F1: Cinco coisas que aprendemos com primeira entrevista de Vasseur na Ferrari

Novo chefe da escuderia italiana não fará mudanças radicais em um primeiro momento, mas não hesitará no futuro próximo

A Ferrari passou por um inverno agitado desde que foi anunciado que Mattia Binotto estava deixando a equipe de Fórmula 1.

O momento da mudança, durante o período crítico de inverno, quando grandes decisões são tomadas, significava que a escuderia não poderia evitar um pouco de incerteza até que o substituto Frederic Vasseur colocou os pés em Maranello no início de janeiro.

Leia também:

Depois de quinze dias conhecendo melhor o funcionamento interno da equipe, esta semana Vasseur falou à imprensa pela primeira vez em sua nova função.

Com a Ferrari sendo uma equipe que enfrenta talvez uma exigência maior do que qualquer outra, especialmente da imprensa italiana, aquela primeira ligação com mídia foi importante para Vasseur definir o tom para a próxima temporada.

Depois de ouvir o que ele disse aos jornalistas italianos e à mídia internacional em ligações separadas, aqui estão as principais conclusões de suas primeiras funções públicas.

Ferrari não terá uma reviravolta imediata

Após as claras fraquezas da Ferrari que lhe custaram qualquer chance do campeonato mundial no ano passado, é óbvio que Vasseur foi contratado para fazer mudanças.

Mas enquanto a confiabilidade, erros de piloto, atualizações e problemas de estratégia que impactaram a campanha da Ferrari em 2022 são áreas claras de foco, Vasseur deixou claro que não fará nenhuma mudança radical por enquanto.

O francês deixa claro que, se ele quer melhorar as coisas, precisa entender completamente as razões pelas quais as coisas aconteceram do jeito que aconteceram.

Seria um erro, argumentou ele, acreditar que tinha todas as respostas para os problemas da Ferrari no primeiro dia.

“Seria arrogante da minha parte tomar medidas contra a organização técnica depois de duas semanas”, disse ele.

“Temos discussões para tentar entender como poderíamos melhorar o sistema, qual poderia ser o ponto fraco e tentar fazer um trabalho melhor. Mas é mais uma melhoria contínua, do que um grande passo ou grandes mudanças que, a meu ver, não fariam sentido.”

Vasseur também está adotando uma abordagem mais holística das coisas; considera importante considerar o quadro geral de toda a organização do que focar nos chefes de departamentos.

Explicando por que ele não estava empunhando o machado para a equipe de estratégia, ele disse: “Você tem que evitar ficar apenas focado no topo da pirâmide. Muitas vezes, quando você está falando sobre estratégia, é muito mais uma questão de organização do que apenas o cara que está no pit wall.”

Vasseur está falando com as pessoas certas

Frédéric Vasseur, Ferrari

Frédéric Vasseur, Ferrari

Photo by: Ferrari

A Ferrari sempre foi um foco de política, e isso historicamente significa que os chefes de equipe estão constantemente fazendo malabarismos com facções concorrentes por sua atenção.

Binotto fez muito para tentar se livrar de parte da mentalidade que existia antes de assumir o comando, mas Vasseur vai querer levar as coisas um passo adiante.

E assim como acredita não ter ainda as respostas para o que a equipe precisa para avançar nos trilhos, não chegou pensando que sabe tudo sobre infraestrutura.

É por isso que ele abriu algumas linhas de comunicação importantes – tanto com o pessoal que trabalha abaixo dele quanto com aqueles a quem ele se reporta.

“O primeiro objetivo era conhecer o maior número possível de pessoas para entender vários aspectos”, disse ele sobre aquelas que foram suas primeiras tarefas desde que ingressou.

“Acho que há muito potencial, mas sei que toda equipe se baseia principalmente no relacionamento humano. Já conversei cara a cara com 30 ou 35 pessoas. Quero conhecê-los, e esse foi o trabalho que mais me ocupou nas duas primeiras semanas.

“Posso dizer que o sentimento até agora é ótimo, o clima é positivo.”

Mas os bate-papos também estão acontecendo em outras direções. Ele diz que conversa todos os dias com o CEO Benedetto Vigna, e eles jantam duas ou três vezes por semana.

Além disso, Vasseur revelou que conversou com Binotto, que ajudou a garantir uma transição tranquila, e também planeja se sentar com o ex-chefe da Ferrari, Jean Todt, em um futuro não muito distante.

“Trocamos mensagens por WhatsApp há algumas semanas e o encontrarei em breve”, disse Vasseur sobre Todt. “Todos os conselhos são bem-vindos, com certeza, mas acho que também é bastante difícil hoje comparar a situação de 94, 95 e 2022.”

Leclerc não será o número 1 por seu antigo e novo chefe

Charles Leclerc, Ferrari, and Frederic Vasseur, Team Principal, Alfa Romeo Racing

Charles Leclerc, Ferrari, and Frederic Vasseur, Team Principal, Alfa Romeo Racing

Photo by: Jerry Andre / Motorsport Images

A chegada de Vasseur à Ferrari marca a renovação da parceria que tinha com Charles Leclerc na Sauber.

Os dois trabalharam bem juntos durante a campanha de estreia de Leclerc em 2018, então voltar juntos inevitavelmente gerou alguma ideia de que o monegasco poderia receber algum tratamento preferencial a partir de agora.

Essa ideia foi rapidamente descartada por Vasseur, que disse várias vezes que Leclerc e Carlos Sainz começarão a temporada em pé de igualdade.

“Não haverá número 1 ou número 2”, explicou Vasseur, que também revelou que tentou contratar Sainz várias vezes durante sua carreira na F1.

Mas, apesar da igualdade desde o início, Vasseur insistiu que não hesitaria em impor ordens à equipe se chegasse um momento em que um de seus pilotos tivesse que ser favorecido.

“Se em algum momento tivermos que agir, eu agirei”, prometeu Vasseur.

“Não importa se é para um ou para outro. Se em algum momento da temporada eu tiver que fazer algo, eu farei.”

Vasseur não perdeu o humor...

Vasseur há muito tem um senso de humor atrevido. E por toda a seriedade que ele mostra no calor da competição, uma risada geralmente não está longe quando você fala com ele.

Como esse lado alegre de sua personalidade seria afetado pela mudança para um papel cheio de pressão? Ele permaneceria o mesmo ou seria forçado a assumir um tom mais sério?

Não demorou muito para perceber que Vasseur não perdeu o senso de humor.

Para os italianos, ele sorriu ao abrir sua sessão em italiano – explicando que, apesar de ter aulas de idiomas todos os dias, ele não arriscaria se alongar e mudaria para o inglês imediatamente...

Para a mídia internacional, raramente havia um momento em que ele não retrucava – ou achava algo engraçado.

Ele disse que as comparações entre ele e o outro chefe francês da equipe, Jean Todt, precisam incluir a altura e a nacionalidade.

Quando questionado por um jornalista sobre os principais problemas que a Ferrari enfrentou com confiabilidade, estratégia e desenvolvimento de carros em 2022, ele riu: “Obrigado por fazer meu trabalho na análise!”

Desde momentos em que os jornalistas lutavam para ligar seus microfones para fazer perguntas, até alguma confusão sobre se ele estava falando sobre John Elkann ou Jean Todt, Vasseur continuou sorrindo e rindo – e parecia se divertir falando com a imprensa.

Vamos todos esperar que ele não mude quando a corrida ficar séria.

Frédéric Vasseur, Ferrari

Frédéric Vasseur, Ferrari

Photo by: Ferrari

...mas ele estará pronto para governar com mão de ferro se necessário

Apesar das risadas, Vasseur ainda mostrou seu lado sério: e sabe que a pressão está sobre ele para entregar os campeonatos mundiais para a Ferrari nesta temporada.

Ele está intensamente focado em entender melhor os erros que custaram caro ao longo de 2022 e monitorará cuidadosamente como as coisas começam quando os carros entrarem em ação no Bahrein.

E, embora sinta que não há alarmes tocando no momento, ele diz que não terá medo de tocar as mudanças se as coisas não estiverem sendo entregues em um padrão bom o suficiente.

“Confio nos rapazes e vou tentar fazer o melhor por eles também e colocá-los nas melhores condições para fazer o trabalho”, disse ele.

“Então, depois de algumas semanas ou meses, será hora de agir se não estiver funcionando.”

Vasseur está convencido de que a Ferrari tem o que é preciso para entregar esses títulos: é apenas uma questão de fazer a equipe trabalhar da maneira que melhor oferece seu conjunto de habilidades.

“Durante minha experiência na Sauber, tive alguns colegas que vieram da Ferrari e eles me disseram que nada é impossível em Maranello”, disse ele.

“Depois de duas semanas posso confirmar que é verdade, nada é impossível. Existem as habilidades para mover montanhas, e isso será importante durante a temporada”.

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #214 – Quem pode surpreender na temporada 2023 da F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Vasseur elogia Binotto por transição na Ferrari e quer falar com Todt
Próximo artigo F1: Red Bull rompe com parceiro após 15 anos e mudará de roupa

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil