F1: Entenda por que direito de revisão da Mercedes sobre manobra de Verstappen foi negado

Manobra defensiva de piloto da Red Bull teve decisão nesta sexta-feira. Saiba o que foi decisivo para manutenção do que já havia sido definido em São Paulo

F1: Entenda por que direito de revisão da Mercedes sobre manobra de Verstappen foi negado

Os comissários do GP de São Paulo de Fórmula 1 negaram à Mercedes o direito de revisão da direção de Max Verstappen porque não sentiram que as novas imagens eram suficientemente significativas.

A decisão da Mercedes de apelar para tentar fazer com que os comissários de Interlagos vejam o incidente na curva 4 durante os últimos estágios da corrida do fim de semana passado, surgiu depois ver a filmagem da câmera onboard voltada para a frente do carro de Verstappen pela primeira vez.

Leia também:

Durante a corrida, ela não estava disponível para os comissários, já que eles haviam apenas "anotado" o incidente.

Esta é uma parte fundamental da razão pela qual o pedido de direito de revisão da Mercedes foi negado, porque quando os comissários - e não Masi - decidiram que não havia necessidade de uma investigação sobre a manobra de Verstappen.

Max Verstappen, Red Bull Racing RB16B, battles with Lewis Hamilton, Mercedes W12

Max Verstappen, Red Bull Racing RB16B, battles with Lewis Hamilton, Mercedes W12

Photo by: Charles Coates / Motorsport Images

Eles acrescentaram: "Os comissários, portanto, duvidam seriamente de que a intenção do Direito de Revisão no Código Desportivo Internacional seja permitir que os competidores busquem uma revisão de tais decisões que não decorram de uma investigação formal pelos comissários e não resultem em um documento publicado."

Com efeito, os comissários de São Paulo - Tim Mayer, Matteo Perini, Vitantonio Liuzzi e Roberto Pupo Moreno - estão dizendo que uma decisão de 'deixá-los correr' é discricionária, ou seja, uma decisão que não pôde ser revisada.

Isso, devido à redação do Artigo 14 do ISC - "a decisão em questão" - algo que eles são obrigados pelo art. 47.1 das regras esportivas da F1, que afirma que "cabe aos comissários decidir se devem ou não prosseguir com uma investigação", de acordo com o documento da FIA.

Como a Mercedes estava argumentando que a decisão de não prosseguir com uma investigação deveria ser avaliada, os comissários explicaram que "neste caso muito específico, determinar que o 'incidente da curva 4 envolvendo os carros 33 (Ver) e 44 (Ham): nenhuma investigação necessária' constitui uma decisão (desse tipo)."

Mas quando solicitados a avaliar se uma revisão deveria ser feita a pedido da Mercedes, os comissários explicaram o porquê a filmagem adicional não mudaria essa decisão inicial.

Eles analisaram quatro aspectos principais relacionados à nova filmagem: se ela estava anteriormente "disponível", se era "nova", se era "relevante" e se era "significativa".

As três primeiras partes foram, de fato, atendidas pela nova filmagem, que teve que ser baixada do carro de Verstappen após a corrida, já que apenas um feed de cada carro pode ser transmitido ao vivo durante as sessões de F1 - com a câmera traseira do carro #33 era ativa.

Ao argumentar que a nova filmagem encontrou o 'novo', a Mercedes lembrou o incidente de classificação do GP da Áustria de 2020 que levou Hamilton a receber uma punição de três posições no grid.

Lewis Hamilton, Mercedes F1 W11 EQ Performance

Lewis Hamilton, Mercedes F1 W11 EQ Performance

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

Essa decisão veio depois que imagens adicionais da câmera de 360 ​​graus do carro de Hamilton revelaram, quando revelada antes da corrida no dia seguinte no Red Bull Ring, que ele havia ultrapassado uma bandeira amarela visível.

Lá, explicaram os comissários de São Paulo, "a filmagem mudou completamente a decisão dos comissários e foi, portanto, significativa".

A Mercedes foi autorizada a reproduzir o vídeo voltado para a frente de Verstappen para os comissários em suas tentativas de argumentar sua importância - apresentado em uma "comparação lado a lado com a volta anterior", de acordo com o documento da FIA.

Mas os comissários insistiram que a filmagem "não mostra nada de excepcional que seja particularmente diferente dos outros ângulos que estavam disponíveis para eles na época, ou que mude particularmente sua decisão com base na filmagem originalmente disponível".

Essencialmente, os comissários sentiram que não apenas a filmagem adicional não mostrava nada de excepcional que pudesse fazer com que mudassem sua decisão, mas também já haviam decidido que, ao ver as filmagens disponíveis antes e depois da mensagem de Masi, o incidente foi 'anotado'.

Se sentissem que precisavam ver as imagens da onboard, os comissários teriam aberto uma investigação a ser realizada após o término da corrida de Interlagos, para que pudessem ver as imagens assim que fossem baixadas.

Mas eles já haviam decidido que as opções de transmissão disponíveis permitiam que eles decidissem que era um incidente de corrida sob a abordagem de "deixe-os correr" e que Verstappen e Hamilton deveriam continuar correndo.

F1 2021: BOTTAS 1º no TL2 do CATAR, Verstappen INOCENTADO e RBR AMEAÇA PROTESTAR contra Mercedes

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #146: Hamilton teve a maior exibição da carreira no Brasil?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

 

compartilhar
comentários
F1 - Red Bull diz não haver mais qualquer relação com Mercedes: "Luta política"
Artigo anterior

F1 - Red Bull diz não haver mais qualquer relação com Mercedes: "Luta política"

Próximo artigo

F1: Hamilton revela que sente carro "um pouco lento" no Catar

F1: Hamilton revela que sente carro "um pouco lento" no Catar
Carregar comentários