F1 - Horner: "Rivais nos apontarem o dedo mostram que estamos fazendo a coisa certa"

Chefe da Red Bull dá entrevista ao Motorsport.com sobre politicagem na atual temporada e compara campeonato de 2021 com anteriores

F1 - Horner: "Rivais nos apontarem o dedo mostram que estamos fazendo a coisa certa"
Carregar reprodutor de áudio

O chefe da Red Bull na Fórmula 1, Christian Horner, teve que jogar tanto no ataque quanto na defesa pela sua equipe este ano. Com o carro RB16B e uma combinação de motor muito melhorada em relação a 2020, a escuderia levou a disputa para a Mercedes e deixou a montadora alemã enfrentando sua maior ameaça ao título desde o início da era híbrida.

No entanto, nem tudo tem sido fácil para o gigante das bebidas energéticas, já que se viu vítima de uma enxurrada de politicagem e uma série de diretrizes técnicas da FIA. Às vezes, os austríacos poderiam ter sido perdoados por sentir que estavam sob ataque contínuo, mas para o mandatário, era simplesmente uma prova de que estavam fazendo seu trabalho em irritar os rivais.

Leia também:

"Eles colocaram muita energia nisso, mais do que você esperaria", disse ele ao Motorsport.com sobre o intenso lobby da Mercedes. "Tem sido uma estratégia clara, mas acho que isso apenas mostra que eles nos veem como uma ameaça. E acho que você está fazendo algo certo quando as pessoas começam a apontar o dedo."

O que quer que tenha lidado no paddock, em termos de corrida, as coisas têm sido incrivelmente apertadas entre a Red Bull e a equipe alemã. Com seis vitórias no total contra quatro da rival, a batalha pelo título oscilou em ambas as direções com atual campeã atualmente na liderança após acidentes marcantes em Silverstone e na Hungria, onde a escuderia austríaca parecia ter um carro capaz de vencer.

É difícil medir em termos exatos quanto o fato da Mercedes ser atrelada por novas regras aerodinâmicas ou a equipe de Milton Keynes fazer um progresso genuíno define o equilíbrio de performances.

É claro, porém, que a Red Bull intensificou depois de uma temporada de 2020, onde nunca realmente encontrou o ponto ideal com o RB16. Horner vê essa evolução como a culminação de vários fatores.

Havia o fato de que eles tinham superado os problemas de correlação que a afetaram em 2020 antes do final da temporada, o que significa que não estavam perseguindo um problema ao entrar no inverno.

Além disso, com as regras da categoria forçando a transferência do chassi, ter a confiança no carro foi uma grande vantagem.

"Obviamente, nos beneficiamos de um certo grau de continuidade dos componentes de transporte", disse Horner. "E acho que o fato da correlação ter surgido, de que entendemos onde estavam nossos problemas e fomos capazes de resolvê-los, foi o elemento-chave, certamente, para os primeiros seis meses deste ano."

Max Verstappen, Red Bull Racing RB16B after the crash

Max Verstappen, Red Bull Racing RB16B after the crash

Photo by: Jerry Andre / Motorsport Images

As novas regras aerodinâmicas também desempenharam seu papel, pois serviram para atrapalhar os carros de baixo rake como os da Mercedes e Aston Martin muito mais do que os de alto, mas nunca foi certo de que seria assim.

"Estávamos realmente preocupados que o regulamento tivesse um grande efeito nos veículos de alta velocidade", disse o chefe da Red Bull.

Também foi incluído na mistura o fato de que a Honda, na esteira de sua decisão de deixar a F1, apresentou sua unidade de potência mais forte e melhor embalada que originalmente havia sido projetada apenas para 2022.

"Acho que foi uma combinação de coisas: que conseguimos entender alguns dos nossos problemas, resolver muitos deles e apenas fazer um pacote mais arredondado", acrescentou Horner.

"Eu acho que, combinado com a Honda puxando seu motor que estava originalmente programado para 2022 neste ano, sendo aquela temporada final na Fórmula 1, que foi um esforço hercúleo da parte deles, permitiu que tudo se encaixasse."

A situação da montadora japonesa também é particularmente intrigante porque, a julgar pelas pequenas margens entre Red Bull e Mercedes, não é impossível sugerir que, sem a unidade atualizada, as coisas poderiam ter sido muito diferentes.

Questionado sobre a decisão da fornecedora, Horner disse: "Acho que do ponto de vista do pacote, também da utilização de energia onde, as proporções que eles têm, eu acho que fizeram um bom trabalho. É aí que eu acho que a Mercedes comprometeu essa proporção um pouco este ano."

Adrian Newey, Chief Technical Officer, Red Bull Racing, and Max Verstappen, Red Bull Racing, 1st position, with the winning Constructors and Drivers trophies

Adrian Newey, Chief Technical Officer, Red Bull Racing, and Max Verstappen, Red Bull Racing, 1st position, with the winning Constructors and Drivers trophies

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

O que tem sido um cenário diferente para a Red Bull nesta temporada em comparação com grande parte da era híbrida é que ela vem vencendo corridas em termos de ritmo puro.

Já se foi o tempo em que a única esperança de vitória da equipe eram características únicas da pista ou uma aposta estratégica. Agora, houve provas em que foram simplesmente os mais rápidos.

"Conseguimos vencer seis até agora este ano, o que é fenomenal. É mais do que ganhamos nos últimos anos e acho que estar nessa luta pelo título é emocionante para todos. Já se passaram sete longos anos em que somos coadjuvantes. Conseguimos vencer algumas sendo taticamente astutos, mas não fomos capazes de fazer uma temporada regular."

"Agora, temos as ferramentas para fazer isso, um chassi que funciona extremamente bem, um motor que oferece e temos um piloto que está no topo de seu jogo e é experiente", acrescentou.

As lições dos GP da Grã-Bretanha e Hungria são a prova perfeita de por que nada pode ser dado como certo na luta pelo troféu. Para Horner, há uma coisa que ele sabe que tem de acontecer ao longo da segunda metade do ano: a Red Bull precisa melhorar ainda mais o seu jogo.

"Temos que fazer melhor do que na primeira parte!", afirmou. "Nós apenas temos que continuar fazendo o que estamos fazendo. Haverá alguns desafios dentro e fora da pista, mas devemos seguir a atual abordagem e tentar maximizar nosso desempenho em cada sessão, cada qualificação e cada corrida."

“Inevitavelmente, quando se chega ao final do campeonato, as apostas aumentam. Você meio que passa e marca os eventos um por um no momento, mas quanto mais perto do fim, maior a pressão."

Se a primeira metade da luta pelo título de 2021 foi difícil, está claro que Horner pensa que as coisas vão piorar a partir de agora.

Max Verstappen, Red Bull Racing RB16B

Max Verstappen, Red Bull Racing RB16B

Photo by: Charles Coates / Motorsport Images

MAX WILSON vê colaboração "MARAVILHOSA" de BAND no automobilismo, com F1 "até no PROGRAMA DO NETO"

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Qual piloto merece uma segunda chance na F1?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
Como se tornar um Engenheiro de Controle na F1 - Qualificações, habilidades e mais
Artigo anterior

Como se tornar um Engenheiro de Controle na F1 - Qualificações, habilidades e mais

Próximo artigo

F1 - Rosberg relembra rivalidade com Hamilton: "Disseram que eu era o bandido"

F1 - Rosberg relembra rivalidade com Hamilton: "Disseram que eu era o bandido"
Carregar comentários