Últimas notícias

F1: Chegada de Ricciardo reflete nova 'fase' da AlphaTauri

Novo CEO da equipe já tinha mostrado interesse em ter uma dupla de pilotos composta por um jovem talento e um piloto mais experiente

Nyck de Vries, AlphaTauri AT04

A mudança de Daniel Ricciardo para a AlphaTauri, no lugar de Nyck de Vries, reflete uma nova política de equilíbrio entre juventude e experiência na equipe de Fórmula 1 de Faenza.

Em outras palavras, colocar Ricciardo no carro não é apenas um caso de conveniência a curto prazo e dar ao australiano a chance de ganhar velocidade antes de um possível retorno à equipe principal da Red Bull.

Leia também:

A mudança de direção faz parte de uma reinicialização da AlphaTauri após uma análise detalhada de seu papel no campo da Red Bull e uma decisão firme da alta administração da empresa de bebidas de não vendê-la.

Isso também está ligado a uma mudança de identidade que está chegando para a próxima temporada, após o fim do atual contrato de patrocínio com a AlphaTauri.

Em entrevista ao Motorsport.com antes da confirmação da substituição de Ricciardo por de Vries, o novo CEO da equipe, Peter Bayer, indicou que uma mistura de juventude e experiência é vista como o caminho a seguir.

"Faz todo o sentido ter aquele irmão mais novo dentro da família, que está cuidando do desenvolvimento de jovens pilotos", disse Bayer.

"Isso será mantido, portanto o objetivo continuará sendo o de encontrar jovens talentos. Talvez ampliemos um pouco isso e nos estruturemos um pouco mais nessas áreas."

"No momento, também está sendo discutido se isso significa que teremos dois pilotos jovens ou se, finalmente, um dia teremos um piloto mais experiente com um mais jovem, o que, na minha opinião, torna tudo muito interessante em termos de produto global."

Bayer, que trabalhará ao lado do novo diretor de equipe Laurent Mekies quando o francês estiver livre da Ferrari e puder substituir Franz Tost, reconheceu que havia também a questão óbvia de que a equipe precisava marcar mais pontos de forma consistente.

Atualmente, a AlphaTauri está em último lugar no campeonato de construtores, com apenas dois pontos conquistados por Yuki Tsunoda por dois 10º lugares.

No entanto, a Williams, sétima colocada, está apenas nove pontos à frente, com cada posição representando uma grande parte do prêmio em dinheiro.

Yuki Tsunoda, AlphaTauri AT04

Yuki Tsunoda, AlphaTauri AT04

Foto de: Erik Junius

"Com toda a honestidade, foi exatamente essa a discussão que tive com os rapazes", disse Bayer. "Eu disse que é ótimo treinar jovens pilotos, mas a diferença entre a F2 e a F1 é simplesmente enorme."

"E Franz está certo, ele sempre diz três anos. Então, se você pensar em dois caras rodando três anos, três anos - há impaciência e não há uma estratégia clara, e isso é algo que queremos desenvolver. Queremos dedicar tempo e ter certeza de que estamos fazendo tudo certo."

"E também não se trata apenas de pontos. Veja o caso de Fernando [Alonso] e [Lance] Stroll. Você tem um piloto de ponta que o ajuda, diz para procurar a configuração, pensar sobre isso, pensar sobre aquilo, fazer mais força aqui."

"É natural e normal, acho que você aprende. Portanto, precisamos considerar isso e ver como tudo se desenrola."

Bayer indicou que ainda estão em andamento as discussões sobre a mudança de marca da equipe, com a gerência interessada em ter um nome que possa acompanhar o nome de um patrocinador, mesmo que este mude.

"Hoje nos chamamos Scuderia AlphaTauri", disse Bayer. "Portanto, somos chamados de acordo com um patrocinador, o nome da equipe e o nome da empresa é Scuderia AlphaTauri. Portanto, se a AlphaTauri [a empresa de roupas] decidir fazer outra coisa, teremos de mudar."

"Quando estávamos discutindo o futuro de longo prazo da equipe com os acionistas, com Oliver Mintzlaff [chefe da Red Bull], dissemos que acreditávamos que deveríamos criar uma identidade que, antes de tudo, nos permitisse ser uma unidade de negócios única, mas ainda independente."

"Acho que também queremos nos aproximar mais da família em termos de nome, para que, de alguma forma, tenhamos uma afiliação ou associação com a Red Bull como marca, o que nos permitirá adicionar um patrocinador titular à equipe 'XXX' de F1."

"E se o patrocinador do título três anos depois decidir mudar, bem, podemos substituí-lo, e não é que tenhamos que reinventar tudo."

Bayer confirmou que o nome Toro Rosso não será revivido: "Ele tem história, então, sim, poderíamos voltar atrás. Mas acho que a verdade é que temos muitas pessoas novas, os proprietários, a gerência da Red Bull, Laurent, eu mesmo, acho que todos nós queremos seguir em frente e criar algo novo e fresco."

RICCIARDO DE VOLTA à F1 e DE VRIES DEMITIDO! Red Bull foi INJUSTA? O que será de PÉREZ?

OUÇA AGORA MESMO

 

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Artigo anterior F1 - Análise Técnica: As 11 mudanças que transformaram a McLaren em um "foguete"
Próximo artigo F1: Horner descarta chance da Red Bull replicar "sete anos de domínio" da Mercedes
Assinar