são envoltos em segredos, com cada equipe procurando maneiras novas e criativas de enganar seus rivais antes do modelo real aparecer no primeiro teste.

Esse ano, ambas as equipes da Red Bull se esforçaram para tentar manter as coisas fora do olhar do público o máximo possível.

Leia também:

No caso da Red Bull, ela deliberadamente não divulgou nenhuma imagem de seu novo RB16B quando realizou um shakedown no dia de filmagens, que aconteceu em Silverstone na semana passada.

A equipe secundária AlphaTauri parece ter tentado manter em segredo os detalhes de uma revisão da suspensão dianteira mostrando algo completamente diferente através das imagens de lançamento de seu carro.

Apesar de ter admitido em seu comunicado de imprensa que gastou fichas de desenvolvimento para trocar sua suspensão dianteira, os registros do AT02 que foram divulgados não traziam essas novas peças.

No entanto, qualquer manobra que a equipe tenha planejado durou pouco, já que algumas fontes conseguiram capturar imagens do novo modelo enquanto a escuderia italiana realizava um shakedown e um dia de filmagem em Ímola, e então pudemos ter uma visão adequada dos elementos que eles não queriam que víssemos.

AlphaTauri AT02 nose detail

AlphaTauri AT02 nose detail

Photo by: Davide Cavazza

Nessas imagens, o AT02 tinha seu novo bico instalado, que, seguindo uma tendência que surgiu no grid, apresenta corpo mais estreito e ponta de bico larga.

Os pilares das asas dianteiras desafiam a convenção usual, porém, visto como eles são colocados fora da ponta, talvez para facilitar um efeito aerodinâmico ligeiramente diferente do que o resto do pelotão tem procurado. No entanto, eles permanecem em linha quanto a forma como o mapa aerodinâmico geral do carro será afetado pelas novas regras.

Em sintonia com isso, a equipe também ajustou a seção da asa dianteira onde ela se conecta à seção neutra. Uma ondulação foi feita nessa junção para que o vórtice Y250 que se desprendeu dele fique mais sintonizado com o bico estreito e a montagem da capa.

Ainda mais interessantes do que as alterações do bico e da asa dianteira são as mudanças de hardware feitas, com o time mudando para componentes usados pela Red Bull em 2020.

Havia uma expectativa de que a AlphaTauri mudaria para a caixa de câmbio e arranjo de suspensão traseira usado no RB16 sem ter que usar nenhuma ficha de desenvolvimento. No entanto, foi na frente do carro que se implementou essa lógica, optando por usar o conjunto de direção bastante inovador que está no RB16 e RB16B.

AlphaTauri AT02 front suspension detail
Red Bull Racing RB15 front suspension

A AlphaTauri já havia montado seu conjunto de direção em linha com o braço frontal inferior do triângulo - uma tática comum implantada pelos projetistas para minimizar a perturbação que os braços de suspensão têm no fluxo de ar à medida que ele passa.

Colocar o conjunto de direção mais para trás provavelmente tem algumas desvantagens aerodinâmicas diretas, pois o braço é colocado no fluxo livre.

No entanto, embora remova a obstrução criada no bico e na articulação do chassi e torne mais fácil afinar o bico, também é provável que seja capaz de dar um impulso cumulativo ao controle de altura do percurso que a equipe já vem desenvolvendo com sua haste vertical, com a Red Bull fazendo uso disso ao longo de sua campanha de 2020.

O arranjo do triângulo superior multi-link usado pela primeira vez pela Red Bull em 2019 (à direita) e subsequentemente adotado pela AlphaTauri no ano passado continua sendo uma característica do AT02.

O que Red Bull estava escondendo?

A Red Bull também foi para a pista na semana passada, completando um shakedown e um dia de filmagem em Silverstone com a presença dos RB15 e RB16B.

O RB16B foi mantido fora do olho dos fotógrafos externos, então a escuderia conseguiu manter alguns dos detalhes mais sutis do carro fora dos holofotes por mais um tempo.

No entanto, o que ficou claro nas fotos do estúdio é que, embora a AlphaTauri tenha feito um esforço concentrado na frente de seu carro, a Red Bull se concentrou na parte traseira, com a equipe parecendo ter gastado suas duas fichas de desenvolvimento em um novo porta-câmbio.

A escolha de gastar sua alocação de fichas foi a crença de que ele ofereceu o maior retorno - permitindo que ele estreitasse a região da carenagem semelhante a uma garrafa do RB16B e se adaptasse às mudanças feitas no layout da suspensão traseira.

Red Bull Racing RB16 and RB16B rear suspension comparison

Red Bull Racing RB16 and RB16B rear suspension comparison

Photo by: Red Bull Racing

A imagem do estúdio revela que a equipe austríaca reorganizou seu arranjo no canto inferior, colocando-o atrás da haste de tração, ao invés de colocado na frente como era o caso do RB16.

Isso também sugere que ela adotou uma abordagem semelhante à da Mercedes do ano passado com o W11, montando o antebraço o mais alto e mais para trás possível com a haste montada na frente do conjunto.

Mercedes AMG F1 W11 rear suspension

Mercedes AMG F1 W11 rear suspension

Photo by: Giorgio Piola

Este layout reverso usado no W11 foi coroado pela montagem da perna traseira inferior do braço da suspensão na estrutura de impacto traseira (seta vermelha) em vez de no suporte da caixa de câmbio.

Isso resulta na perna sendo colocada para cima e fora do caminho do teto do difusor que, sob a alteração do regulamento de 2017, foi autorizado a iniciar sua subida antes da linha central da roda traseira, ao invés de iniciada sobre ela.

Diffuser rules

Diffuser rules

Photo by: Giorgio Piola

Isso levou as equipes a usarem uma transição mais abrupta na altura do assoalho e do difusor (seta vermelha e destaque verde), pois são moldados para maximizar o desempenho que pode ser extraído dos regulamentos.

Como você pode ver, isso resultou em uma saliência à frente da linha central da roda traseira (linha branca pontilhada), em vez da transição que estamos acostumados a ver.

Isso consumiu o espaço ocupado pelos elementos de suspensão acima da transição e levou as escuderias a elevar os elementos para que não obstruíssem a rota do fluxo de ar para a região da carenagem semelhante a uma garrafa.

Em resposta, os times usam extensões verticais para levantar o triângulo superior do caminho e permitir que os elementos de suspensão inferiores sejam levantados como consequência. A limitação aqui, porém, é a geometria e a colocação desses elementos quando se leva em consideração o desejo das equipes de blindar o eixo de transmissão, pois pode ser prejudicial, no sentido aerodinâmico, se deixado exposto.

Ferrari SF71H rear suspension comparsion
Mercedes AMG F1 W09 rear suspension

As alterações feitas pela Mercedes e Red Bull são uma tentativa de corrigir todos esses problemas e obter ganhos, posicionando o braço da suspensão em uma posição mais aerodinamicamente favorável sobre a seção do difusor no assoalho.

A escolha da Red Bull por essa solução também mostra o tipo de potencial que ela oferece, com a equipe de Milton Keynes preferindo seguir seu próprio caminho.

MERCEDES 2021: Veja carro que pode render OCTA e RECORDES a HAMILTON e manter sua HEGEMONIA na F1

Parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

PODCAST: Corridas aos sábados e tetos: revolução imposta pela Liberty pode tirar DNA da F1?

 

.

compartilhar
comentários
F1: Haas aceita "riscos" de abandonar desenvolvimento do carro de 2021
Artigo anterior

F1: Haas aceita "riscos" de abandonar desenvolvimento do carro de 2021

Próximo artigo

Chefe da Liberty "não está preocupado" com situação da F1 após grandes perdas financeiras em 2020

Chefe da Liberty "não está preocupado" com situação da F1 após grandes perdas financeiras em 2020
Carregar comentários