F1: Entenda como pressão de Wolff quase deixou Ocon sem vaga na Force India em 2017

Otmar Szafnauer revela ter recrutado Esteban Ocon na Force India apesar da pressão de Toto Wolff, que queria colocar Pascal Wehrlein no lugar

Esteban Ocon, Sahara Force India F1, Sergio Perez, Sahara Force India and Otmar Szafnauer, Sahara Fo

Esteban Ocon, Sahara Force India F1, Sergio Perez, Sahara Force India and Otmar Szafnauer, Sahara Fo

Sutton Motorsport Images

Nesta temporada da Fórmula 1, a chegada de Otmar Szafnauer à frente da Alpine permitiu que ele se reconectasse com Esteban Ocon, piloto com quem já havia trabalhado na Force India em 2017 e 2018. Uma colaboração que quase não se concretizou: segundo Szafnauer, Toto Wolff queria colocar outro protegido da Mercedes, Pascal Wehrlein, na equipe de Silverstone, provavelmente imaginando que Ocon encontrasse um volante em outro lugar.

Wehrlein e Ocon fizeram sua estreia na Fórmula 1 no ano anterior com a Manor, com o segundo chegando no meio da temporada como substituto de Rio Haryanto. Ocon mostrou-se favorável ao parceiro durante este ínterim e isso claramente foi o que lhe permitiu conquistar a vaga na Force India ao lado de Sergio Pérez, apesar da “pressão” de Wolff.

Leia também:

"Sempre gostei de Esteban", disse Szafnauer em entrevista ao site oficial da F1. "Eu me considero uma das pessoas que desempenhou um papel crucial em ajudá-lo a chegar à Fórmula 1. Eu tive muita pressão de Toto [Wolff, diretor da Mercedes AMG F1] na época para levar [Pascal] Wehrlein, e eu escolhi levar Esteban. Isso não quer dizer que Esteban não teria ganhado outro assento, porque você não pode saber, mas eu o coloquei no carro e pronto. Cabia a ele jogar."

"E ele mostrou o quão bom ele era, ele foi muito bem contra os pilotos que enfrentou, e acho que graças a isso ele acabou com outra equipe. Fiquei feliz com isso. Algo semelhante aconteceu com Sergio [Pérez]. Ele ficou sem assento por um tempo, depois foi encontrado na Red Bull, e fiquei feliz com isso também.

Esteban Ocon, Alpine F1 Team, Otmar Szafnauer, team principal, Alpine F1, Fernando Alonso, Alpine F1 Team

Otmar Szafnauer entouré de ses pilotes Esteban Ocon et Fernando Alonso

Na Alpine, Szafnauer também conheceu um bicampeão mundial: Fernando Alonso. Depois de trabalhar com Sebastian Vettel por um ano, o americano traça um paralelo interessante entre essas duas lendas.

"Ele está no topo, é um dos melhores com quem trabalhei", disse Szafnauer, que também trabalhou com Jacques Villeneuve, sobre Alonso. "Ele aprende novos circuitos muito rápido, dá um bom feedback e se adapta a diferentes cenários e situações na pista. Ele também é um competidor incrível, como outros com quem trabalhei: ele não deixa nada aleatoriamente. Ele quer obter o máximo absoluto fora do carro e sobre ele mesmo, simplesmente porque se você fizer isso, terá uma chance melhor na pista. Ele é muito parecido com Sebastian nesse aspecto."

"Acho que ele motiva a equipe de uma maneira diferente de Seb. Mas cada um tem sua própria personalidade e sua própria técnica. Contando que você evite se criticar e apenas trabalhe em qualquer problema para resolvê-lo coletivamente, é o principal."

 

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #186 – Vitória da Ferrari na casa da Red Bull é marco para recuperação no campeonato?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior TELEMETRIA: Rico Penteado aponta o que pode definir sorte de Ferrari e RBR na França
Próximo artigo F1 - Engenheiro da Ferrari: característica do carro preocupa na França

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil