Últimas notícias

F1: Binotto admite que Ferrari priorizou motor com mais desempenho do que confiabilidade

Chefe de equipe da Ferrari revelou que restrição em relação ao banco de testes colaborou para decisão

Ferrari F1-75 engine

Dois anos de luta após o acordo que permaneceu em segredo com a FIA, a Ferrari nesta temporada voltou a se destacar em um dos departamentos que mais se sobressaiu na história da Fórmula 1: o motor.

O 066/7, esta é a sigla do projeto então renomeado internamente de "Superfast", é um dos fatores que trouxe a Ferrari de volta a poder disputar vitórias durante a temporada de 2022, que também foi um cruz. Às performances incríveis, ele acrescentou - ocasionalmente, mas com uma frequência sinistra - uma fragilidade que se refletiu em várias ocasiões na primeira parte da temporada atingindo Charles Leclerc e Carlos Sainz.

 

Leia também:

Ambos os pilotos da Ferrari foram forçados a utilizar a quarta unidade de potência, causando penalidades, antes mesmo de chegar ao meio do calendário de 2022. Certamente não é um bom sinal, também porque Mattia Binotto, chefe da escuderia, admitiu que levará meses para fazer alguns ajustes. 

Em entrevista ao Motorsport.com, Binotto, no entanto, fez um balanço da situação explicando por que os técnicos de Maranello preferiram enfatizar mais o desempenho, provavelmente prestando menos atenção à confiabilidade. Uma questão de congelamento, que afetará sobretudo as próximas temporadas.

"Não acho que forçamos muito porque aumentar o desempenho nunca é suficiente, mas certamente priorizamos o desempenho em relação a confiabilidade," admitiu Binotto.

Mattia Binotto, Team Principal, Ferrari

Mattia Binotto, Team Principal, Ferrari

Photo by: Carl Bingham / Motorsport Images

"O que significa que provavelmente atingimos o limite de tempo para homologação. Então, devemos lembrar que também na unidade de potência havia uma restrição sobre o número de horas que podem ser usadas no banco de testes e essas restrições tiveram impacto no nosso trabalho."

“Quando não havia limites, bastava aumentar o trabalho nas bancadas de teste, tanto em termos de desempenho quanto de confiabilidade, mas hoje, sendo limitado por horas, você é obrigado a fazer escolhas”.

Após as duas últimas temporadas fracassadas do ponto de vista do desempenho, a Ferrari estava ciente de que teria que se recuperar justamente nessa frente contra rivais diretos, especialmente na Mercedes e Honda. É por isso que o departamento de motores dedicou a maior parte de seus esforços para dar a Leclerc e Sainz um motor potente, que já poderia representar excelência este ano e uma certeza nos próximos, antes da próxima mudança de regulamento.

"Nós empurramos os limites de desempenho além do que seria um plano de confiabilidade normal e isso porque sabíamos que seria importante fechar a lacuna na competição antes do congelamento por quatro temporadas, sabendo que os problemas de confiabilidade sempre podem ser resolvidos mais tarde".

"Isso não quer dizer que chegamos à primeira corrida achando que não éramos confiáveis, não era assim. Nos testes de inverno, não surgiram problemas, mas sabíamos que não estávamos em uma situação ideal."

“Além disso, os problemas que tivemos na pista e que não surgiram nas simulações de bancada, são eventos inesperados típicos de um novo projeto e devemos levá-los em consideração, não estou totalmente surpreso com o que aconteceu”, concluiu Binotto.

PODCAST: É o fim da linha para Ricciardo na F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Mick nega que sobrenome Schumacher coloque pressão em seus ombros
Próximo artigo F1: Chefe da AlphaTauri compara Verstappen a Schumacher e diz que holandês ainda não mostrou nível máximo

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil